Total de visualizações de página

Meus livros de Magia Astrológica no link

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

A mulher e carma sexual - na visão da Umbanda Astrológica e religiões

Muita gente tem a vida sentimental e sexual desorientada, por causa dos dogmatismos religiosos, distorções e engôdos forjados por supostos espiritualistas. Tem muita gente que tem uma essência altamente sexualizada e apenas se prende dos preconceitos, passando a ter assim distúrbios psicossomáticos e transtornos espirituais. E é nessas pessoas que não vivenciam sua sexualidade com liberdade e harmonia bioenergética, que a pomba-gira mais tem que atuar. Só que quase sempre não consegue, pois essas pessoas se fecham demais, travam os chacras e ficam se ter ajuda. Ai passam a ter até certas imposições cármicas e jugos pesadas. Por isso sinta sua essência original e não fique se autobloqueando...

Karma Familiar: A cada ser humano lhe corresponde um pai, uma mãe, uns irmãos, um marido/esposa e uns filhos. Com todos eles temos uma ligação através da Lei do Karma. Alguma coisa lhes devemos, e eles nos devem algo, de acordo como nos tenhamos comportado com eles em vidas passadas. Por isso as vezes nos toca filhos, pais ou irmãos loucos, monstros, siameses, leprosos, tuberculosos, toxicodependentes, alcoólicos ou epilépticos. Também podemos merecer uns pais e/ou filhos que nos maltratam e abandonam. Um marido que atraiçoa e maltrata a sua esposa e vice-versa. Karma Colectivo: É cobrado a várias pessoas que tem Karmas individuais semelhantes. São reunidos e sofrem um acidente, uma inundação, uma seca, uma peste, epidemias, etc. 

Karma Nacional: É o castigo que sofre toda uma nação, por exemplo; um terramoto, uma guerra civil, etc. Karma Mundial: É o castigo que recebe toda a humanidade como consequência das suas más obras. Exemplo; as guerras mundiais. Karma-Duro: É o Karma devido às más acções cometidas em vidas passadas. Ao não realizar suficientes boas obras na vida, o karma se desenvolve e temos de pagá-lo com muita dor e sofrimento. O Karma-duro não é negociável. Exemplo: a sida, o cancro, a epilepsia, etc. Karma-Saya: É a união kármica que se verifica de cada vez que um homem tem relações sexuais ou fornica com uma mulher. Devido a essa união as duas pessoas compartem entre si Karmas e defeitos. No Karma-saya, o casal fica unido no livro do Karma. É uma ligação astral, sexual e Kármica. Karma Individual: É o castigo ou consequência que recebe cada ser humano pelas suas más obras cometidas nesta ou em vidas passadas. Por causa deste Karma individual, uns nascem cegos, outros órfãos, outros tuberculosos, com cancro, lepra, epilepsia, com corpos monstruosos ou com deformações, siameses, etc. O Sábio Salomão já o referiu nos seus Provérbios: “O que o homem semear, isso colherá”. 

Reencarnação significa normalmente vem para consertar as coisas com base em quão longe você foi com o seu egoísmo. Diga que você não poderia resistir seu desejo de receber para si mesmo sozinho, você não poderia resistir a seu egoísmo. Então, infelizmente, na próxima vida você teria que ser reencarnado em algo que não tem desejo, a fim de aprender a experimentar cumprimento sem ele. Você vai ter que lidar com os problemas. Karma é muito semelhante à palavra hebraica tikun. Nossa tikun é composta de comportamentos negativos transitados de vidas anteriores, o que significa que nós estamos aqui para realizar algo que não poderia realizar na última vida. É por isso que é muito bom conselho dos cabalistas para se dar bem com as pessoas que têm dificuldade em se relacionar com. Se você não fizer isso, você pode acabar sendo a esposa, marido, filho ou pai dessa pessoa, porque você tem que terminar o seu karma ou tikun com eles. 

Você pode ter grandes desejos, mas você deve controlá-los. Por exemplo, se há algo que você quer, provavelmente você deve tê-lo. Mas se você quiser e você não pode resistir, isso significa que ele está controlando você. Você não está controlando-o. A ideia é dominar o seu desejo, seja ele comercial, sexo, drogas, amizade, reconhecimento ou aprovação. Dependência significa que você não pode lidar com o desejo. Há quatro níveis em que uma alma pode residir: humano, animal, vegetal ou mineral. Se você tem vontade egoísta nesta vida, na próxima vida você vai ter que lidar com o ser capturado em uma pedra (mineral), vegetal ou animal. Não é uma punição. É porque você não sabia o que fazer com o desejo de receber como um ser humano. Então, você tem uma forma (como, mineral, vegetal ou animal), em que o seu desejo de receber é menor do que um ser humano. 

As quatro categorias que eu mencionei são, basicamente, as quatro categorias de desejo. Os seres humanos têm os desejos mais fortes. Os animais têm menos, e vegetais, menos ainda. Minerais não têm quase nenhum desejo. Por exemplo, alguém que tenha matado alguém tem que ser reencarnado em uma pedra, em um mineral. Rabbi Isaac Luria explica seu livro, Portões da Reencarnação. Ele diz, por exemplo, uma vaca que come um vegetal também leva em minerais do solo. Então, o assassino está vindo através do vegetal para o estômago da vaca. Diga a vaca é abatido de forma kosher, eo bife está agora em sua mesa. Quando você come o bife com a meditação correta você é capaz de elevar a alma da vaca, a alma do vegetal, ea alma do mineral. Em seguida, a alma tem a chance de se tornar um ser humano na próxima vida. 

Embora ainda seja importante para uma mulher estar contente com seu marido, filhos e netos, bem como com sua vida profissional, isto não é mais suficiente para ela. Seu ego é tão desenvolvido que ultrapassa os limites da família, do trabalho e até da nação. Ele quer espiritualidade. Hoje, as mulheres estão nos mesmos círculos sociais e têm o mesmo poder que os homens e, em muitos casos, até mais. Como resultado, o sentimento de vazio e as tentativas de encontrar satisfação e felicidade não estão mais relacionadas com a família ou mesmo com a vida profissional da mulher. 

Os dias atuais nos fazem recordar a época de Abraão, que formou o primeiro grupo de cabalistas na Babilônia antiga. Naquela época as mulheres que atingiam a espiritualidade estavam do lado dos homens. Elas estavam em um nível espiritual igual ao dos homens. As grandes profetas, como Dvorah, Hulda e outras, alcançaram níveis espirituais ainda superiores que os dos homens. As pessoas viviam na percepção de Deus, e as crianças eram ensinadas estas verdades desde cedo. Mas após o declínio da humanidade, nós raramente vemos mulheres cabalistas. Havia algumas que atingiram a espiritualidade, desde a época da destruição do Segundo Templo ate nossa geração, mas elas eram em número limitado. 

Entendendo e cumprindo sua função espiritual no mundo, assim como elas entendem a sua função na família. Em outras palavras, a queda espiritual da humanidade que levou à desvalorização do status espiritual da mulher tem de ser remediado em nossos dias. Assim, hoje nós temos que responder à demanda que vem de tantas mulheres. Não se trata apenas de uma demanda, mas de uma real necessidade. As mulheres naturalmente sabem como organizar a família, como fazê-la funcionar, como cuidar dos filhos, do marido e da cozinha. Elas deveriam entender igualmente bem que elas têm uma habilidade interna para saber como o mundo tem que ser organizado de acordo com sua raiz espiritual. Elas também deveriam saber que elas têm o poder de fazer os homens executarem seus desejos. 

Era sempre muito comum para os homens. Ao longo da história, muitos homens embarcaram na busca espiritual. Já as mulheres, apenas recentemente. E essa busca é definitivamente muito mais que procurar por satisfação psicológica na família ou vida social. Assim, uma mulher pode certamente estudar a sabedoria da Cabala, mesmo que tenha sido diferente no passado. Não tem nada a ver com este mundo. E um desejo do “ponto no coração”, como os cabalistas o chamam. Significa que por cima de todos os desejos físicos e humanos, como comida, sexo, família, dinheiro, poder e conhecimento, de repente um novo desejo aparece em uma pessoa. Este desejo está além do nosso mundo, e aparece em homens e mulheres. Uma mulher que está buscando a espiritualidade sente que sua satisfação vem de algo maior que esta vida. Ela tem um tipo diferente de desejo. Ela pode ter marido e filhos, uma família e um lar. Tudo isso pode dar a ela conforto, mas sua busca por espiritualidade é em um nível totalmente diferente. 

Na realidade moderna, as mulheres têm que se preocupar em cuidar de coisas que nunca haviam se preocupado antes: como trabalhar e cuidar da educação das crianças, como evitar guerras e problemas econômicos, e assim por diante. Lutando para encontrar um equilíbrio entre todos estes desafios sociais e pessoais, sem sentir um forte apoio do homem, as mulheres estão se tornando mais independentes e adotando mais papéis tradicionalmente atribuídos aos homens. Às vezes elas até se esquecem de que são mulheres. Na verdade, elas são a força motriz que inspira e impulsiona os homens a praticar atos heróicos e nobres. Não é à toa que há um ditado que diz, "Deus quer o que a mulher quer". 

Nosso mundo é regido pelas leis da natureza, como sempre, e se observarmos atentamente, vemos que em todos os níveis de existência, nenhuma espécie de vida pode existir, ou melhor, viver ou sobreviver por si só. A existência só é possível através da complementaridade com a "outra metade". Em outras palavras, cada elemento na natureza é sempre um elemento complementar ao seu oposto, e somente juntos podem ser completos e perfeitos. Mesmo no nível vegetativo, a divisão, em partes masculina e feminina, é claramente evidente. Esta especialização é enraizada em todas as coisas na natureza, e dita que o equilíbrio pode ser alcançado somente se as duas partes, masculina e feminina, interagir corretamente uma com a outra. No entanto, todo o mundo é e sempre foi dirigido pelos desejos das mulheres, porque as mulheres são destinadas pela natureza para inspirar e dar significado às vidas das pessoas que lhes são especiais. Elas estabelecem objetivos, definem as direções, elas conduzem todos os pensamentos, e fazendo isso, desenham nosso futuro em comum. No entanto, elas têm perdido a consciência do seu papel e destino e tentam fazer tudo sozinhas. 

Agora, vemos o núcleo da existência humana, a família, em desordem, como evidenciado pela alta incidência de divórcios, uso de drogas e depressão, que exacerba os sentimentos de vazio nas mulheres. As mulheres com seus desejos intrinsecamente guiando o mundo são a força motriz invisível e fundamental para conduzir todos nós para a realização completa e perfeita realização espiritual. O desejo das mulheres para a realização espiritual abastecerá as mudanças, que são desesperadamente necessárias para que os homens, naturalmente, cumpram a sua parte que é a de trazer o nosso mundo conturbado para a forma correta. Este elevado e crescente vazio, que também nós estamos encontrando, já não pode ser preenchido pelas “coisas” materiais normais que costumávamos comprar ou fazer. A humanidade está começando a perceber que a única coisa que vai preencher o vazio é a realização espiritual eterna. O vazio que mulheres sentem é também a ferramenta que podemos usar para sair deste estado de vazio atual. Então nossas partes "a feminina" e "a masculina", em perfeito complemento, irão trabalhar em completa unidade que irá transcender a todos nós para essa nova e bonita realidade! E a lei primordial vem operando em toda a realidade desde o início dos tempos, construindo o nosso mundo em uma ordem estritamente definida, garantindo que a parte "feminina" da realidade defina a direção para onde tudo está indo. 

Netzach é a esfera do amor e da atração. É também a esfera de nossas emoções. É a parte de nossa consciência que atrai os outros nos com as bênçãos que nos chegam através de outras pessoas. É o nível do sentimento de consciência que nos dá a compreensão em todos os relacionamentos Tocando este nível de consciência desperta-nos ao Amor, idealismo e Sexualidade. Ela nos ajuda a superar impureza em todos os níveis. Devemos aprender a fluir com a natureza. Durante o tempo em que estamos a trabalhar a este nível temos de persuadir e convidar as pessoas e as coisas que nós amamos em nossas vidas. Devemos usar técnicas especiais simples que se abrem os níveis de consciência para evocar e persuadir o que desejamos em qualquer lugar do universo. 

O amor está lá para nós, mas temos de perceber e aceitar isso. Quando trabalhamos no nível de Netzach (Neht Sach) estamos abrindo nossa consciência Love. Netzach é associada com o planeta Vénus. Temos de aprender a evocar e persuadir com nossos olhos. Este olhar olho é algo que parecem ter nascido com o conhecimento de. Se você já teve alguém flertar com você, que você não estava interessado, você vai entender o que estou dizendo sobre os olhos. A primeira coisa que fazemos, consciente ou inconscientemente é evitar os nossos olhos para longe do pretendente indesejado para não levá-los em ou dar-lhes a idéia errada. 

As mulheres se casam por vários motivos, amor e atração, a necessidade de ser desejado (Algumas mulheres sentem mais valioso quando um homem quer mantê-la. Segurança, este pode ou não ser por dinheiro. Uma mulher pode sentir que a vida é mais seguro, em muitos aspectos, se ela está em um relacionamento sério. E é claro que ela pode se casar por dinheiro e / ou fama sozinho. Muitas vezes, depois que uma mulher se casa com ela torna-se desiludido. As pessoas, homens e mulheres podem ter uma ilusão de que o casamento será o estado perfeito de ser apenas para encontrar seus sonhos / ilusões destruídas. Normalmente o amor é cego. No entanto, há muitos sinais do conto conto que, muitas vezes, evitar. Mulheres arranjar desculpas para o comportamento de um homem por uma série de razões. Em primeiro lugar, a mulher é protetora, mas outra razão é que ela espera que seu amor vai mudar um homem. Ela pode querer que o relacionamento tanto que ela fecha os olhos que ela vê. 

As pessoas são influenciadas pela televisão, mídia, cultura pop e entretenimento e toda sorte de coisas que pode mexer com um estado de espírito. As pessoas muitas vezes trazem influências externas em seus valores de relacionamento que podem ter um efeito. Se as pessoas são sugadas para a realidade bate-papo mostra que muitas vezes enviam vibrações negativas de problemas de outras pessoas, como cometer adultério, abuso e outros problemas de casa de demolição que, em seguida, colocá-lo em sua cabeça que alguns destes problemas estão efetuando-los em suas relações, por exemplo, . Então, as pessoas vêem problemas virtuais que acontecem em novelas na televisão e eles estão constantemente a ser bombardeados por entrada negativa que terá um efeito adverso em suas próprias realidades e pensamento. Ele é projetado para ser assim para criar uma distração de sentir amor emoção. A perseguição por coisas materiais, dinheiro, sucesso, poder e fama, que são processos de pensamento egoísta rompe e separa a unidade ea escravidão de amor entre os casais. Qualquer forma de negatividade trazidos para o relacionamento, especialmente por meio do pensamento e do desejo trará sérias implicações e restrições ao relacionamento. 

A Kabbalah ensina que homens e mulheres são iguais, mas têm sido divididos entre si e dentro de si. O sexo é considerado um santo sacramento, que pode trazer a dividida de volta juntos. Uma metáfora cabalística diz que os vasos que Deus usou durante a criação foram quebrados e do nosso trabalho na vida é para reparar esses vasos. Sexo realizado em um contexto amoroso é um método poderoso para tal reparação. 

E o que o budismo tem a dizer sobre a situação social das mulheres? Escusado será dizer que não há uma resposta simples. Fiel à sua própria ênfase sobre a impermanência, o budismo tornou-se bastante diferente em diferentes culturas. Se o budismo não é tanto o que o Buda ensinou que o que ele começou, somos apresentados a um conjunto complicado de ensinamentos, práticas e tradições históricas, que nem sempre são coerentes entre si. Este ensaio centra-se na Tailândia, um dos mais devotadamente budista nações do mundo. 1 Tailândia também tem o que é provavelmente o maior e mais organizado comércio do sexo no mundo: até um milhão de trabalhadores do sexo (de uma população total de cerca de 70 milhões de pessoas), superando facilmente a diminuição do número de monges budistas (menos de 300.000 bhikkhu). As religiões têm uma função dupla na sociedade: eles ajudam a moldar os nossos valores mais importantes, atitudes e comportamentos, mas também absorvem e refletem os valores pré-existentes, atitudes e comportamentos. Então, qual o papel que o budismo atualmente joga no encorajamento ou a racionalização do negócio do sexo Thai? Qual o papel que poderia desempenhar em desencorajar a prostituição, e capacitar as mulheres em geral? Os textos budistas mais antigos revelam uma curiosa ambivalência sobre as mulheres, o que nos faz lembrar de colocar mensagem transformadora do Buda em seu contexto social original. Embora reverenciado como as palavras originais do Buda Sakyamuni, estes ensinamentos foram preservados por via oral durante cerca de 400 anos antes de ser escrito, oferecendo muitas oportunidades para algumas passagens para ser intencionalmente ou não 'corrigida' por monges menos esclarecidos do que o Buda. Tão importante quanto isso, no entanto, é preciso lembrar que o Buda histórico foi criado em uma cultura muito patriarcal. Seus ensinamentos como eles chegaram até nós, talvez, revelar uma luta contra esse condicionamento machista.

Religiosamente, uma grande parte do problema é que as mulheres são acreditados para ser poluído e poluente. Isto refere-se não só à sua associação com o sangue (o 'confusão' da menstruação e no parto), mas especialmente para o seu papel como mulher sedutora e sedutor, uma ameaça incontrolável para a castidade de homens ascéticos tentando seguir um caminho espiritual. As mulheres foram castigados por seu desejo sexual mais forte, o que hoje parece ser um exemplo clássico de projeção psicológica: ascetas culpando seus próprios problemas com o celibato sobre as mulheres, os objetos de sua cobiça. Budismo No início não escapou completamente este misoginia, pois existem muitas dessas passagens no Pali Canon, alguns deles atribuído ao Buda, que alertou seus monges sobre a impureza da sexualidade em geral, e as armadilhas das mulheres em particular. Um símbolo disto é as três filhas de Mara, o símbolo budista do mal (embora um símbolo bastante branda em comparação com o malévolo Satanás do Cristianismo), que lhe tentado pouco antes de sua iluminação final: embora o próprio Mara é do sexo masculino, a sua prole Raga luxúria, Arati má vontade e Thana desejo são sempre retratados como feminino. 

Mas e quanto ao potencial espiritual das mulheres? Essa é a prova de fogo para o patriarcado religioso, e que o Buda passou - mas evidentemente ele levou um tempo. Mais uma vez, os textos sugerem alguma ambivalência. Não era até cinco ou seis anos após sua iluminação que ele concordou em se encontrar com uma delegação de mulheres, liderado por sua tia e mãe adotiva Mahapajapati Gotami. Eles pediram uma ordem de freiras bhikkhuni a ser estabelecidos, para se juntar a Sangha masculino de monges bhikkhu. Várias vezes o Buda se recusou, mas quando seu assistente Ananda perguntou-lhe se as mulheres eram iguais em sua capacidade de iluminação, ele admitiu que eles eram tão capazes de seguir a vida contemplativa. Ele, então, cedeu a seu pedido repetido - mas com condições especiais, oito regras adicionais de conduta, que fizeram freiras sempre subordinar aos monges 3 . Sem surpresa, a evidência textual interna sugere fortemente que essas regras foram adicionados à passagem posterior. O texto passa então a ter o confidências Buda em Ananda que, se não as mulheres foram admitidas como monges, seus ensinamentos teriam sobrevivido mais de mil anos, mas, devido à admissão de mulheres, seria só últimos quinhentos anos 4 . Seja ou não essa previsão realmente foi feito pelo próprio Buda, que acabou por ser errado: os ensinamentos budistas continuam a existir, e de certa forma eles estão prosperando mais do que nunca. 

Em outras palavras, quando se trata do caminho espiritual, discriminando acordo com o gênero é uma ilusão. Tão longe, tão bom ... por um tempo. Mas uma vez que o Buda não estava mais por perto para manter um olho em coisas, o patriarcado começou a reafirmar-se, e as circunstâncias de mulheres budistas começaram a deteriorar-se, para ambas as freiras e leigas. Nos países Theravada a ordem bhikkhuni encolheu e desapareceu - na Tailândia, apenas cerca de 300 anos depois de ter sido estabelecida 6 . Alguns sutras Mahayana alegou que as mulheres devem primeiro renascer (ou transformado magicamente) em homens antes que eles pudessem se tornar totalmente iluminado Budas, e esta crença tornou-se comum no budismo asiático. Outras escrituras Mahayana, no entanto, continuou a apresentar imagens mais positivas das mulheres que são mais consistentes com o conceito central Mahayana de shunyata "vazio": se os homens e mulheres são igualmente shunya - ambos sem qualquer auto-essência -, então não há motivo para qualquer discriminação de gênero. No Chan / filho / Zen Budismo da China, Coréia e Japão, por exemplo, a mente iluminada não é nem homem nem mulher, e há exemplos notáveis ​​de adeptos do zen do sexo feminino. Mas tais sutilezas espirituais não servem para verificar a revalidação da superioridade masculina em culturas budistas. Com a exceção parcial de Taiwan, onde a ordem bhikkhuni Mahayana está prosperando hoje, as mulheres são vistas como inferiores aos homens nas sociedades asiáticas budistas. E há uma explicação budista para isso: os infelizes o suficiente para nascer como as mulheres estão colhendo os frutos de seu karma inferior. 

Nas sociedades budistas onde as mulheres não têm permissão para ser totalmente ordenado como monges, as mulheres são muitas vezes dito por monges que ter nascido uma mulher é o resultado de um mau karma. A fim de tornar este problema, a única coisa que as mulheres podem fazer é acumular muito mérito nesta vida, para que em sua próxima vida que vai nascer um homem, e, em seguida, eles podem se tornar um monge, se optar por. Esta maneira de pensar faz com que as mulheres se sentem inferiores e que eles são os culpados pelo resultado de suas vidas. Torna-os mais dispostos a aceitar a violência baseada no género seja lá o que eles experimentam, uma vez que é visto como um resultado direto de seu destino infeliz em ter nascido mulher. 

Já no contexto e conceito da Umbanda Astrológica, nascer mulher não é uma maldição, mas, uma bênção. A força feminina é poder de transformação de criação e de sentimento. O que há de carmico por trás das reencarnações da mulher não é diretamente um carma criado por elas mesmas, mas, pela imposição dos outros. Muitas vezes a mulher se prostitui e tem práticas ruins, forçada por homens manipuladores, ditadores e demoníacos. Na verdade eu creio que muitas mulheres hoje vivem carmas, gerados por imposição de terceiros e até hoje o que mais faz a mulher sofrer é que ela não usa a força que tem pra dizer não e se esquivar, e assim como há milênios no Paraíso, ainda tem o mesmo costume de ir pelos palpites e tentações lançadas pelos outros, como fez Lúcifer em frente a árvore do conhecimento.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores