Total de visualizações de página

A pombagira

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Os orixas na Umbanda Tradicional.


ESTE SANTO BATE COM VOCÊ? Essa Lista leva em conta as definições da Umbanda Comum.
Para ter certeza de qual é o seu orixá,só mesmo consultando os búzios. Mas nada impede que você se familiarize com eles identificando as características divinas que influenciam tanto a sua personalidade como a das pessoas ao seu redor. O mapa natal, através da analise do horoscopo pode nos dar uma noção mais aprofundada de quais inluencias regem nosso destino.

Exu, o mensageiro:
Esse controvertido orixá é o primeiro a ser homenageado nas cerimônias para evitar que atrapalhe o ritual, já que compostura não é com ele. Guardião das encruzilhadas, ele circula na fronteira entre a matéria e o espírito. Os filhos de Exu primam pela inteligência e a astúcia, podendo fazer trapaças. Sentem prazer em comer e beber, têm humor e adoram sexo. A pombagira representa sua versão feminina.

Iemanjá, a grande mãe

Senhora dos rios, mares e oceanos, ela é a matriarca dos orixás, personificando a responsabilidade e o encanto da função materna. Embora Iemanjá seja representada como uma mulher linda, o forte de seus descendentes não é a beleza, e sim a capacidade de trabalhar e de proteger a família - suas filhas são ótimas mães. O maior defeito de seus filhos e filhas é falar demais e não saber guardar segredo.

Oxóssi, o caçador

O orixá da fauna e da fartura concede aos seus filhos o dom da elegância e curiosidade. Embora sejam bons pais e mães, joviais e amigáveis no trato, têm dificuldade com os parceiros amorosos e costumam apreciar a solidão. Os descendentes de Oxóssi não conseguem ser monogâmicos e sentem-se livres para quebrar compromissos, passando às vezes por irresponsáveis.

Omulu, o curador

O deus da peste conhece tanto as doenças quanto as curas. Transita entre os vivos e os mortos usando uma capa de palha para esconder suas chagas. Quando bebê, Omulu foi abandonado pela mãe e encontrado por Iemanjá, que curou suas feridas. Tímidos e solitários, os filhos desse orixá derretem-se quando recebem atenção e amor, revelando-se bons amigos. É possível que se tornem deprimidosou sábios na velhice.

Xangô, o justiceiro

Os filhos do deus do trovão e da justiça se dão muito bem na área de advocacia, negócios e burocracia. De constituição física sólida, eles aparentam integridade e têm apetite por comida, dinheiro e poder - é comum envolverem os outros em suas guerras pessoais. Gostam de ostentar seus amantes, a fidelidade não é o seu forte. Bons amigos e excelentes pais, defendem suas crias como ninguém.

Oxalá, o pai

Reverenciado como o deus da criação, ele gerou a terra, os homens, os orixás. Seus filhos demonstram talento para as funções de chefia, magistério, trabalhos criativos e culturais. Adoram desafios, apreciam ser tratados como especiais e transformam-se em notáveis adversários quando encontram oposição. A aura de dignidade é comum entre os filhos de Oxalá, mas eles também podem se revelar pessoas mandonas ou mesmo chatas.

Iansã, a guerreira

Senhora dos raios e das tempestades, é a esposa de Xangô que o acompanha nas batalhas e conduz a alma dos mortos ao outro mundo. Deusa do erotismo, Iansã torna os seus filhos mais dotados para a prática do sexo do que para o cultivo paciente do amor. Corajosos, eles podem dar a vida pelas pessoas que gostam, mas não admitem traição. A conversa brilhante e o jeito extrovertido são suas marcas.

Ogum, o lutador

O deus da guerra, da metalurgia e da tecnologia facilita o progresso, as conquistas e as viagens. Seus filhos distinguem-se pela teimosia e pelas atitudes arrojadas. Dotados de uma frieza racional, fazem qualquer coisa pelos amigos, mas não sabem amar sem machucar e acabam despedaçando corações. Dividem a fama de grandes amantes com os filhos de Exu, que é irmão de Ogum.

Oxum, a sedutora

A deusa da água doce, do ouro, da fertilidade e do amor é supervaidosa e a esposa favorita de Xangô. Seus descendentes espirituais detestam a pobreza e a solidão. Costumam ser pessoas insinuantes, que sabem agradar aos seus amores, o que, por outro lado, não as impede de tentar manipulá-los. A beleza e a fortuna - duas coisas que Oxum adora e oferta aos protegidos - podem tanto ser uma dádiva quanto um pretexto para a arrogância.

No entanto fique sabendo, que as definições são muitas, pois, estas caracteriscas, sempre mesclam, mitos, lendas e arquetipos formulados pelos sacerdotes. E nesse contexto a Umbanda-Astrologica ajuda muito bem a formular arquetipos e influencias mais compreensiveis, por causa do estudo das interpretações das influencias astrologicas.

Carlinhos Lima - Astrologo, Tarologo e Pesquisador.

Os Orixás na Umbanda Moderna

CLASSIFICAÇÃO DOS ORIXÁS NA UMBANDA: 1º) Orixás Virginais = Recebem do supremo Espírito Reino Virginal 2º) Orixás Causais = Aferem karma causal 3º) Orixás Refletores = Coordena Energia – Massa 4º) Orixás Originais = Recebem dos três as vibrações universais 5º) Orixás Supervisores = Supervisiona as leis universais 6º) Orixás Intermediários = Senhores dos tribunais solares do Universo Astral 7º) Orixás Ancestrais = Senhores de toda a hierarquia planetária · Todos os Orixás Ancestrais são subordinados à Cristo Jesus que é o tutor máximo da Terra.


Os Orixás Ancestrais são os que conhecemos na Umbanda. Entre os espíritos que atuam dentro da vibração energética do nosso Eledá, é escolhido um para nos acompanhar mais de perto, seja pela afinidade com o ser encarnado ou pelo simples desejo de acompanhar esse espírito na sua caminhada encarnatória. No caso de médiuns, normalmente este espírito é aquele que incorpora quando invocada a vibração do Orixá principal.

Os Orixás, dentro do culto Umbandista não são incorporados. O que se vê dentro dos vários terreiros, centros, tendas etc, são os falangeiros dos Orixás, espíritos de grande luz que vem trabalhar sob as Ordens de um Orixá. Os Falangeiros incorporam em seus “cavalos” e mostram sua presença e sua força em nome de um Orixá.

Orixás cultuados na Umbanda:
Oxalá, Ibeiji, Obaluayê, Ogum, Oxossi, Xangô, Iansã, Iemanjá, Nanã, Oxum. Outros Orixás: Exu, Obá, Ewa, Logun-edé, Iroko, Ossãe, Oxumarê, Tempo, Orumilá, Ifá. Os orixás: Exu, Obá, Ewa, Logun-edé, Iroko, Ossãe, Oxumarê, Tempo, Orumilá, Ifá e Ibeiji não formam a Tríade do Coronário dos médiuns na Umbanda.

Carlinhos Lima - Astrologo, Tarologo e Pesquisador.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores