Total de visualizações de página

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Sexo, carma, troca de energias e conexões de almas

Na verdade nós somos energias condensada. As energias ao nosso redor agem sobre nós. Por isso somos médiuns e por meio de energia que os seres espirituais e sobrenaturais, conseguem nos contactar. E pessoas de energias boas nos fortificam, auxiliam e até nos curam, enquanto pessoas de energias ruins nos enfraquecem. Uma mulher que se relaciona por exemplo, com um drogado, bêbado ou que traz o signo da morte consigo, vai receber desse indivíduo toda carga negativa... por isso mulheres que saem se relacionando com qualquer tipo de homem, sente bloqueios, acabarão tendo problemas ginecológicos, psíquicos e espirituais. Quando a Torah, fala em "um só corpo e uma só carne", quando homens e mulheres se conectam, não exagera. Por isso mulheres que se prostituem, acabam perdendo a identidade espiritual, seu orí fica bagunçado e toda sua estrutura de chacras fica desorientada! Uma mulher que é casada também com um imbecil que lhe maltrata todos os dias e transa com ela praticamente a força, ela além de sentir-se mal e mais fraca, sua alma vibrará como se tivesse adulterando sua própria alma. Porque no fundo todos nós viemos pra encontrar nosso amor real, e quando passamos a ter conosco alguém totalmente avesso a nossa essência, tudo passa a nos fazer mal. Uma menina que vai a um baile funk sem calcinha e lá se envolve com traficante, marginais de todo tipo de energia zumbi e vampiresca, está jogando sua essência no lixo e sua alma em escuridão... Depois ao passar dos anos, quando começa a perceber que cedeu seu corpo a demônios, começa a clamar, por falta de sorte, por proteção e por amor, e tudo pode já está muito distante e talvez sem jeito. Por isso pense bem com quem se relaciona... 

Quando falo aqui na mulher, na verdade, me refiro a todas as relações, de homens e mulheres. Ou seja, os homens correm os mesmos ricos, tanto físicos, quanto espirituais. No entanto, sabemos bem que a nossa sociedade tem a mulher com "portadora da parte negativa ou passiva", e certo ou não, sabemos bem que há séculos a mulher paga muito mais o pato do que o homem. Ela que dá pra doto mundo é a "devassa" a "vadia", a "rampeira" e assim por diante. Enquanto isso o homem que sai por ai comendo todo mundo é o 'garanhão" ou o "pegador". Também quando a mulher tem uma gravidez precoce, geralmente ela que acaba cuidando da prole, sendo chamada de mãe solteira, até que arranje alguém pra lhe amparar. Se é certo ou errado, sabemos que é, mas, as eras ajustam a sociedade em conformidade com vontades e leis que não cabe ou nos compete interpretar o porque!

As ações confusas podem ser destrutivas, construtivas ou ainda outras não-especificadas por Buda. As ações destrutivas estão sempre misturadas com confusão e são aquelas que amadurecem na infelicidade e sofrimento. As ações construtivas misturadas com confusão amadurecem na felicidade, mas na felicidade que não dura e que nunca satisfaz. As ações não-especificadas também podem estar misturadas com a confusão. Amadurecem nos sentimentos neutros, sem felicidade nem infelicidade. Já vimos exemplo de uma ação destrutiva, o de se fazer sexo desprotegido com uma prostituta. Tal comportamento está claramente ligado à confusão sobre a realidade, ingenuidade e geralmente ânsia de desejo.

Precisamos de compreender com mais clareza aquilo que o budismo quer dizer com a afirmação de que as ações misturadas com confusão “amadurecem” na infelicidade, na felicidade samsárica ou num sentimento neutro que não é felicidade nem infelicidade. Este princípio diz respeito a todo nosso comportamento quotidiano, incluindo também o nosso comportamento sexual. O budismo fala da lei da i nfalibilidade cármica, da certeza de que as ações destrutivas amadurecem no sofrimento, a menos que purifiquemos as tendências cármicas que elas acumularam. Ou, no sentido contrário, se estivermos experienciando o sofrimento agora, esta experiência amadureceu das tendências cármicas acumuladas pelo nosso próprio comportamento destrutivo no passado. A mesma lei é verdadeira em relação à nossa felicidade normal e às ações construtivas misturadas com confusão.

E quando agimos é incerto se iremos experienciar felicidade ou infelicidade. Quando ajudamos alguém a fazer uma tarefa difícil, podemos nos sentirmos felizes ou podemos sentir ressentimento pela trabalheira. Após praticarmos sexo desprotegido com uma prostituta, podemos nos sentir felizes por termos praticado sexo, ou aterrorizados porque poderemos ser infectados. Assim, há muitas repercussões e muitos problemas que surgem a longo prazo. Isso é que é certo quando agimos destrutivamente. 

As ações destrutivas podem ser motivadas pela ânsia do desejo – por exemplo, pela obsessão com o sexo, que faz com que alguém vá de aventura sexual a aventura sexual. Também podem ser motivadas pela raiva ou pela hostilidade, como no exemplo de alguém que viola uma série de mulheres porque está irritado com elas e as quer ferir. O comportamento destrutivo pode ser também motivado pela ingenuidade – seja ingenuidade sobre a causa e efeito ou sobre a realidade, tal como no exemplo que já mencionámos, de praticar sexo desprotegido com uma prostituta. A ingenuidade está frequentemente misturada com o desejo obsessivo ou a hostilidade. 

Outras emoções perturbadoras, tais como o ciúme, que acompanham estas motivações destrutivas são similarmente destrutivas, assim como são as próprias ações motivadas por elas. Assim, em geral, podemos dizer que o samsara – renascimentos incontrolavelmente recorrentes – também é destrutivo. No caso das ações que Buda especificou como construtivas ou destrutivas, a motivação contemporânea é a que tem o efeito mais forte no peso ou na leveza do resultado cármico. 

Consideremos a prática do sexo com o nosso parceiro; isto é, em si, um ato eticamente neutro. Podemos estar causalmente motivados por uma razão construtiva. Podemos querer fazer o nosso parceiro feliz ou podemos querer ter um filho. Mas quando iniciamos o ato sexual em si, se a obsessão pelo prazer e o desejo se tornar mais forte e se transformar na nossa motivação contemporânea, a ação torna-se destrutiva apesar da positiva motivação causal original. Fazer amor com obsessão pelo sexo acumula um hábito negativo que, a longo prazo, irá causar infelicidade.

A crença na reencarnação tem suas origens nos primórdios da humanidade, nas culturas primitivas. De acordo com alguns estudiosos, a ideia se desenvolveu de duas crenças comuns que afirmam que: • Os seres humanos têm alma, que pode ser separada de seu corpo, temporariamente no sono, e permanentemente na morte; • As almas podem ser transferidas de um organismo para outro. Segundo Diodoro Sículo, Pitágoras se lembrava de ter sido Euforbo, filho de Panto, que foi morto por Menelau na Guerra de Troia. Há referência recentes a conceitos que poderiam lembrar a reencarnação na maior parte das religiões, incluindo religiões do Egito Antigo, religiões indígenas, entre outras. A crença na reencarnação também é parte da cultura popular ocidental, e sua representação é frequente em filmes de Hollywood. É comum no Ocidente a ideia de que o Budismo também pregue a reencarnação, supostamente porque o Budismo tenha se originado como uma religião independente do Hinduísmo. No entanto essa noção tem sido contestada por fontes budistas; para mais detalhes veja renascimento. 

A reencarnação é um dos pontos fundamentais do Hinduísmo (já pregava esse conceito 5 mil anos antes de cristo), do Jainismo, do Culto de Tradição aos Orixás (Òrìsà) (já difundia esse conceito 5 mil anos antes de Cristo), da Teosofia, do Rosacrucianismo e da filosofia platônica, mais recentemente o Espiritismo (codificado por Allan Kardec). Existem vertentes místicas do Cristianismo como, por exemplo, o Cristianismo esotérico, que também admite a reencarnação. 

Entre as tentativas de dar uma base “científica” a essa crença, destaca-se o trabalho do Dr. Ian Stevenson, da Universidade de Virgínia, Estados Unidos, que recolheu dados sobre mais de 3000 casos em todo o mundo que evidenciariam a reencarnação. No Sri Lanka (país onde a crença é muito popular), os resultados foram bem expressivos. Segundo os dados levantados pelo Dr. Stevenson, os relatos de vidas passadas surgem geralmente aos dois anos de idade, desaparecendo com o desenvolvimento do cérebro. Uma constante aparece na proximidade familiar, embora haja casos sem nenhum relacionamento étnico ou cultural. Mortes na infância, de forma violenta, aparentam ser mais relatadas. A repressão para proteger a criança ou a ignorância do assunto faz com que sinais que indiquem um caso suspeito normalmente sejam esquecidos ou escondidos. 

O cristianismo esotérico, por outro lado, admite e endossa abertamente a reencarnação – que é, inclusive, um dos pilares de sua doutrina. As teses reencarnacionistas, portanto, independentemente de serem corretas ou não, não encontram apoio na tradição judaico-cristã, cuja ortodoxia doutrinária as considera, na verdade, importações de outras tradições, tal como o hinduísmo e o budismo. Passagens do Novo Testamento, como Mateus 11:12-15, Mateus 16:13-17 e Mateus 17:10-13, Marcos 6:14-15, Lucas 9:7-9 e João 3:1-12 são citados por espiritualistas como evidência de que Jesus teria explicitamente anunciado a reencarnação. 

Diversos estudiosos espíritas e espiritualistas defendem que, durante os seis primeiros séculos de nossa era, a reencarnação era um conceito admitido por muitos cristãos. De acordo com eles, numerosos Padres da Igreja ensinaram essa doutrina e apenas após o Segundo Concílio de Constantinopla, em 553 d.C., é que a reencarnação foi proscrita na prática da igreja, apesar de tal decisão não ter constado dos anais do Concílio. Afirmam ainda que Orígenes (185-253 d.C.), que influenciou bastante a teologia cristã, defendeu a ideia da reencarnação, além dos escritos de Gregório de Nisa (um bispo da igreja cristã no século IV) entre outros. Entretanto, tais afirmativas carecem de fundamentação histórico-documental. Por isso, os teólogos cristãos não só se opõem à teoria da reencarnação, como, também, à ideia de que ela era admitida pelos cristãos primitivos. Contra a reencarnação ainda cita-se Hebreus 9:27, o episódio dos dois ladrões na cruz em 23 39:44, a parábola do rico e Lázaro e Jó 10:21. 

Existem provas históricas de que a doutrina da reencarnação contava com adeptos no antigo judaísmo, embora somente após escrita do Talmud – não há referências a ela neste livro, tampouco se conhecem alusões em escrituras prévias. A ideia da reencarnação, chamada gilgul, tornou-se comum na crença popular, como pode ser constatado na literatura iídiche entre os judeus ashkenazi. Entre poucos cabalistas, prosperou a crença de que algumas almas humanas poderiam reencarnar em corpos não-humanos. Essas ideias foram encontradas em diversas obras cabalísticas do século XIII, assim como entre muitos escritos místicos do século XVI. A coleção de histórias de Martin Buber sobre a vida de Baal Shem Tov inclui várias que se referem a pessoas reencarnando em sucessivas vidas. 

Para o espiritismo, a reencarnação é uma prova da justiça de Deus, que dá infinitas oportunidades para o espírito se aperfeiçoar, ao invés de mandá-lo para o céu ou o inferno eterno por que simplesmente nasceu em uma família que não lhe deu a devida educação para os serviços cristãos. Segundo essa mesma doutrina, se o espírito se entrega a corrupção dos valores cristãos, ele terá infinitas oportunidades de se aperfeiçoar, podendo pagar pelos crimes que cometeu em suas próximas reencarnações. 

O sexo sempre esteve por trás das grandes conquistas e das grandes tragédias da História. Talvez um dos desequilíbrios mais comuns na trajetória do espírito imortal seja justamente o sexo. Se você se alimenta pouco, enfraquece; se come demais, adquire doenças. Se você dorme pouco, não recupera totalmente as energias; se dorme muito, perde o dinamismo. Com o sexo ocorre o mesmo. É preciso equilíbrio. A relação sexual é o momento de maior intimidade e troca de energias que se pode experimentar na Terra. Isso não fica restrito ao plano físico, mas também ao plano astral. 

Para a Umbanda Astrológica, o que divinisa o sexo é sempre o amor, elaborado ou embasado em sentimentos firmes, verdadeiros e puros. Sexo com amor, nunca será pecados, nocivo ou destruição. Quanto a reencarnação, creio que apenas duas em cada três pessoas reencarnam e não todo mundo. Essa que não reencarna ou ascende a luz ou cai nas trevas e não retorna mais.  E sobre a junção entre corpo, mente e alma, ou conexão astral que forma um casal num "só corpo e só carne" é na questão de uma junção plena ou encontro de almas que se encaixam totalmente. Como por exemplo, almas gêmeas ou almas afins. E isso pode ser verificado no mapa natal. Da mesma forma que podemos ter noção se uma pessoa tem muitas encarnações, poucas ou se está aqui pela primeira vez, dependendo do eixo cármico apresentado no mapa astral ou carta natal.

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google+ Seguidores

Seguir por Email

Seguidores

Marcadores

orixás (257) magia (253) espiritualidade (180) astrologia (163) (152) Umbanda (113) amor (113) umbanda astrológica (103) sexo (97) CONCEITOS (96) Umbanda-Astrologica (93) signos (91) religião (78) mulher (76) previsões (70) exu (64) conceito (58) pesquisas (58) 2016 (56) anjos (56) carma (51) comportamento (51) pombagira (51) signo (51) destino (50) astral (49) candomblé (48) mediunidade (47) Cabala (44) rituais (43) UMBANDA ASTROLOGICA (40) Astrofísica (38) poder (35) CONCEITOS DE UMBANDA - ASTROLOGICA (33) ancestrais (30) arcanos (30) Livro (29) sucesso (29) espaço (28) fé religião (27) oxumaré (26) pesquisa (26) busca (25) comprendendo o simbolismo (25) desejo (25) odus (25) sorte (25) estudos (24) magia sexual (24) oxum (24) Ogum (23) deus (23) vida (23) PESQUSAS DE UMBANDA ASTROLOGICA (22) pombagiras (22) sexualidade (22) ifá (21) proteção (21) anjo (20) horóscopo (20) protetores (20) energia (19) orixas (19) Umbanda-Astrologiaca (18) baralho (18) magos (18) oxalá (18) Iansã (17) 2014 (16) Caminhos da fé (16) INICIAÇÃO (16) Obaluaê (16) Saturno (16) UMBANDA ASTROLOGICA E MAGIA (16) astros (16) brasil (16) sagrado (16) Comportamento na vida (15) ano (15) atriz (15) axé (15) jesus (15) livro de umbanda astrológica (15) mapa astral (15) CONCEITOS DE UMBANDA (14) Lua (14) Omulú (14) Xangô (14) carma sexual (14) dinheiro (14) oráculos (14) terra (14) magia negra (13) odús (13) paixão (13) vibrações (13) Guias (12) Júpiter (12) Yorimá (12) linhas (12) ritual (12) 12 signos (11) Marte (11) Orumilá-Ifá (11) caminhos (11) mapa astrológico (11) nova era (11) Estudo (10) REENCARNAÇÃO (10) bem estar (10) ciclos (10) conhecimento (10) céu (10) história (10) numerologia (10) oração (10) planeta (10) Astrônomos (9) Horóscopo Chinês (9) OFERENDA (9) OS SENHORES DO DESTINO (9) anjo da guarda (9) clavículas de Salomão (9) estrela (9) poderes (9) umbanda-astrológica (9) vibração (9) 72 anjos (8) Caboclos (8) ciência (8) cães (8) homem (8) luz (8) mestres (8) oraculo (8) pemba (8) Astronomia (7) CATIMBÓ (7) Era de Aquário (7) Macaco de Fogo (7) busca espiritual (7) cientistas (7) cosmos (7) dons (7) missão (7) obsessão (7) solidão (7) agente do carma (6) arcanjos (6) astrólogos (6) chacras (6) essência (6) Câncer (5) EXU GUARDIAO (5) Escorpião (5) Mitologia (5) amarração (5) esquerda (5) feitiço (5) misterios (5) Linha do Destino (4) advinhação (4) ebós (4) era de Aquario (4) macumba (4) mapa astrologico (2)