Total de visualizações de página

A pombagira

quarta-feira, 15 de janeiro de 2020

Passado misterioso da Nebulosa do Cisne é revelado pela NASA (FOTO)


A Nebulosa do Cisne, também conhecida como Omega, é uma das regiões mais brilhantes e massivas de formação de estrelas na Via Láctea, e possui uma forma que lembra o pescoço de um cisne.

Novas observações realizadas com a ajuda do Observatório Estratosférico de Astronomia Infravermelha (SOFIA) da NASA revelam que suas regiões são formadas separadamente em várias épocas.
O passado misterioso da nebulosa é algo que intriga os especialistas há tempos e não é uma tarefa fácil.
A nebulosa está localizada a aproximadamente 5.500 anos-luz de distância na constelação de Sagitário. Além disso, seu centro possui mais de 100 estrelas jovens, que são as mais massivas da galáxia, entretanto enxerga-las é difícil, pois estão se formando profundamente em casulos de poeira e gás.
A nova visão apresentada pela NASA revela nove protoestrelas, ou seja, áreas onde as nuvens da nebulosa estão rompendo e criando o primeiro passo para o nascimento estelar.

© FOTO / NASA / SOFIA / DE BUIZER / RADOMSKI / LIM; NASA / JPL-CALTECH; ESA / HERSCHEL
Nebulosa do Cisne
Além disso, a equipe descobriu que as partes da nebulosa em forma de cisne não foram formadas ao mesmo tempo, mas, sim, em várias épocas de formação de estrelas.
Estrelas massivas, como as da Nebulosa do Cisne, liberam uma grande quantidade de energia, e por isso podem mudar a evolução de galáxias inteiras.

Veja outros Tweets de Sputnik Brasil

Na imagem, divulgada pelo SOFIA, é possível observar o gás azul sendo aquecido pelas estrelas enormes localizadas próximo do centro, bem como a poeira esverdeada que está sendo aquecida por estrelas massivas existentes e recém-nascidas.
As áreas vermelhas da imagem representam a poeira fina detectada pelo Observatório Espacial Herschel, enquanto que as estrelas brancas foram detectadas pelo Telescópio Espacial Spitzer.
Para obter a imagem, a equipe de estudos contou com a câmara infravermelha FORCAST (Faint Object Infrared Camera for the SOFIA Telescope), que está implantada em um Boeing 747.

Poeira de estrelas mais antiga que Sol é encontrada em meteorito que atingiu Terra (FOTO)



Um meteorito que caiu no sudeste da Austrália em 1969 continha o material mais antigo já alguma vez encontrado na Terra: poeira de estrelas formada há bilhões de anos, antes da formação do Sistema Solar.

O mais antigo de 40 pequenos grãos de poeira presos dentro dos fragmentos de um meteorito recuperado próximo da cidade de Murchison, no estado australiano de Victoria, data de cerca de 7 bilhões de anos atrás. Isso é equivalente a cerca de 2,5 bilhões de anos antes da formação do Sol, da Terra e do resto do Sistema Solar, disseram os pesquisadores.

'Cápsulas do tempo'

Comparativamente, a idade do Sol está estimada em 4,6 bilhões de anos e a da Terra em 4,5 bilhões de anos.
Os cientistas explicam que esses "grãos pré-solares" encontrados na rocha espacial caída (que pesa cerca de 100 quilos) foram expulsos para o Universo após a morte de algumas estrelas.
"Estes são os materiais sólidos mais antigos já encontrados, e nos contam como as estrelas se formaram na nossa galáxia", relatou Philipp Heck, líder do estudo.
Segundo o especialista, estes componentes são pó de estrelas - partículas que ficaram presas em meteoritos, onde permaneceram inalteradas por bilhões de anos, até se tornarem "cápsulas do tempo de uma era antes do Sistema Solar".
Os grãos pré-solares mais antigos datam de há mais de 5,5 bilhões de anos, mas a maioria era mais jovem, e tinha entre 4,6 e 4,9 bilhões de anos de idade.

© REUTERS / HANDOUT
Micrografia eletrônica de um grão pré-solar no meteorito de Murchison com cerca de 8 micrômetros de comprimento
Ao analisar esses dados, os cientistas sugerem que eles apareceram durante um episódio de grande atividade de formação de estrelas, antes do aparecimento do Sistema Solar, há 7 bilhões de anos.
Os detalhes da pesquisa foram recém-publicados na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores