Total de visualizações de página

A pombagira

sábado, 25 de junho de 2011

Mulheres e a Shekiná! Ela passou dos quarenta!


Quem estuda esoterismo, segue estudando ciências divinatorias, magia ou apenas busca conhecimentos pra continuar sua jornada espiritual, mesmo que leia apenas a Biblia vai se deparar de cara com a importância que o mundo Sagrado dá aos números. Não apenas a numerologia que conhecemos hoje nas revistas, na verdade a numerologia sagrada vai além. Ela está presenta em tudo, na minha opinião o Grande Arquiteto do Universo, uso a matematica divina pra criar todas as coisas, aliando a Geometria Divina a sua imensa sabedoria com formulas matematicas que só uma mente superior poderia usar.

Na Biblia por exemplo números e contagens se destacam. Na Astrologia temos fases que fazem parte de ciclos importantes, sabemos bem que sem a matemática e uso da numerologia não poderiamos decifrar oráculos, mapas astrais, odús e muitos outros conceitos. Enfim, até as hierarquias angelicais são organizadas por números! Vemos que contagens são importantissimas, como a historia dos sêlos do Livro das Revelações e muitas outras coisas que um bom leitor que não tenha a trave do sectarismo, fanatismo ou cegueira espiritual vai captar rapidamente ao ler tanto a Biblia, quanto qualquer outro livri sagrado, como o Alcorão e muitos outros.

Enfim, na astrologia temos uma contagem importante para fase da vida dos nativos que é o periodo que vai dos 29 aos 30 anos, tempo onde o Ascendente se revela mais, onde Saturno retorna a sua posição natal, onde a Lua por progressão tambem retorna e é uma fase importantissima na vida das pessoas. Segundo se sabe da vida do Cristo, foi também a partir dessa data que o Cristo decidiu dá inicio a sua missão, logo após ao momento que ele exclamou "mulher não chegou minha hora". Mas, temos consciência de uma outra fase importante, provadora e onde se abre um portal ciclico muito fascinante na vida das pessoas que é a partir dos quarenta anos de idade.

A meu vêr após essa idade as pessoas começam uma nova fase de vida! Quarenta anos de vida  é uma tragetória onde se viveu muitas coisas e ao fechar esse ciclo é hora de corrigir erros, de reorganizar tudo, pois, pode se perder essa chance de correção. Em especial para as mulheres, ao passar dos quarenta é chegada a hora de realinhar a vida, caso esteja percebendo que nada tá evoluindo e que tudo parece degringolar! Nem vou repetir aqui os ciclos biblicos importantes da religião judaica e que tem passagens da Biblia pois todo mundo já deve tá cansado de ter ouvido até mesmo nas igrejas da moda que tem hoje em dia em todas as ruas das nossas cidades.

Bem, mudando de iéia pra não surgirem questionamento e eivar   que alguém esquente a cabeça procurando as citações sobre o número quarenta vou postar algumas passagens biblicas aqui:

E houve chuva sobre a terra quarenta dias e quarenta noites. Gênesis 7:12

E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome; Mateus 4:2

E sossegou a terra quarenta anos. Juízes 5:32

E continuou ainda a falar-lhe, e disse: Se porventura se acharem ali quarenta? E disse: Não o farei por amor dos quarenta. Gênesis 18:29

E Moisés entrou no meio da nuvem, depois que subiu ao monte; e Moisés esteve no monte quarenta dias e quarenta noites. Êxodo 24:18

Sucedeu, pois, que ao fim dos quarenta dias e quarenta noites, o SENHOR me deu as duas tábuas de pedra, as tábuas da aliança. Deuteronômio 9:11

E prostrei-me perante o SENHOR; aqueles quarenta dias e quarenta noites estive prostrado, porquanto o SENHOR dissera que vos queria destruir. Deuteronômio 9:25

E eles voltaram de espiar a terra, ao fim de quarenta dias. Números 13:25

E reinou Salomão em Jerusalém quarenta anos sobre todo o Israel. 2 Crônicas 9:30

E suportou os seus costumes no deserto por espaço de quase quarenta anos. Atos 13:18

E eram mais de quarenta os que fizeram esta conjuração. Atos 23:13

E aconteceu que ao cabo de quarenta dias, abriu Noé a janela da arca que tinha feito. Gênesis 8:6

Então a terra sossegou quarenta anos; e Otniel, filho de Quenaz, faleceu. Juízes 3:11

Da idade de trinta anos era Davi quando começou a reinar; quarenta anos reinou. 2 Samuel 5:4

E o tempo que reinou Salomão, em Jerusalém, sobre todo o Israel foi quarenta anos. 1 Reis 11:42

Bem para os sábios antigos o ciclo de quarenta anos, que coinde exatamente com o ciclo de Vênus é chamado de Shekiná. Para quem conhece bem a historia antiga de magos, astrologia, templos e do mundo sagrado sabe muito bem a importancia desse ciclo, até mesmo para Salomão, Davi, os Hebreus como um todo e para muitos outros grandes magos. E lembrando a ligação desse ciclo com Vênus é por isso que digo que essa fase dos  quarenta anos é muito especial para as pessoas, mas, acima de tudo para as mulheres. Em especial para as que não tão com sua familias, emoções, profissões e espiritualidade em harmonia. 

Então você mulher que já passou dos quarenta e está no ano 41,42, ou entre o 41 e 45, pare pense, repense e veja o que precisa ser corrigido em sua vida, em sua alma ou em sua mente. Veja se o que tá ocorrendo são por culpa de seus proprios erros ou por culpa do carma gerado ainda em vidas passadas.

Em especial eu quero chamar atenção as mulheres dos signos Cardinais, Aries, Capricornio, Libra e Cancer. Elas devem tá passando por maiores ajustes carmicos do que as outras nativas dos demais signos. Isso por que temos Urano, Saturno e Plutão agindo sobre estes eixos. Em especial as arianas que tem a vida em desarmonia que não se iluminaram ao longo de sua existencia, devem tá cortando um dobrado, sendo depurada e bem provada por Saturno em seu signo oposto, com Urano agindo magneticamente por cima de seu signo natal e por Plutão quadrando e desafiando sua existencia a todo mumento. Muitas arianas tendo provações de saúde, solidão, abestinencia forçada de sexo e falta de recursos. Mas, lembrem bem, estou me referindo as que tem o carma sem ser cumprida nem a metade de sua missão nesta encarnação. Mulheres que se jogaram as relações descontroladas, enganos, traições, luxurias, rancores, magoas e envolvimentos ruins. 

Oxuarê, com a influencia de Obaluaê e Nanã são os orixás que tão agindo nesses eixos cardinais atualmente, dando uma ultima e nova chance de mudança a estes nativos, arianas, capricornianas, librianas e cancerianas. Se tá tudo bem que se use a harmonia pra evoluir espiritualmente ainda mais, mas, se tá mal, procura se saber o que ficou na alma de ruim e que precisa ser expurgado. O que precisa ser perdoado, ou o que se deve pedir perdão. Vamos meditar, vamos refletir, mudar o ego e baixar o nível da arrogância. 

Axé a todos!

Carlinhos Lima - Astrologo

Se Exu incorpora, orixá tambem pode!


O que mais se aproxima do vosso entendimento é que os orixás são emanações oriundas do Divino, expressas desde as dimensões imateriais sem forma até os mundos manifestados na forma (astral, etérico, físico) em planos de vida distintos, de faixas vibratórias específicas. O que mantém a harmonia universal são os orixás, vibrações cósmicas conhecidas milenarmente pelas religiões e filosofias orientais e que agora estão sendo elucidadas com maior clareza para o Ocidente.

A vibração de exu, indiferenciada, atua em todas as latitudes do Cosmo, não fazendo
distinção de ninguém, tendo um caráter transformador, promovendo mudanças justas necessárias para o equilíbrio na balança cármica de cada espírito. Nas dimensões mais rarefeitas, exu se confunde, unido aos orixás, com o eterno movimento cósmico provindo do Incriado, sendo característica d'Ele, denominação dessa qualidade transformadora impossível de ser transmitida no vocabulário terreno. Grosseiramente, exu movimenta a energia, não é a energia propriamente: o movimento rotatório do orbe cria as ondas, mas não é a água dos mares.

Mas tudo no Cosmo parte de uma força maior, abstrata, sem forma e manifestação, que
nunca teve ou terá individualização, sendo única e inigualável, mantendo a própria coesão energética do Universo manifestado nas formas, desde os planos superiores, menos condensados e rarefeitos, até o Astral mais inferior, condensado e denso; repercute vibratoriamente em vós, como se o plano material fosse um gigantesco mata-borrão: nas matas, nas cachoeiras, nos mares, no ar, no fogo, na terra, nos homens, animais, todos como variações de energias espirituais pulsantes em
vida infinita, alimentadas pelo Eterno.

O que definirá os aspectos negativos e positivos de nossas condutas, independentemente de compreendermos ou não todo o misticismo da umbanda e das religiões no intercâmbio com as forças da natureza, é o exercício de nosso livre-arbítrio e a relação de causalidade que isso estabelece com os outros e com a coletividade que nos abriga, forjando o justo merecimento naquilo que vamos colher - que é obrigatório, ao contrário da semeadura.

Os orixás são aspectos da Divindade, altas vibrações cósmicas que se rebaixam até vós, propiciando a manifestação da vida em todo o Universo. É preciso compreenderdes que existem vários planos vibratórios no Cosmo e que Deus, em Sua benevolência, manifesta-Se por meio de vibrações próprias em cada dimensão. Assim, a cada um dos orixás se afina uma plêiade de espíritos que atuam nas formas estruturais que sustentam o movimento da umbanda no Espaço: pretos velhos, caboclos e crianças, todos plasmando um triângulo fluídico magnético do plano espiritual superior que "flutua" sobre o Brasil, para cujo centro se direcionam as vibrações do Cristo Cósmico e todas as formas e raças espirituais que se enfeixam na umbanda para fazer a caridade. 

Essas vibrações energéticas não são o próprio Incriado, que permanece sem ser manifestado diretamente. Cada um dos orixás tem peculiaridades e correspondências próprias na Terra: cor, som, mineral, planeta regente, elemento, signo zodiacal, essências, ervas, entre outras afinidades astromagnéticas que fundamentam a magia da umbanda por linha vibratória.

Na umbanda, diz-se que os orixás não incorporam. Afirmam que isso é impossível, pois "não é da natureza universal quaisquer manifestações personificadas dos orixás", mas, confesso que penso diferente, já vi manifestações de alta energia que muito se identificou com orixás, essa historia de que só encantados se manifesta e fala pelos orixás é de certa forma questionável. Acho que assim como os anjos podem ter contato direito com os homens, orixás que em toda sua mitologia, lendas e cultura são humanizados, não há nada que comprove a impossibilidade da incorporação por nenhum deles, nem mesmo Oxalá. 

O que erificais em alguns terreiros sérios de cultos de nação e que mantêm as tradições africanistas antigas, claramente não evidenciando a prática umbandista, não são apenas, manifestações do inconsciente, de arquétipos padronizados, que no transe ritualístico exteriorizam uma personagem simbolizando essas altas energias cósmicas, ditas orixás, "concretizando", para o entendimento humano, por meio de expressões coreográficas, algo que vos é abstrato. Também se manifestam espíritos ancestrais afins com a família-de-santo da Terra, e que na espiritualidade preservam seus hábitos religiosos, como se estivessem nos antigos clãs tribais no interior da velha África.

Assim, os orixás se "manifestam" na umbanda, indiretamente, por meio dos espíritos que se unem no plano astral formando as linhas vibratórias, uma para cada um deles, ditos orixás. É uma forma de se unirem organizadamente em auxílio aos filhos da. Terra. Nenhuma linha vibratória que representa um orixá é melhor que outra. Todas têm a mesma importância.

Carlinhos Lima 

O Portentoso Caboclo Pena Azul


A Umbanda, assim como o Candomblé, tem seus mistérios. E um desses mistérios é a força oculta de legionários senhores da luz, que representando os ancestrais e correntes de forças vibratórias, atuam, tanto em defesa de causas, vertentes espirituais e de missões, tanto pelo planeta, quanto por missões de pessoas importantes, que são enviadas a terra, tanto pra cumprir tarefas que os Senhores do Carma ordenam que sejam cumpridas, como pela evolução individual, pois tudo e todos nós, fazemos parte de um projeto maior. 

Temos como um breve exemplo de um nome simbólico ocultador, o nome da maior parte dos Pretos Velhos, como por exemplo, Pai João de Angola, Pai Simão, Pai José de Aruanda, Pai Pedro da Costa, Pai Fugêncio e assim por diante. Por si mesmo, estes nomes não nos revelam muito quanto a irradiação de trabalho ou sua sustentação nos Orixás, a única coisa que estes nomes nos revelam é o processo que a historia do qual seus arquétipos estão muito bem inseridos, pois, ao se apresentar com um nome cristão e não africano, mostra que faz parte de um contexto, não só histórico e de escravização, quando eram batizados com nomes portugueses ao desembarcar no Brasil, mas, muito além disso, os nomes revelados, apresentado nestes exemplos, que a entidade não tem um lado duro, profundamente inflexível, onde Deus ou seus mensageiros, tenham dono ou intenção de servir apenas a um lugar ou povo. Por isso, sempre achei estranho, a forma como certas nações dizem "este é o meu Deus" ou há em seus livros, trechos que supostamente revelam "este é o meu povo amado e não há outro". Mostra apenas, que quem escreveu esses livros, quer dar um caráter político as escolhas de Deus e de todas as divindades, querendo mostrar que um povo seria superior a outro. Deus não tem nacionalidade, Deus ama todos os filhos e se apresentou em todos os cantos do mundo, com diversos nomes, tanto pra que fosse mais fácil entendê-lo, como uma forma de respeito. Por isso, a forma ruim como igrejas agiram matando comunidades e enfiando "seu deus" goela abaixo, foi algo que além de maligno, era muito imoral. Deus, é amor, verdade e justiça, jamais de tirania. 

Outro aspecto importante sobre os nomes das entidades, em especial na Umbanda, as que tem nomes portugueses, é que que sua origem seria de Angola, ou outras nações que ligadas ao português. Neste caso, para sabermos sua irradiação, precisaríamos conversar com o Mentor, ou reparar nas cores de velas que usa, ou até então, observar os símbolos e signos utilizados no ponto riscado desta entidade. Já os Caboclos, por exemplo, em sua maioria trabalham com os nomes baseados nos mistérios reveladores, ou seja, seus nomes por sí só já revelam sua irradiação e sustentação. Mas, calma. Não pense que a leitura de Umbanda é a verdade absoluta. Lembrem que Zélio ao reformular os cultos afro-brasileiros, foi orientado por um Caboclo que já existia antes da tão falada Umbanda Brasileira. Zélio de Moraes não criou a Umbanda do nada, ela apenas resurgiu. O Caboclo desceu do astral e trouxe uma reformulação, um seguimento que a meu ver, ainda foi muito mal compreendido. Não de má fé. Creio que Zélio teve a melhor das intenções em buscar fazer uma integração dos cultos afro-brasileiros com o kardecismo, mas, uma coisa não tem nada haver com a outra. No entanto, Zélio fez isso por causa de sua fé e militância nas duas vertentes. O inconsciente, sempre acaba influenciando as escolhas conscientes.

Eu estava vendo vídeos em canais dia desses, onde a pessoa do canal dizia "no centro onde frequento, trabalha com Umbanda e Kardecismo, com cultos de Umbanda nas quintas e sábados e de Kardecismo nas terças e nos domingos...". Enfim, tanto faz o dia que escolhem. Mas, para você que estuda uma Umbanda mais iniciática, esotérica, ancestral, mística e que sabe bem como funciona a magia, notará facilmente a contradição. E verá facilmente que Umbanda e Kardecismo podem até se identificar em algumas coisas, mas, não são tão harmônicas assim, a ponto de serem professadas dessa forma. "Uma coisa é uma coisa e outra coisa, pode ser qualquer coisa..." já diria o velho Senhor das Estradas. Só que hoje em dia, em época de internet, aplicativos e experimentação, tudo virou um "app" pras pessoas. Querem experimentar tudo. A ritualística, a tradição, as chaves, a origem e a vibração, será sempre desrespeitadas por causa do modismo, sensacionalismo e aproveitamento do tempo. Será que um templo, com cultos budistas nas quintas, daria certo com cultos judeus no sábado? Diria que sim, o liberal buscador de harmonização filosófica. Mas, a verdade é que cada cultura tem seu caminho.

Possuímos centenas de nomes simbólicos de guias e Caboclos, mas aqui vou exemplificar com o nome da linha de Caboclo Pena Azul, também Pena Branca, Pena Roxa, Pena Verde, Pena Vermelha, Pena de Aço... e assim por diante! Porém, o processo de analise é o mesmo para demais linhas. Primeiro ponto que observamos é que acima de qualquer nome ele é um Caboclo, logo, por si só já possui sustentação de Oxóssi, pois, o sustentador da linha de trabalho Caboclos é Oxóssi - ou seja é seu primeiro tripé, já que assim como nós encarnados ele pertence a mais de uma vibração. Segundo ponto a observar neste caso é o “Pena”, o mistério das penas, que são das aves, assim como os das folhas também são de Oxóssi, então ai reforça sua sustentação e lhe dá a capacidade de absorver e trabalhar com irradiações dos planos de Oxóssi. No entanto, há um algo mais. Pois esse processo ligado as penas e as aves, assim como toda simbologia mística, remete as céus, missões mais elevadas e ocultamente, nos faz lembrar por exemplo, de anjos. Dessa forma, há uma ligação ai a orixás mais ligados aos orixás criadores como Ifá, Olofin, Oxalá e assim por diante. O que quer dizer, assim como os arcanjos, eles fazem parte da linha de guerreiros, mas, que se interligam a hostes maiores e mais divinas.

Depois de Caboclo e Pena, vamos observar o Azul. Temos que entender qual tonalidade de Azul estamos falando, pois, se o Caboclo se manifesta com as cores de vestimenta plasmada ou velas no azul escuro, é irradiador do Orixá Ogum, já se for o azul claro, então o irradiador é a Orixá Iemanjá. Outra questão que deve ser levada em conta é a que vibração ancestral ele pertence. Lembre-se que na Umbanda Esotérica por exemplo, que leva em conta a astrologia e chacras, temos o laranja, como uma das cores sagradas de Ogum e o Azul sendo mais uma cor de Oxóssi mesmo. Você pode perceber que as respostas estão realmente nos pequenos detalhes, totalmente atrelados ao simbolismo. E um detalhe muito importante também, pois, já como o azul tanto pode ser de um Orixá quanto do outro, o guia, no caso, Pena Azul, pode tanto manifestar uma irradiação, quanto outra, quanto as duas, pois, além das tonalidades está por trás disso tudo o que podemos chamar de mistério do Azul, que contempla estes Orixás. Claro, a certeza das irradiações individuais ou das duas, teremos com o ponto riscado desta entidade.

Assim como um ponto errado ou letra num código fonte de computador, pode colocar tudo a perder, uma configuração simbólica errada, pode bloquear uma entidade ou afastá-la. Há conjugações. Um Caboclo que tenha por exemplo uma pena azul de jade, ou de ferro, ou azul cristal, apresentará diferentes funções e energias. Por isso, o importante é que observe bem seus orixás, nunca faça só por indicações de terceiros.

Carlinhos Lima

Com o poder do Som Deus criou o universo

Conhecimentos antigos e velados, diziam que o Arquiteto do Universo criou as dimensõs com as notas musicais. Os fundamentos dos mantras e seus efeitos curativos (vocalização de palavras mágicas) fazem parte dos ritmos cósmicos desde os primórdios de nossa civilização. Os vocábulos pronunciados, acompanhados do sopro e das baforadas, movimentam partículas e moléculas do éter circundante do consulente, impactam os corpos astral e etérico, expandindo a aura e realizando a desagregação de fluidos densos', miasmas, placas, vibriões e outras negatividades.

Os infra e ultra-sons do Logos, o Verbo sagrado, deram origem ao Universo e compõem a tríade divina:  som, luz e movimento. Como o macrocosmo está no microcosmo, e vice-versa, se pronunciardes  determinadas palavras contra um objeto ou ponto focal no Espaço, mentalizando a ação que esse som simboliza, será potencializada a intenção pelo mediunismo do caboclo manifestado no médium, e energias correspondentes serão movimentadas. Ao mesmo tempo, cada chacra é uma antena viva dessas vibrações que repercutirão nas glândulas e nos órgãos fisiológicos, alterando os núcleos mórbidos que causam as doenças, advindo as "notáveis" curas praticadas na umbanda.

 Carlinhos Lima

Na Umbanda Sagrada não tem mediunidade especial

A umbanda é produto da evolução espiritual, como tudo no Cosmo. Estando suas origens contidas nas filosofias orientais, com fragmentos mais ou menos acentuados, dependendo de sua origem étnica e geográfica, quanto mais pesquisardes os cultos que deram origem às religiões, do mundo antigo e primitivo ao civilizado e cosmopolita, mais facilmente podereis constatar a procedência e veracidade dos fundamentos umbandistas, desde os idos da antiga raça vermelha, na Atlântida. Verificai a Sabedoria Divina nessa reunião das práticas e crenças dos índios, negros e brancos do Brasil, que vibra em harmonia com nossos compromissos assumidos no Espaço, neste momento consciencial da coletividade terrena, consoante a nova raça que se formará na crosta, fraterna e universalista, num amálgama entre as culturas e filosofias do Oriente e do Ocidente.

A umbanda é dinâmica e se adapta aos prosélitos em seus anseios espirituais, desapegada de dogmas intocáveis e engessamentos doutrinários. Como se encerra seu primeiro centenário, período cíclico de sua afirmação, para angariar o máximo de fiéis no menor tempo possível, suas lideranças terrenas não se preocuparam em buscar uma unidade doutrinária mínima. Ela vicejou num meio caracterizado pela variedade de ritos, cultos e símbolos que tendem à "umbandização", acrescidos do sincretismo, como "aval" para a inclusão urbana e social num habitat cultural predominantemente católico.

A umbanda fundamenta-se na magia e nas forças da natureza manifestadas nos planos das formas (mental e astral), representadas pelos orixás. Ela não concorre com os centros espíritas, que não permitem símbolos mágicos, cânticos, defumações, ervas, essências aromáticas, fogo, pólvora, velas. O espiritismo preconiza libertar os homens das formas transitórias e não aceita a magia em seus postulados doutrinários. Infelizmente, muitos homens ditos espíritas se consideram melhores, superiores e salvos em relação aos umbandistas, condenando equivocadamente a umbanda em suas atividades de intercâmbio com o Espaço.

O conhecimento das leis universais estimula aqueles que o detêm. Seres do "lado de cá" indicam fraternalmente o respeito às diferenças, mas sem abrir mão de diretrizes e princípios básicos que norteiam a umbanda: o amor e a caridade crística. Dessa forma, os Maiorais da Grande Fraternidade Universal estão engajados nesses esclarecimentos e nos autorizam a continuar laborando em prol da ampliação do discernimento dos terrícolas. O momento está de acordo com o merecimento coletivo da comunidade encarnada, principalmente quanto à elucidação dos aspectos sociológicos e cósmicos da umbanda.

Respeitosamente, e sem excluir nenhuma forma de mediunismo que almeja a caridade com o Cristo, diante da saudável diversidade da umbanda, faz-se necessário, neste momento da formação da consciência coletiva umbandista, distinguirdes as práticas mágicas populares, distorcidas diante das leis de causalidade que regem a harmonia cósmica, do verdadeiro movimento de umbanda, que se espraia na Terra provindo do Espaço com a finalidade de interiorizar nos corações o "espírito" da caridade.

Está claro que toda sorte de mediunismo tem um valor diante da inexorável evolução dos seres, desde que a cada um seja dado em conformidade com seu merecimento e afinidade, necessidade de retificação e capacidade de assimilação, nada se perdendo do rumo do Pai. Ao público espiritualista que nos é simpático; impõem-nos os compromissos assumidos com os Maiorais do Espaço para ditar elucidações ampliando o discernimento das coletividades encarnadas que nos lêem.
Umbanda é uma verdade que independe da vontade e das suscetibilidades feridas de lideranças sacerdotais que conspurcam seu nome sagrado com práticas que não são condizentes com a caridade referendada no Evangelho de Jesus. É oportuno registrar que os costumes africanistas tribais de religiosidade ancestral  aportaram no Brasil com acentuadas distorções de suas práticas originais. Já eram atacados pela Inquisição antes de as levas de escravos capturados serem jogadas nos fétidos porões das naus portuguesas. Via de regra, isso foi intensificado aqui pela continuidade da opressão do clero, que redundou em várias outras adaptações, com raras exceções que conseguiram manter os ritos primários incólumes. 


Nunca vacilar na busca pelo crescimento espiritual


A busca do homem tentando compreender o universo sempre foi ardua, intensa e muitas vezes solitária. Sempre foi muito difícil agrupar companheiros, seguidores e colaboradores. Isso por que o ser humano sempre foi muito individualista, incrédulo e só se deixa induzir quando o grau de manipulação tem uma mecânica pirotcnica, por que o homem sempre se ligou muito pelo que vê e não pelo que sente seu coração. Por isso, tantos ludibriadores de nossa era consegue aglomerar tantos sectários à sua volta, por que o homem sempre foi muito chegado a modismos.
Desde os primórdios do planeta, quando se materializou o conhecimento uno trazido de outras latitudes siderais, acompanhamos a evolução dos homens. Na verdade uma evolução lenta, sucinta, frágil e quase sempre colocada em risco, devido ao alto grau de tentações que os escolhidos sempre foram submetidos. Agora é chegado o tempo de a Alta Confraria Cósmica do Astral Superior, com o trabalho especial e iluminado dos Mestres Ancestrais evoluidos e Senhores do Carma, que regem a umbanda sagrada elucidar sua elevada significação aos homens, extrapolando a condição de sistema doutrinário mediúnico. Nesse sentido, falta-nos trazer conhecimentos esotéricos da Luz Divina em prol desse projeto maior, esquematizado no Espaço, que traça os desígnios do movimento umbandista em solo terreno.

Manter-se equilibrado, vivenciar e praticar a caridade nos terreiros, ou pelos caminhos magisticos da Umbanda, mesmo que seja solitário, tendo no Astral a cobertura das falanges de umbanda, para que consiga recepcionar nossos pensamentos e traduzir o que temos a transmitir. Nada adianta ao oleiro ter o melhor terreno que fornece a mais valiosa argila se não sabe moldar o barro em peça útil de louça. Isso só se consegue com treino árduo no comando da olaria, coragem e dedicação pra suportar as dolorosas penas de quem precisa até mesmo levar o corpo ao mais profundo cansaço. 

É inevitável a influência do instrumento mediúnico consciente, o que diminui nosso esforço, além da preparação que todo médium recebe antes de reencarnar e nas vidas anteriores, mas, não foquemos apenas nas incorporações o uso o tempo todo da magia. Na verdade o crescimento de um médium está mais a nível mental. Por isso cuidar bem da cabeça e das entidades que regem a mesma é o fundamental. Assim cuidar do Axé, do Ori-Bará e de nós mesmos é acima de tudo o mais importante pra termos controle e harmonia em nossa essência.

Obviamente as excrescências anímicas que vêm à tona devem levar o atual instrumento a um exercício continuado de vigilância e humildade, a compartilhar e dividir tudo isso com o grupo que o apóia, sob pena de rapidamente se instalarem a vaidade e o impedimento vibratório por recepcionar nossas idéias. Assim temo que ter sempre em mente que o Ego deve ser sempre controlado, domado e nos libertar do egoismo e vaidade se faz uma luta constante e diária. Muitos bons mestres se perdem por causa da vaidade, do egoismo e da ganância por controlar tudo e todos à sua volta. E o mal nunca dorme estará sempre no nosso caminho tentanto nos fazer cair, fraquejar ou se dominar pelos desejos! E por falar em desejo, o maior risco e ataque, quase sempre vem de nós mesmos. Nem sempre é preciso que o Diabo nos prove pra que caiamos em pecado e erros graves. O maior perigo e fraqueza é quando os desejos do corpo dominam os desejos da alma e esta contamina o espirito. Assim nunca cochilemos, estejamos sempre atentos, vibrando harmonia pelo raio luminoso do amor e sempre confiando na proteção de nosso Soberano Senhor que nos deu a vida!

Axé a todos!

Carlinhos Lima - Astrologo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores