Total de visualizações de página

Meus livros de Magia Astrológica no link

domingo, 4 de agosto de 2013

A organização social de uma comunidade: Shofetim (שופטים, Juízes)


Shofetim (שופטים, Juízes)
Deuteronômio 16:18  21:09
A porção dessa semana gira basicamente ao redor de um só tema: a organização social de uma comunidade. O texto explicita os cargos necessários para a vida em sociedade: magistrados e juízes, guardas, governantes, levitas e profetas. No entanto, talvez numa visão utópica de mundo, a Cabalá afirma que se vivêssemos em um estado ideal e perfeito, a rigor não precisaríamos de figuras como juízes, guardas e governantes. Ou seja, o fato de o texto pedir que tenhamos esse tipo de cargo em nossa sociedade é prova de que ainda vivemos em um estado aquém do ideal, em que é preciso impor regras e estabelecer limites.

Conta-se que certa vez, o Rabi Shimon ben Halafta viu uma série de formiguinhas em fila carregando pedacinhos de trigo. Ele reparou, então, que uma das formiguinhas derrubou o seu grãozinho de trigo e que, embora, todas as outras formigas vieram cheirar o grão caído, nenhuma delas tocou nele; até que a formiga à qual o grão pertencia veio e o recolocou sobre as costas. Espantado com o que vira, o Rabi Shimon se lembrou do Provérbio que diz “Observa a formiga, ó preguiçoso, estude seus caminhos e adquira sabedoria” (6:6). Nesse momento ele ficou extremamente maravilhado com a sabedoria daquela criatura e a retidão de caráter que demonstravam em comunidade. Mesmo sem juízes ou guardas regendo a sua sociedade, nenhuma formiga ousou pegar o grão que era da formiga que o deixara cair.

Imediatamente, então, o Rabi Shimon sentiu-se pesaroso por saber que o ser humano, longe de tal estado de integridade, precisava receber ordens explícitas de nomear juízes e guardas sobre o povo. Daqui podemos aprender duas coisas importantes: a primeira é que muitas vezes seres que alguns humanos consideram “inferiores” (aliás, de maneira totalmente errônea) estão muito além do nosso nível e possuem lições valiosíssimas a nos ensinar, em diversos aspectos.

Em segundo lugar, aprendemos a importância em se reconhecer e resolver um problema real que temos (no caso literal do texto, o de que não temos uma conduta social de integridade), sempre almejando, no entanto, que um dia cheguemos a tal grau de perfeição que possamos eliminar de dentre nós os juízes e guardas. Obviamente, podemos enxergar nesse segundo ponto uma lição mais ampla do que à literal aplicada a esse caso. Sempre que detectamos um problema em nós, antes de mais nada devemos reconhecê-lo (em vez de fingir que ele não existe) e nomear juízes e guardas para tratar de erradicá-lo. Uma vez que isso é feito de maneira exemplar, nosso eu muda, nosso comportamento se retifica e podemos alegremente demitir essas autoridades do nosso mundo interno, pois então somos como formigas, naturalmente justas e íntegras. Y. A. Cabalista
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores