Total de visualizações de página

A pombagira

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

As filhas de Iemanjá, são lindas, romanticas, sensíveis e sensuais

A mulher que tem Iemanjá de frente tem muita sensualidade, atrai os homens como mel atrai abelha e é mais sensível, mais carismática, como também tem alta sensitividade. A mulher que tem ela de frente, muitas vezes é até mais sensitiva do que a própria filha de Iemanjá. Pois a personalidade lunar de Muyrakitan é propagadora de mentalidade mística e carisma. E na verdade depende muito da Trindade, com quais orixás Iemanjá irá trabalhar - ou seja, qual pai e mãe de cabeça dessa pessoa. Se Iemanjá for além da entidade de frente, a mãe de cabeça, essa mulher será altamente sensual, forte, determinada, intuitiva e terá mãos de cura. Porém quando essa Iemanjá se multiplica muito, como por exemplo nas somas de odús, onde revelam-se muitos números 9, ai poderá revelar uma pessoa que se contrai muito, que poderá ter casamentos sufocantes, que poderá ter maridos abusivos e abusadores. Enfim, tudo depende também das configurações, orixás regentes, par vibratório e orixás influenciadores. Formam-se na verdade signos, códigos que o grande Orunmila nos reservou no momento que fomos fecundados. Mas, o certo mesmo é que filhas de Iemanjá são apaixonantes, e com Iemanjá atuante de frente, nossa! De tirar o fôlego... Odô ia...

Na vibração de Yemanjá, trabalham as caboclas d` água nos terreiros de Umbanda. Sua incorporação nos médiuns é muito suave. Gostam de cantar, benzem os consulentes com água doce ou do mar. Gostam de flores e falam muito pouco. A vibração das caboclas deixa no terreiro uma sensação de leveza e suavidade. Yemanjá atua na Terra através do ritmo dos oceanos, do magnetismo lunar, atuando nas correntes marítimas. 

Yemanyarth- Potência Geradora das Almas. Yemoejá- Ye- Mãe, Omo- Filho, Ejá- Peixe. "Mãe cujo filho são peixes"- A Humanidade surgindo do mar- peixe do sentido de fertilidade- Senhora da Natureza ou Fertilidade- A divina Mãe do Cosmos. Yemanjá- Princípio das Águas("Águas" como fonte da vida física). o Eterno Feminino, o Princípio Natural ( que atua na Natureza) Ye- Mãe, Princípio Gerante Man- O Mar, a Água, Lei das Almas. Ya- Matriz, Maternidade, Potência Criadora." " O termo sagrado Iemanjá primitivamente era Yemannyarth. Muito mais tarde fico Yemanjá. 

Iemanjá é tão mágica e tão forte que, desta ou daquela forma, desperta todos os interesses desde os comerciais aos sentimentais. A Bahia é o berço predileto desta rainha. Mas o seu palco é o Rio de Janeiro. Foi com Iemanjá que a vida teve início. Ela é a senhora das Grandes Águas e mãe de todos os Orixás. A coreografia de sua dança representa o movimento das ondas do mar, e seu canto é tão harmônico e tão suave que encanta a todos que sabem ouvi-lo. Por esta razão, dizem que é muito perigoso ouvir "o canto da sereia". Há sobre ela muitas lendas, muitas verdades e muito folclore. O dia consagrado a seu culto na Bahia é 2 de fevereiro quando saem os barcos repletos de presentes, do rio vermelho, se estendendo por todas as praias. Colares, rendas, fitas, flores, leques, perfumes, pulseiras... eis alguns dos presentes que ela gosta de receber. Os baianos dizem água-de-cheiro quando querem se referir a perfume. Na Bahia e no Rio Grande do Sul, ela é sincretizada com Nossa Senhora dos Navegantes. Em São Paulo, nossa Senhora da Conceição e no Rio de Janeiro, Nossa Senhora da Glória. Iemanjá é Rainha das Sereias, para uns, e das Ondinas, para outros. 

Orixá é também uma força, uma energia da natureza cósmica. Iemanjá é tudo isso e muito mais. Dizem que nas noites de luar ela canta para atrair os pescadores para o fundo do mar. Há quem diga, maldosamente, que ela tem muitos homens, mas isto está longe de ser verdade. Eles ficam para as sereias ou para as ondinas que moram em suas águas. Realmente ela transborda de encantos, mas pertence apenas a Oxalá. Os filhos de Iemanjá perdoam sempre, amam muito, são bons amigos, bons esposos, gostam da natureza, respeitam as pessoas, as tradições, são organizados, generosos, dificilmente têm problemas psicológicos, tratam com carinho até os objetos, gostam de enfeitar suas casas, gostam de roupas de seda bordadas, são vaidosos, especialmente com os cabelos, e as mulheres gostam de tê-los compridos. Têm muita intuição, choram por qualquer coisa, adoram estar atualizados e dificilmente são feios. Quase sempre são morenos. Se pudessem, fariam cirurgia para corrigir todos os defeitos. Têm poucos problemas de saúde, mas sabem superá-los com alegria, energia e paciência. Têm muitos problemas com os seios. Atualmente as filhas de Iemanjá se esforçam para ser esbeltas. São sensuais e, às vezes, se tornam tântricas, gostam de uma adoração antes do sexo, porque se sentem como deusas e o são. 

Quando dão uma pancada é como a pancada do mar: A pessoa nunca sabe onde vai rebentar. Não gostam de anarquias, brigas. Dificilmente um filho de IEMANJÁ fala bem de alguém. Muitas vezes são mesquinhos, conformistas, mas não duvide que traia alguém para conseguir alguma coisa. IEMANJÁ é feroz, é mista. Personalidade forte. É sereia. Nas grandes famílias, há sempre um filho de Iemanjá, pronto a envolver-se com os problemas de todos, e gosta tanto disso que pode revelar-se um excelente psicólogo. Fisicamente, os filhos de Iemanjá tendem à obesidade, ou a uma certa desarmonia no corpo. São extrovertidos e sabem sempre tudo (mesmo que não saibam). As filhas de Iemanjá são boas donas de casa, educadoras pródigas e generosas, criando até os filhos de outros (Omulú). São possessivas e muito ciumentas. São pessoas muito voluntariosas e que tomam os problemas dos outros como se fossem seus. São pessoas fortes, rigorosas e decididas. Gostam de viver em ambientes confortáveis com certo luxo e requinte. São incapazes de guardar um segredo. Costumam exagerar nas suas verdades (para não dizer que mentem) e fazem uso de chantagens emocionais e afectivas. São pessoas que dão grande importância aos seus filhos, mantendo com eles os conceitos de respeito e hierarquia sempre muito claros.

É os astrologos que erram e não a astrologia que é errada!

A astrologia não erra! Quem erra são os astrólogos. Não de má fé, quando se é um astrólogo de verdade o que um profissional da ciência astrológica quer mesmo é levar a verdade, mensagens do Cosmo e conhecimento, então se erram é por incapacidade, afinal não é fácil compreender todos os códigos de uma ciência divinatória! No entanto, sabemos bem que charlatões e pessoas malignas representando os senhores das trevas tem em todos os seguimentos, vemos isso na medicina, nas religiões, na politica e em todos os ramos do conhecimento humano. Mas, quem quer buscar a luz, sem duvida vai agir por intuição e saberá identificar sempre os bons caminhos e pessoas. As pessoas confusas, vivem dois processos - por estar em meio a uma grande guerra espiritual, suas linhas de Esquerda e Direita atuando em choque, por está sendo vitima de influencias externas, como magias, egrégoras malignas ou por não ter desenvolvido sua fé, autoestima e por ter se criado num lar de plena confusão.

Mas, enfim, a astrologia de verdade é divina, a escrita celeste divulgada pelos arcanjos aos antigos ancestrais, logo após a queda de alguns desobedientes no céu! Foi um ferramente dada aos homens pra que ele se aprimorasse, conhecesse mais dos segredos da criação e pra que eles soubessem se defender das energias malignas. Por isso o povo hebreu observava tanto as fases de lunação e as estações em sua ritualística.

Não é atoa que Jesus foi representado na simbologia das visões de João o Evangelista, como um Leão Sagrado, igual ao já divulgado por seus ancestres como o Leão da Tribo de Judá! E os nativos desse signo são nascidos pra comandar, por isso tem realeza na alma, assim não podem fraquejar, não podem perder a autoestima e não podem abandonar sua vida espiritual - de suma importância, observar-se pra não se desencaminhar pelos caminhos do egocentrismo, do orgulho desenfreado e da ditadura.
Normalmente, quando um astrólogo erra, é mais comum se culpar a técnica. Mas os astrólogos sérios, aqueles que estudam uma técnica ad nauseum, já perceberam que toda técnica tem uma margem de erro. Portanto, há que se dar voz ao erro na astrologia. Se você usou a técnica da maneira correta e, mesmo assim, errou, isso não significa de modo algum que ela deva ser jogada no lixo, porque toda técnica tem sua porcentagem de acerto, que pode ser alta ou baixa. Se errou nesse mapa, pode acertar noutro.

Talvez a maioria dos estudantes vão em busca do próximo livro para realizar a fantasia que um renomado autor lhes ensinará o ensinamento mais poderoso da astrologia: pesar os testemunhos. Ao invés disso, eles só encontram mais um livro de astrologia, recheado de coisas que eles já conhecem e que não trazem diferença alguma na sua prática. Sinceramente, acho que o mercado editorial astrológico é movido principalmente por essa mola mestra, oculta nas engrenagens, mas substancial o bastante para enganar os leitores.

Pesar e combinar os significados é uma das coisas mais difíceis de se fazer. Você pode saber toda a teoria, mas não dominar isso. Tal qual uma sobremesa, aprender os rudimentos dessa habilidade pode ser a coisa mais deliciosa da astrologia. Entretanto, não há uma regra clara para se combinar os testemunhos. Se houvesse, seria um saber quase infalível. Portanto, preciso discordar dos meus colegas e defender aqueles que ainda consideram a intuição algo importante.

Os registros mesopotâmicos atestam o que se chama hoje de presságios, como origem da astrologia ocidental. Tal como ocorreu com outras culturas, tratava-se de examinar os céus para ver o que poderia afetar os reinos. A maior parte destes presságios misturavam previsões de tempo e astronomia, mas o que diferenciou os mesopotâmicos de outros povos do Ocidente foi que naquela época eles começaram a gravar de forma sistemática os fenômenos celestes e tentar correlacioná-los com eventos terrestres. Para quem trabalha com astrologia no ocidente, a história segue um rumo definido, que começa na Mesopotâmia – há registros de cerca de 15 mil anos a C, em que as fases da Lua já eram anotadas em pedaços de osso e estas parecem ser as mais antigas observações astronômicas que se conhece. A palavra Mesopotâmia é grega e refere-se ao fato de ser uma terra entre dois rios, o Eufrates e o Tigre (‘mesos” significa meio e ‘pótamos’ significa rios).

Alguns estudiosos imaginam que a história da astrologia tenha se desenvolvido em 3 estágios ou fases, sendo a primeira resultante das anotações dos presságios, ainda sem zodíaco; na segunda fase introduz-se o zodíaco com signos de 30 graus sem que haja nenhum horóscopo individual, mas muita atenção aos trânsitos de Júpiter pelos signos – do qual parece derivar a prática das profecções anuais que mais tarde vai se desenvolver na astrologia – sem casas astrológicas. Waerden assinala este período de 630 a 450 a C; o zodíaco é sideral e seus “ayanamsha”. A terceira fase consiste da astrologia horoscópica. As fontes antigas mencionam os “caldeus” que faziam mapas para pessoas e, segundo até Aristóteles, houve um “caldeu” que previu a morte de Sócrates e que o pai de Eurípides, o famoso dramaturgo grego, encomendou a leitura do mapa de seu filho. Nestes mapas de nascimento, as posições correspondem muito mais a um zodíaco sideral que utilizava um ayanamsha como o Fagan/Bradley do que com um zodíaco tropical.

Pouca gente sabe também que os Tupinambá do interior da Bahia, no Brasil, produziram até marcos geográficos semelhantes aos de Stonehenge na Inglaterra – mas a diferença de valor cultural faz com que esta descoberta, que motivou exposição no Rio de Janeiro em 1997, não consiga nem ao menos romper as fronteiras lingüisticas. Afora o trabalho paciente e difícil de pessoas como Kaká Werá Jacupé, guarani criado por txucarramães, poucos se lembram que os povos da floresta brasileira tinham sim, antes do genocídio, um céu cheio de símbolos e uma vida com significado e propósito, que é, afinal de contas, tudo o que um astrólogo quer saber ver nos mapas do céu de alguém ou de um paí.

A postura de dirigir o olhar não para o que se considera “científico” do ponto de vista atual, mas para tudo o que em alguma época foi proposto como científico, não exige que se faça a defesa da astrologia. Esta exposição não tem a pretensão de fazer uma avaliação de um pensamento muito antigo, mas apenas de levantar alguns registros de como ele se apresenta em alguns momentos da história. Às vezes é necessário não só esquecer verdades que se converteram em partes integrantes do nosso pensamento, como até mesmo, inclusive, adotar certos modos, certas categorias de raciocínio, ou ao menos certos princípios metafísicos, que para as pessoas de uma época pretérita eram bases de raciocínio e de busca tão válidas e também tão seguras como são para nós os princípios da física matemática e os dados da astronomia.

No horizonte da história do conhecimento pode-se observar que há diversas formas de pensamento político, religioso, mágico e outros que procuram refletir sobre questões intimamente ligadas à astrologia. Como, por exemplo, aquelas que se relacionam à natureza e suas leis, ao sentido e lugar que o homem ocupa no universo, à relação homem-cosmos, enfim, ao modo como o homem se comporta frente a um conjunto de forças que, em princípio, não são determinadas por ele. Entre estas podem ser vistas as que se encontram na origem dos grandes problemas humanos, como os que se expressam nos pares de opostos liberdade-necessidade, determinismo-livre-arbítrio, que constituem também o cerne das preocupações de Adorno. Uma noção chave que percorre todos esses sistemas de conhecimento é a de Destino, à qual se relacionam outros termos de suma importância para a história do pensamento ocidental, como Sorte, Acaso, Fortuna, Fatum, Fatalidade, Predestinação, Lei Natural, Providência Divina. Para melhor compreensão desse tema, expor-se-á a seguir um breve panorama da extensão histórica das questões e respostas que são dadas a essa interrogação milenar do ser humano.

Desde os tempos chamados míticos, a preocupação com o destino sempre esteve associada ao cosmo ordenado, interligado, e, por extensão, à astrologia. A partir das primeiras cosmogonias e teogonias e da visão cosmológica desponta, na Grécia arcaica, o conceito de Moira, que se tornará presente em todo o mundo grego, como “porção”, “sorte” que cabe a cada um. Pela função da Moira nenhum indivíduo se constituía sem que a Totalidade Cósmica estivesse constituída em todas as suas partes.

Algumas pesquisas arqueológicas realizadas na Índia levaram à descoberta de fragmentos ósseos datados de 23.000 anos contendo marcas semelhantes a tabelas planetárias, portanto, podemos falar do início do conhecimento astrológico com mais de 20.000 anos. Porém, é a partir da Mesopotâmia (+ de 2.000 A.C.) que aparecem os primeiros registros astrológicos propriamente ditos, ou seja, há mais de 4.000 anos. Este conhecimento dos povos antigos partiu da observação da relação dos eventos celestes com os acontecimentos terrestres. As civilizações naquela época eram essencialmente agrícolas e a observação dos fenômenos celestes se mostrou muito útil para prever, por exemplo, qual seria a melhor época para plantios, ou em que época haveriam enchentes. Os eclipses, por ex., eram tidos como maus presságios. Determinada posição do planeta Marte deflagrava guerras; o ingresso do sol na constelação de Áries delimitava o início da primavera e então percebiam que era um tempo propício às plantações, e assim por diante.

Segundo David Bohm, brilhante físico, colega e contemporâneo de Einstein: "nos encontramos neste momento numa era pós-moderna em termos de ciência: novos paradigmas filosófico-científicos também estão influenciando a astrologia". A Teoria da Complexidade, o Holomovimento de David Bohm, os Campos Morfogenéticos, e muitas outras novas linhas de pesquisa e de integração do conhecimento e da vida humanos, vêem na astrologia um instrumento importante para a compreensão da teia que forma a realidade em que estamos todos inseridos.

Carl Gustav Jung, psiquiatra suíço e fundador da psicologia analítica estudou e se utilizou da astrologia em seus trabalhos. Ele observou a correlação entre os fenômenos psicológicos e os dados astrológicos, o que contribuiu para a formulação da sua teoria da sincronicidade. Ele definia sincronicidade como "a ocorrência simultânea de um determinado estado psíquico com um ou mais eventos externos que têm um significado paralelo com o estado psíquico daquele momento." Jung compreendia o funcionamento da astrologia exatamente por causa dessa sincronicidade, isto é, a estrutura psíquica da pessoa que iria nascer estava "significantemente paralela" às posições dos planetas no céu naquele momento. Jung chegou inclusive a fazer uma pesquisa astrológica entre casais, correlacionando as escolhas de cônjuges e seus mapas astrológicos.

O horóscopo tradicional se baseia numa lógica bastante simples: as pessoas pertencem a um dos doze signos do zodíaco, de acordo com sua data de nascimento. Devido a um erro amplamente difundido, acredita-se que cada signo está associado a uma constelação celeste. Especialistas, no entanto, rejeitam essa idéia; os signos apenas correspondem a períodos determinados do calendário, numa divisão geométrica do céu em 12 setores, totalmente independentes das constelações do firmamento, cuja coincidência de nomes é resultado de acontecimentos históricos, totalmente superados. Muitos astrólogos, de fato, não dão tanta importância a essa divisão do zodíaco em 12 signos, cada qual supostamente ligado a um tipo de personalidade. A maioria prefere trabalhar com mapas astrais e horóscopos individualizados, calculados com base no local e na hora exatos em que a pessoa nasceu. Mesmo assim, para o público leigo, o lado mais atraente da astrologia é essa tipologia comportamental, segundo a qual os escorpianos são vingativos os capricornianos ressentidos e os librianos, indecisos, por exemplo. Para os psicólogos que se dedicam ao assunto, as previsões astrológicas parecem dar sentido à vida de muitas pessoas, causando a espantosa impressão de que são verossímeis.

Segundo o astrólogo alemão Christopher Weidner, a ciência contemporânea não permite mais que esses profissionais usem velhas desculpas, como a de que os astros indicam tendências, e não fatos específicos. Por não representar uma doutrina dogmática associada a nenhuma instituição (ligadas a religiões, por exemplo), cada pessoa pode adaptar o conhecimento astrológico conforme suas próprias experiências individuais e visão de mundo. Como indicam alguns estudos, aqueles que recorrem a uma aproximação mais elaborada ou “amadurecida” com a astrologia podem ir bem além da simples crença e fazer com que a influência dos astros seja percebida mais como uma experiência subjetiva de coerência. Alguns psicólogos costumam chamá-la de experiência de evidência, relacionando-a ao horóscopo pessoal ou à caracterização de personalidade. Já as previsões muito específicas são vistas com mais reservas. Nada impede, porém, que com base em padrões de comportamento se trace – independentemente dos astros – algumas hipóteses para o futuro. Uma característica fundamental das experiências de evidência é que elas variam na forma como são percebidas e vividas pela pessoa. Enquanto para algumas elas são comuns ou até rotineiras, para outras podem ser raras e intensas.

E nada impede que muitos astrólogos, em busca de credibilidade, tentem se associar à ciência, invariavelmente sem sucesso. Muitos citam como referência o suíço Carl Gustav Jung, criador da psicologia analítica, que teria dito: “A astrologia moderna se aproxima mais e mais da psicologia e já se pode ouvi-la batendo nos portões das universidades! O psicólogo e estatístico francês Michel Gauquelin (1928-1991) é uma referência obrigatória para todos os interessados na validade científica da astrologia. Seu primeiro livro, A influência dos astros, de 1951, faz uma revisão crítica das pesquisas estatísticas nessa área, sugerindo que a configuração do céu no momento de nascimento não era aleatória. Seus primeiros estudos indicaram posições estatisticamente significativas de alguns planetas em certas áreas: Marte, para atletas; Júpiter, para atores; e Saturno, para cientistas. No entanto, trabalhos posteriores, feitos com maior rigor metodológico, mostraram que essas e outras associações eram bastante duvidosas. Em As bases científicas da astrologia, de 1970, afirma: “É certo que os signos do céu, que assistiram ao nosso nascimento, não têm poder algum de decidir nosso destino, de afetar nossas características hereditárias, ou de tomar parte, ainda que mínina, nos eventos que definem nossa vida”.

Também se comenta muito sobre arquétipos, numa clara referência à psicologia junguiana. Em 2002, uma pesquisa com 135 astrólogos alemães avaliou quais eram suas experiências de evidência com mapas astrais e horóscopos. As respostas abaixo incluem várias explicações: 43% Analogias simbólicas 18% Influência dos astros 12% Mecanismos psicológicos 11% Símbolos arquetípicos 10% Clarividência 3% Acaso 2% Influência de deuses e demônios.

Tenha autoestima, seja original e não se humilhe pela atenção ou amor de ninguem

Uma palavra que todos tentam se desviar é rejeição. E de alguma forma, sejam pobres ou ricos, feios ou bonitos, todo mundo passará por ela ao longo de sua vida. Algumas pessoas convivem com ela até demais, são rejeitados por natureza! Grande parte por ter a estima baixa e outra parte, por ter uma encarnação muito difícil. Também, tem os que só tomam atitudes erradas e só vivem correndo atrás de quem não merece. Tem também aquelas pessoas que só querem companhia das pessoas maluquinhas, que fazem, aprontam e acontecem. E assim muitos acabam perdendo a própria essência para ser simplesmente uma sombra dos outros. Muitos nem crescem, continuam infantis pro resto da vida, ou na barra da saia da mamãe, sem assumir seus reais compromissos e identidade original...

Mas, quando encontrarmos esse tipo de gente, o melhor é que também nos afastemos delas, pois loucura pega! E se elas querem nos rejeitar, não nos humilhemos, rejeitemos elas primeiro... E não é uma questão de vingança ou cisma, é que o melhor é manter nossa integridade e autoestima que pegar alucinações de quem só quer viver de baderna.

Se alguma dessas pessoas ignora tua amizade, tuas mensagens, teu carinho e não tá nem ai pra seu olhar, seus elogios, sua atenção, simplesmente esqueça, pois ela só merece a si mesma e as amizades loucas que certamente deve ter, pois esse tipo de gente apenas vai onde outros loucos vão...

O amor se oferece, mas, com limites do bom senso. Amor não é humilhação, misericórdia não é obsessão, amizade não se joga no lixo e atenção só devemos dar a quem merece ou faz por merecer nossa atenção. Se alguém não te da o devido valor, te ignora, não te responde e faz de conta que você é um zero a esquerda, faça o mesmo com ela...

Se mesmo você dando atenção, elogios, amor e carinho, a pessoa prefere rejeitar sua companhia, deixe-la seguir seu caminho. Geralmente pessoas egoístas só procuram amigos humildes, quando precisam de favores...

"A adversidade é um trampolim para a maturidade." C.C. Colton 
 "A alegria é o segredo da beleza. Sem entusiasmo não há beleza que seja atraente." Christian Dior 
 "A alegria que nos falta, não raro, é a alegria que negamos aos outros." 

"A humildade de coração não exige que te humilhes. Mas que te abras. É o segredo das permutas. Somente então poderás dar e receber." S. Exupéry 
 "A pior verdade custa apenas um grande desgosto. A melhor mentira custa muitos pequenos desgostos e, no fim, um desgosto grande" Jacinto Benavente
 "A verdadeira riqueza de um homem é o bem que ele faz neste mundo." Maomé 

"As horas que precedem a vitória são com freqüência as mais difíceis."
 "A amargura dos nossos inimigos serve-nos bem mais que a doçura dos nossos amigos: Os inimigos dizem sempre a verdade; os amigos não." Catão 
 "A arte de viver consiste em tirar o maior bem do maior mal." Machado de Assis "A beleza é uma carta de recomendação a curto prazo." Ninon Lenclos 
 "A benevolência gera amizade; a verdade, o ódio." Terêncio 

Muitos vão querer interferir nas suas escolhas, que são só suas, você é o dono do caminho que quer seguir, você decide se vira a direita ou se vai pela esquerda, é claro que quando se está em grupo as ideias podem se misturar, se entrelaçar, mas você nunca poderá interferir nas escolhas dos outros, por que assim como você, elas também tem escolhas, entretanto temos que viver juntos e ao mesmo tempo separado, alguns vão interpretar como desapego outros porém vão enxergar qualidade de vida. Se sentir que está ficando difícil demais a vida te ensinará algo com isso, se achar que está fácil demais a vida também te dará uma resposta, nada é tão ruim e nada pode ser tão bom, o bom mesmo é tentar equilibrar o que acontece de bom com o que acontece de ruim, por que você estará nos dois lados e conhecerá os dois caminhos, em momentos ruins saberá como se erguer ou não, em momentos bons saberá curtir ao máximo, sempre esteja preparado para as duas ocasiões, e é claro lutar sempre por que a vida é uma guerra! O mundo é um lugar em que você terá várias escolhas, acho que todo mundo já conseguiu observar isso ou algum dia vai poder observar, de escolha em escolha nós vamos criando o nosso próprio mundo, os nossos objetivos de vida, claro que isso terá um preço e uma palavra sempre te acompanhará. 

Tenha sempre um momento para refletir na vida, um momento só seu, medite na vida, ore, suplique, tenha fé, a obra sem fé está morta, portanto faça obras, leve uma palavra amiga para quem precisa, fique triste com a tristeza de outros, se preocupe com as pessoas mas não se torne escravos delas, saiba reconhecer quando alguém precisa realmente de ajuda, entenda o problema do outro mas não se envolva com o problema, observe de longe, fique por perto mas nunca se envolva, ajude sem querer ajudar.

O desamor traz a amargura e com ela um desejo inconteste de querer que o Outro pague pelo mal que lhe fez. É como se uma vingança surda ecoasse lá dentro e você a escondesse de todo mundo. Todo mal-amado reage assim com relação a um amor não correspondido. Você tenta embotar um lado que todo ser humano tem. A linha é muito tênue entre bem e mal. Ele vai se dar mal não porque você quer. Você não tem tanto dom assim. Ele (ela) vai rolar como as pedras porque, simplesmente, será mais um, entre tantos, a amargar a lei do retorno. Semeou vai colher de acordo com o que plantou. Pura constatação. Pode até levar um tempinho, mas o retorno acontece. Às vezes até mais rápido do que você possa imaginar. Tire de si a culpa. A força do seu pensamento não chega a tanto. Ele (ela) vai pagar porque o universo sempre conspira a favor daqueles que fazem o bem. Amou e recebeu em troca o desamor. Essa conta vai ser paga por alguém que, lógico, não será você.

Agora, não adianta dar um basta, dar um não ao Outro se você não está realmente fortalecido (a). Se não tiver um grande preparo psicológico, nos primeiros dias a recaída vem. Aí tudo volta a ser como era antes. Talvez ainda pior: você fortalece o poder de domínio do Outro sobre você e torna-se cada vez mais refém do desamor. Quando você começa a tomar consciência de todas as maldades que o Outro fez, começa a se recuperar. Começa a se descobrir, começa a se amar.

Você deixa de enxergar o lado colorido do mundo e os olhos parecem ganhar uma venda. Você só enxerga a vida do Outro. A sua é deixada de lado, fica à margem. Você esquece de si. Uma das primeiras coisas que passam a fazer parte da rotina de um mal-amado é a ausência de prazer. É como se você vivesse por viver levado (a) apenas pelo tempo. E se o Outro sumisse, desaparecesse de uma vez por todas. Parar de sofrer. É tudo que se quer quando se está vivendo o desamor. É como se você fosse o (a) diferente no universo. Você se acha bonzinho (boazinha) demais, faz tudo o que o Outro quer, faz tudo para agradá-lo, faz tudo para ter a aprovação dele (dela). Deixa se levar na estrada da ilusão que o Outro trilha para você. Ele promete e você espera. Espera que ele (ela) mude. Mas a mudança não chega nunca.

Desamor tem tudo a ver com perdão. Perdoando você se liberta e se reconstroi. Exige uma tomada de consciência e um longo tempo. O tempo necessário para você ser mais você. Quando se descobre o desamor é porque está na hora de tentar descobrir qual a próxima lição a ser aprendida. A vida está precisando de bons alunos. Não adianta cobrir o Outro com ouro, insenso e mirra. Ele não vai entender a linguagem do amor. Não se preparou para compreendê-la e interpretá-la. Esteve acenando o tempo todo com a luz cinza do desamor. Você que não conseguiu decifrá-la. Ele (ela) nem sabe o que é mirra. Faltou ao Outro preparo espiritual, psicológico e afetivo. Principalmente. Você insistiu nesse vazio que se prenunciou bem antes e que agora tomou todos os espaços.

Como na relação a dois, o desamor pode estar ao seu redor desde muito tempo. Você que só percebeu neste exato momento. Tomou o pé na bunda sem fazer nenhum esforço para amar a si mesmo. Você é o amor da sua própria vida. Desamor também exige um exercício de espiritualidade. Para sair dele não bastam apenas lições de psicologia. É necessário uma fé incomensurável. Dobrar os joelhos no chão e rezar. A cura pode demorar, mas vem. Despertar na luz de um novo dia e renovar, apagando da memória, dos sentidos, o tanto desamor que a vida lhe ensinou.

Anjos e demônios não devem ser invocados ou evocados - a menos que tenha conhecimento e poder pra isso

Nossos inimigos jamais vencerão, pois o Senhor envia seus anjos para nos guardar - http://portalesdoceu.blogspot.com.br/2013/12/que-o-poderoso-arcanjo-miguel-nos-ajuda.html

A Bíblia diz que é importante lembrar que as pessoas fazem parte de uma batalha espiritual a cada dia neste mundo caído, em que os anjos caídos que normalmente não são visíveis, no entanto, influenciam a vida humana: "Porque a nossa luta não é contra carne e sangue, mas contra os governantes, contra as autoridades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes "(Efésios 6:12). 

A Torá e a Bíblia aconselham as pessoas a ter cuidado quando se está contatando anjos por conta própria ao invés de esperar por Deus para trazer os anjos em suas vidas de acordo com a sua vontade. Se você entrar em contato anjos mesmo, você não pode escolher quais os anjos vão responder, dizem judeus e cristãos. Um anjo caído pode usar a sua decisão de chegar aos anjos, em vez de diretamente para Deus como uma oportunidade para manipulá-lo enquanto disfarçado como um santo anjo. 2 Coríntios 11:14 a Bíblia diz que Satanás , que lidera os anjos caídos ", disfarça em anjo de luz" e os anjos que o servem "disfarcem em ministros da justiça." 

A Torá e a Bíblia advertem que os anjos caídos podem falar como falsos profetas, e diz em Jeremias 23:16 que os falsos profetas "falam visões de suas próprias mentes, não da boca do Senhor." Satanás, a quem os anjos caídos seguir, é "um mentiroso e pai da mentira", de acordo com João 8:44 da Bíblia. 

Não basta aceitar o que quer que você pode receber mensagens de anjos como verdadeira sem examinar e testar essas mensagens. 1 João 4:1 aconselha: "Amados, não creiais a todo espírito, mas provai os espíritos para ver se eles procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo." A prova de fogo de haver ou não um anjo é verdadeiramente comunicar uma mensagem de Deus é o que o anjo tem a dizer sobre Jesus Cristo , a Bíblia diz em 1 João 4:2: "Isto é como você pode reconhecer o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus. " 

Finalmente, a Torá ea Bíblia dizer que é importante para as pessoas ficarem intimamente ligado a Deus, uma vez que a sabedoria que vem de um relacionamento íntimo com Deus irá capacitar as pessoas a discernir se os anjos que eles encontram são fiéis ou caídos. Provérbios 9:10 diz: "O temor [reverência] do Senhor é o princípio da sabedoria, eo conhecimento do Santo é o entendimento." 

O psiquiatra M. Scott Peck explora o "real", mas "raras" fenômeno da possessão demoníaca de seres humanos em seu livro Visões do Diabo , e conclui que: "A posse não é um acidente. Ao tornar-se possuído, a vítima deve, pelo menos, de alguma forma, colaborar ou vender ao diabo. " Em seu livro sobre o mal chamado Povo da Mentira , Peck diz que a maneira de ser livre da escravidão do mal é se submeter a Deus e sua bondade: "Existem dois estados de ser: a submissão a Deus ea bondade ou a recusa em se submeter para qualquer coisa além de uma vontade própria - que recusa escraviza automaticamente um para as forças do mal. Nós, em última instância deve pertencer a Deus ou o diabo. " 

Não devemos sair evocando, nem anjos, nem orixás, nem invocando qualquer força que não conhecemos direito. Em primeiro lugar, vem a fé, em segundo a outorga, em terceiro a mediunidade e por fim, o carma, aliado a ancestralidade e as graças dos seres de luz. E se eles não nos tocam, não tem contato com nossa alma e se não temos fé, o melhor é não buscar só por curiosidade ou por querer poder!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores