Total de visualizações de página

A pombagira

Meus livros de Magia Astrológica no link

sexta-feira, 23 de maio de 2014

A MULHER QUE DOMINA E A MULHER QUE É DOMINADA

CARMA SEXUAL, DESTINO E LIVRE-ARBÍTRIO

Tem mulheres que tem energia forte. Um magnetismo irresistível. Algumas pessoas conseguem liderar usando as palavras, os gestos e o domínio mental. E tem outras que até de forma inconsciente conseguem hipnotizar as pessoas a sua volta. E tem mulheres irresistíveis, que mesmo de burca, conseguem atrair a atenção dos homens. São mulheres que em espírito livre e energia de conquistadora. Elas possuem alma de "caçadora". São pessoas de encarnações ligadas a magia e a vivência do amor. 

Essas pessoas tem orixás altamente magnéticos, que vibram de forma pulsante sobre seu Orí. Sua Esquerda é altamente forte. Essas mulheres são irresistíveis, são as que se são amantes, estão no controle da relação e a esposa, nada pode fazer, pois é ela (a amante) que domina o marido. Se são esposas, as amantes por sua vez não tem chance. Mesmo que o marido dê puladas de cerca, jamais conseguem sair de casa e desfazer o casamento. São mulheres que conquistam os milionários que bancam sua vida de luxo e extravagancias. Até porque na cama são imbatíveis. Geralmente não tem puritanismos e nem pudores na cama. São mulheres decididas. Femeas fatais que tem odus sexuais fortes e odus de amor potentes. Porém na verdade, não é sempre voltando-se para o sucesso amoroso e sexual que encontramos essas femeas maravilhosas, mas, também para objetivos profissionais, se tornando mulheres de sucesso, como executivas fortes, atrizes ou cantoras famosas e assim por diante. Enfim, em qualquer meta que elas se empenhem certamente vão subir todos os degraus.

Isso tem haver com a bagagem carmica, com seu dharma e com seus dons ancestrais. Mas, tem haver acima de tudo com uma boa percepção de seus poderes inconscientes, que se encontram em boa conexão com seu subconsciente e que formam uma consciência de autoestima. Porém, um detalhe: essas mulheres de sucesso, não são de passar por cima das pessoas, geralmente tem um alto padrão ético e temperamento sob controle. Sua índole é forte, mas, seu caráter é positivo e sua personalidade é enérgica. Enfim, estão inseridas nos 3 pilares que sempre citei na Umbanda Astrológica. 

No meu livro OS SENHORES DO DESTINO E A COROA ASTROLÓGICA DE ORUMILA, onde mostro formulas de somar seus odus pela data de nascimento, como também onde identificar odus na carta natal e orixás por meio do Zodíaco, e que tem como tema central o destino e o livre arbítrio, mostra ao leitor atento, de que forma melhor cumprimos nosso destino, rumo ao sucesso. E que nessa formula pessoal, temos o dever de ter nossos instintos bem orientados e a nossa índole sob controle da consciência.

No livro também o leitor vai compreender mais sobre os segredos, poderes e atuações de Exu e Pombagira, que de forma especial é a guardiã, guia e protetora da mulher, desde tempos imemoriais. A mulher também vai perceber que vivenciamos ciclos e fases onde temos que nos adaptar, nos transformar e inserir em nossa vida, mudanças de hábitos quando as coisas não andam bem. Afinal de contas tem gente que percebe ou sente que sua vida não anda direito, ou até regride, mas, ela insiste nos mesmos erros, teimando contra a sorte e destino.
CARMA SEXUAL, DESTINO E LIVRE-ARBÍTRIO
Bem, como eu tava falando, tem mulheres que tem poder forte de domínio, sobre o sexo oposto ou até sobre o mesmo sexo. Mulheres com magia na veia e no olhar. É facilmente perceptível a sexualidade e desejos ou até potenciais de uma mulher, apenas olhando no fundo dos olhos ou nos traços dela. No entanto, há as mulheres que são o oposto dessas conquistadoras natas. Ou seja, tem as que vieram pra ser objetos sexuais, sempre dominadas, escravizadas facilmente e facilmente manobradas. Isso mesmo, mulheres que não só tem baixa-estima, como se submetem a qualquer coisa pra agradar os outros.

Tem as que tem uma falsa autoestima, ou seja, pensam que podem agir, transgredir e que são foda, só porque tem coragem de cometer baboseiras, mas, na verdade, apenas servem da mesma forma aos desejos dos outros mais espertos. Em meio as garotas de programa e profissionais dos sexo como um todo, desde atrizes pornôs a acompanhantes de luxo, temos nesse meio as que dominam, que tão lá porque adoram sexo e vieram a este mundo pra transar e curtir os prazeres da carne. Não são manipuladas e até conquistam todos ou maioria de seus ideais. Mas, tem também as que adentram esse mundo, por indução, coação, engano e manipulações malignas. Algumas vivem uma vida de escravidão por necessidade e tendo consciência de que só estão fazendo por que precisam. Só que outras, fazem porque precisam, mas, não tem consciência disso. Enfim, as mulheres se dividem em várias classes e essa divisão é causada tanto pelo carma, quanto por seu signo, Ori, Pombagira e atitudes. A forma como cada homem e mulher alia seus instintos, índole e alma ao carma, ancestralidade e missão é que colocará um indivíduo numa faixa existencial.

Outra coisa interessante que as pessoas tem que levar em contra, são as síndromes. E assim como observamos essas síndromes na astrologia ao observar o comportamento humano, também identificaremos muitas síndromes na observância dos signos de Ifá ou dos orixás. Tem muitas mulheres por exemplo que vivem síndromes masoquistas, síndromes da subserviência e síndromes que as levam a se humilharem por atenção. Tem algumas mulheres que quando mais são humilhadas, mas, se mostram submissas. Quanto mais o companheiro, desfaz, desgosta e trai, mas, elas se sentem atraídas. Muitas sequer precisam desses companheiros, mas, elas se sentem atraídas como dependentes e se sentem prezas, como se tivessem amarradas a uma corrente imaginária ou oculta. 

Muitas mulheres lindas, valorosas, que chegam a definhar por um amor que só lhes faz mal, que só lhe humilha e que tira seu brilho. Muitas se sujeitam a vontade de homens que sequer saciam elas na cama ou nem são grandes coisas. Vivem amores bandidos, amores cegos e vivem como se ao afastar elas ficassem como uma planta que é arrancada do solo! Tudo isso é uma síndrome perigosa. Um desequilíbrio do Orí, desarmonia dos orixás que regem essa pessoa e grande parte, são vitimas de obsessores. Muitas passam a ser vitimas desses obsessores, quando perdem a virgindade pra homens canalhas de sangue-ruim e passam assim a ficar vulneráveis e controláveis. Muitas chegam até a dizer "minha primeira vez foi perfeita..." sem saber que se doou a um aproveitador que apenas enfeitiçou-a para ter sua castidade nas mãos dele. E é por isso que muitas ao serem usadas durante anos, até perder a juventude e a forma física, são abandonadas ou se refugiam após muita humilhação que não toleram mais. E passam a viver sozinhas, afirmando que não querem mais amar. Sem saber que esse enclausuramento psicológico, é tudo obra dessa obsessão a qual ela foi vitima.

Muitas meninas, ainda novinhas, se doam, perdem a virgindade pra pessoas erradas, melando assim toda sua trajetória sentimental e sexual. Quando algumas conseguem dar a volta por cima, ultrapassar as barreiras do carma e encontrar um mágico amor que quebre a maldição sexual, elas se recuperam, montam uma família um amor de verdade que muda completamente seu destino ou realinha. Mas, nem todas conseguem. Na verdade, tem muitas mulheres que troca de parceiro como troca de camisa e nenhum lhe serve. Vivem relações ruins que parecem boas, mas, apenas no começo. Muitas sofrem e sofrem muito, pois não reencontram seu caminho. E isso também acontecem com os homens, que se iniciam com mulheres ruins. E o mesmo vale pra homossexuais.

Um carma bem conhecido na Bíblia foi o caso de Diná filha de Jacó que foi violentada por Siquém, filho de Hamor (líder dos heveus e da região onde o estupro aconteceu). Após violentar Diná Siquém se apaixona por ela e pede que seu pai a peça em casamento para ele. Mas, como todos sabem essa história teve desdobramentos terríveis. E além deste caso tem outros nos livros sagrados que mostram como um carma sexual, pode trazer dores a vida de uma mulher mal iniciada.

 Comenta-se que Jacó não ligou muito para o acontecido com a filha, por que ela seria uma filha desobediente. Aliás como ocorre em muitas famílias, em que os pais acabam "lavando as mãos", por se darem por vencidos diante da teimosia dos filhos. Muitas filhas, enveredam por caminhos sem volta, não só por uma vida sexual desregrada e sem noção, quanto por drogas e vida perigosa, com envolvimentos com parceiros inescrupulosos. 

Dizem ainda que Diná era uma espécie de bruxa ou sacerdotisa e que por isso, ela confrontava o pai ou tinha visões. E que por querer ser livre demais, esteve no lugar errado e na hora errada, ficando vulnerável ao estupro. Claro que não vamos levar para o mesmo terreno de culpar a vítima pelo estupro, mas, o fato da contribuição de muitas pessoas, tanto homens quanto mulheres, por causa de rebeldia e desobediência, acabam contribuindo para que caiam nas mãos dos predadores malignos.

Na verdade, falamos mais para as mulheres, porque ela é passível de uma gravidez, é mais frágil, dependendo da situação e por vivermos ainda numa sociedade machista. E muitas mulheres colocam-se diante de um carma ruim, melando toda sua trajetória, tanto por rebeldia, pressa, iniciação precoce e uma busca incessante por uma falsa liberdade. A maior parte das mulheres não tem paciência pra esperar um amor firme e verdadeiro, muitas se doam a homens que sequer vão ver no dia seguinte e depois ainda se queixam de má sorte! Ao quebrar sua sincronia com os odus ancestrais do amor e do sexo, o homem e a mulher perdem importantes bases espirituais. O orixá do sexo e do amor tem uma importância altíssima, dentro da coroa astrológica de uma pessoa.

Antes de ficar definhando e vendo os seus dias passar, culpando os outros e sua sina, medite, veja o que tem que mudar, corrigir, adaptar e como deve agir, pra quebrar o carma e a maldição. Pare de se escravisar por síndromes que fazem você se humilhar a quem não merece. Mentalize o verdadeiro amor, não troque de parceiro como quem troca de camisa e não se doe a qualquer um só pra não se sentir só ou achando que transar com qualquer é seja sinal de coragem ou liberdade.

Shalom a todos!


OS SENHORES DO DESTINO E A COROA ASTROLÓGICA DE ORUMILÁ
Livro de Umbanda Astrológica - OS SENHORES DO DESTINO E A COROA ASTROLÓGICA DE ORUMILÁ

Os Senhores do Destino revelam as verdades ao homem no tempo certo!


O Destino em atuação nas fases da vida do homem

Uma coincidência me chamou atenção. É que o meu primeiro livro, que é um tratado pra apresentar a Umbanda Astrológica a comunidade esotérica, mística, espiritualista, astrológica, umbandista e que estuda as filosofias cósmicas e artes divinatórias, saiu num período que tem tudo haver com o tema central do livro.

Trata-se no livro OS SENHORES DO DESTINO E A COROA ASTROLÓGICA DE ORUMILA, como o nome sugere, do destino, sua ligação ou interação e contraponto ao livre-arbítrio. Como também, a interferência do Acaso, que seria uma força de correção. E nesse contexto do os senhores do destino, representado no livro principalmente por Orumilá o Orixá do Destino, da Adivinhação e Testemunha da Criação, atuando na vida dos seres humanos, interferindo ou gerindo por meio da ancestralidade. Ai os códigos cósmicos formados nessa ancestralidade é que revelam o ser encarnado, seus potenciais, sua índole, instintos e desejos. Como também, missões e provas. E nesse livro, como o tema central é o destino, há um enfoque também nos oráculos que são as ferramentas que os magos, médiuns, profetas e buscadores ao longo da história da humanidade sempre buscou se conectar com o Sagrado, ou seja, com esses senhores do carma e da vida. Os ministros do Deus Criador, Olorun, Javé, Adonai, Eloim, Alah ou Olodumaré, e assim por diante. Essa busca o homem sempre foi tentar entender o que ele é, de onde veio, pra que veio, pra onde vai, o que tem que fazer e o que esses Senhores do Destino, pretendem ou quer de nós.

Então nesse tratado de Umbanda Astrológica, aprofundei-me em culturas diversas, raízes longínquas e segredos já por muitos esquecidos. Então, percebi que a Tradição Oral que sempre sustentou nossos cultos afrobrasileiros, não só falha, deixa margem a distorções, confusões e enganos, como enfraquece o movimento religioso dos orixás. Ou seja, é uma "faca de dois gumes", pois ao mesmo tempo que mantém a tradição de culto aos senhores da ancestralidade, ao ser corrompida e mau interpretada, dá margem a preconceitos, combates e suspeitas. O que isso quer dizer? Que toda religião deve ter uma base, uma pedra fundamental e códigos insolúveis ou pelo menos sólidos para manter seus pilares. Assim como tem o Cristianismo, o Budismo, o Islamismo e o Judaísmo ou tantas outras. E investigando as origens dos cultos antigos e ancestrais, percebi que todas as religiões, tem origens e surgimentos parecidos. Até porque o pensamento mágico, a fé humana e a busca pela compreensão de tudo  a nossa volta, teve origem da mesma forma e na mesma fase de vida de todos os humanos na Terra. Por isso nenhuma religião pode apontar o dedo pra outras e dizer que só esta ou aquela religião tem fundamento e é a verdadeira. Na verdade, há uma interligação entre toda a espiritualidade humana. Todas se interligam ao céu que nos revela os códigos imortais e o livro imutável do Criador. O Zodiáco está presente nas raízes, troncos e galhos de toda religião existente no mundo. A Bíblia por exemplo, tá cheio do conhecimento astrológico. E por isso o tratado é do seguimento de Umbanda Astrológica.

Há no Brasil, muitos adeptos, inclusive doutores, com formação acadêmica, que repisa a importância exclusiva da Tradição Oral, como se somente ela fosse importante ou bastasse. Mas, por razões que já expliquei, continuarei discordando. Pois, os maiores defensores dessa diversidade toda, como formando uma Umbanda como se fosse "colcha de retalhos", na verdade pretende outros objetivos de poder. E na verdade a Umbanda e o Candomblé, ou outros seguimentos africanistas só existem mesmo pelas codificações do Ifá, dos mitos sagrados preservados e não pelas variações da tradição oral. Claro que o desejo não é dizer que este movimento é melhor ou pior que aquele ou aquilo. Na verdade, o objetivo é extrair o melhor de todos e juntar uma "pedra fundamental" que servirá como coluna de sustentação e fortificação dos pilares do Saber Sagrado dos Orixás.

Dizer que tudo é válido, tudo é verdade e tudo tá dentro dos conformes, na verdade só servem a defensores de cursos, escolas e que quer possuir um grande público lhe seguindo. Na verdade quem quer defender a Umbanda, sabe que sua reformulação é importante, como fez o grande Pai Matta e Silva, Pierre Vergger e Pai Zélio. Mas, não se acomodar apenas ao que eles encontraram ou fizeram. Temos que continuar aprimorando e colhendo informações e códigos.

Se pautar apenas por livros psicografados não traz todas as respostas que precisamos. A Umbanda moderna tá cheio de livros, romances e estudos, psicografados, porém, o estudo dos códigos não podem e nem devem depender apenas de revelações de espíritos desencarnados. Na verdade, os magos e profetas de todos os tempos, buscaram as respostas nos estudos profundos, especialmente do sistema orácular, pois nem o Sagrado pode falar tanta baboseira e invencionices, como eles não querem falar mesmo, por meio de guias. Eles apenas orientam, incentivam a busca e iniciam os mestres. Mas, o estudo constante depende de cada um. Essa história de se voltar ao lado necromante, fetichista e pirotécnico que grande parte dos mestres ou adeptos adotaram é perigoso. 

Por isso no livro de Umbanda Astrológica, fui buscar as origens, as práticas dedicadas dos antigos magos e verdadeiros senhores escolhidos pelo Astral Superior. Que tinham realmente outorga, respeito, prudência e vontade de encontrar respostas dos senhores do Carma e do Destino. Defender que a diversidade é que faz o buscador crescer, é verdadeiro até um certo ponto, desde que ele saiba filtrar, selecionar e corrigir aquilo que está fora do contexto. Mas, de um modo geral, é essa mesma diversidade que muitos defendem que geram confusão. Não é difícil encontrar pessoas cansadas, desanimadas e desiludidas, por que em cada lugar que foi encontrou uma filosofia diferente, conceitos difusos, opiniões diversificadas e porque lhe deram diversas regências e funções. 

A diversidade representa o respeito e a aceitação de que cada um tem o direito de buscar aquilo que lhe faz bem e de crer da forma que lhe pareça melhor. No entanto, aceitar a diversidade, é ao mesmo tempo perigoso, pois a liberdade demais, gera também anarquia, difusão e distorção. Dizer que é tudo a mesma coisa ou que leva-nos ao mesmo fim, é bastante complexo. Dizer que todo tipo de Umbanda tá dentro da normalidade é como dizer que um judeu pode tá numa mesquita a noite e numa sinagoga pela manhã! E poderia sim, como buscador de conhecimento está lá. Como também, pelo fato da generosidade, harmonia e paz entre os povos, compactuar dos cultos de seus vizinhos e irmãos. Porém a questão ancestral é que conta. E quem mistura tudo, acaba perdendo o fio da meada e passa no fim a não acreditar em nada. Como você pode está num terreiro hoje que fala que Exu é importante como senhor dos caminhos e a amanhã tá num templo puritano que se diz de "mesa branca" e que rejeita toda a Esquerda? Assim como um cozinheiro, um alquimista e um mago, sabe que não podemos colocar todos os elementos num mesmo caldeirão pra produzir algo bem formulado e saudável, também o místico sensato, saberá facilmente que não pode juntar todos os palpites e crenças num único seguimento sem um devido polimento!
A proto-síntese cósmica, pode sim ocorrer, mas, sempre observando a lapidação que tem que ser dada aos conhecimentos inseridos. E quem diz que a Umbanda não tem códigos é porque nunca observou que tanto ela quando o Candomblé e outros seguimentos africanistas, tem sim hierarquia, conceitos, preceitos e vibrações constituídas. Assim quando se diz que tem um determinado de orixás, de odus, de obrigações e sabe-se que há observância de ciclos, de graus e de dogmas, sabe-se que está se falando de códigos sim. Por isso, cada orixá tem seu ponto riscado, tem seus pontos cantados, tem suas conexões e tem suas ligações com o sistema astrológico do Zodíaco. Ao dizer que um orixá tem um determinado número, tem uma cor, tem um arquétipo, tem uma filiação, tem um poder, um elemento, uma atuação ou obrigações, estamos revelando códigos velados. Então a Umbanda e o Candomblé, só persistem não só pela Tradição Oral, mas, sim por uma tradição secreta e revelada pelas senhores do Destino e do Carma, que em sua maior parte é feita de forma oral. Mas, que tem sim seus livros, seus manuscritos e que sempre tivemos grandes magos, babalaôs que se empenharam em guardar esses conhecimentos ocultos. Por isso eu considero o Ifá do senhor Orumilá, a "Bíblia da Umbanda".
Mas, voltando a coincidência que citei no começo do texto, me referi ao fato do livro ter sido lançado justamente num período onde um juiz declarou em sua sentença (e que volto atrás depois), que a Umbanda e Candomblé, não seriam religião. E eu achei importante essa coincidência, pelo fato do livro abordar justamente o Destino e as nossas decisões, ou seja, nosso livre-arbítrio. E assim, com uma decisão pessoal, esse juiz arranjou muitas críticas e chamou atenção para o tema. Ou seja, tudo tem um código por trás, um destino e uma ordem. Outra coisa que me chamou atenção nessa coincidência, foi que há capítulos nesse primeiro livro que escrevi sobre Umbanda Astrológica, sobre os cultos antigos, de que forma as religiões tem origens parecidas, como elas se cruzam e como a ancestralidade, buscou o Sagrado da mesma forma. Ou seja, não há religião melhor ou pior que as demais. Não há religão que possa gritar "eu e só eu detenho a verdade...", pois o certo é que todas buscam respostas, todas buscam conexão com o divino e todas tem origens semelhantes.

Ao  criticar os cultos africanos ou afrobrasileiros, por sua ancestralidade mais primitiva, basta a esses intolerantes e preconceituosos, se aprofundarem nas origens e histórias dos cultos judaico-cristão, como os patriarcas, se conectaram ao Sagrado e quais as origens do Deus da Bíblia. Também verá que a Bíblia tem influência ou diversos conteúdos da cultura egípcia e de outros povos místicos. E que muitas crenças foram adaptadas de outras culturas. Poderíamos descartar historicamente o Natal, a Páscoa e tantas outras festas que sustentaram o cristianismo por exemplo, ao constatar que são apenas adaptações de outros cultos, como por exemplo do deus Mitra. E que não há comprovação de seus autores, de datas, de que forma realmente aconteceu cada fato narrado na Bíblia. Enfim, tudo pode ser bem aceito de forma teológica e dogmática, mas, jamais comprovada historicamente. Então, ninguém pode apontar este ou aquele culto como maligno e que seu culto seja exclusivo de um Deus Soberano. Pois não poderão responder nem quem é esse Deus! Se a Bíblia também tem dogmas, metáforas, simbolismos, lendas e mitos, também tem que aceitar os dogmas e conceitos dos outros.

Axé a todos! Shalom


Carlinhos Lima
Os senhores do destino e a coroa astrológica de Orumilá - compre saiba mais sobre este livro aqui

Astrofísica: Aglomeração de estrelas ajuda a entender a estrutura da galáxia

Imagem divulgada pelo Observatório Europeu do Sul mostra enxame de estrelas e nuvens coloridas de gás brilhante

O acúmulo acontece na constelação de Carina, a 7 500 anos-luz da Terra, e foi denominado NGC 3590
O acúmulo acontece na constelação de Carina, a 7 500 anos-luz da Terra, e foi denominado NGC 3590 (ESO)
Uma nova imagem do espaço obtida pelo Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês) mostra um enxame estelar, nome dado a um aglomerado desses astros, que fornece pistas sobre a formação e evolução das estrelas, e pode ajudar a entender a estrutura espiral da Via Láctea.
A imagem, divulgada nesta quarta-feira, foi capturada pelo telescópio MPG/ESO, que mede 2,2 metros de diâmetro e está instalado no Observatório La Silla, no Chile. Na foto, as estrelas brilham intensamente sobre uma paisagem de zonas escuras de poeira e nuvens coloridas de gás brilhante. O acúmulo acontece na constelação de Carina, a 7.500 anos-luz da Terra, e foi denominado NGC 3590. Trata-se de um conjunto de dúzias de estrelas ligadas pela gravidade, com cerca de 35 milhões de anos.

A galáxia onde a Terra se localiza, a Via Láctea, possui "braços" em espiral, correntes longas e encurvadas de gases e estrelas, que se estendem a partir do centro da galáxia. O NGC 3590 é importante para os astrônomos, porque se situa no maior segmento de um braço em espiral que pode ser visto a partir da nossa posição na galáxia: a espiral de Carina (uma zona do céu densamente povoada de estrelas, no braço de Carina-Sagitário). Observar estrelas jovens como as desse aglomerado é uma maneira de determinar as distâncias entre as diferentes zonas do braço em espiral e compreender sua estrutura.
As estrelas presentes num enxame como o NGC 3590 nascem simultaneamente a partir da mesma nuvem de gás, o que torna os enxames locais perfeitos para testar as teorias de formação e evolução estelar. A imagem obtida pelo instrumento Wide Field Imager (WFI), montado no telescópio MPG/ESO, exibe o enxame (as estrelas mais brillhantes, azuis) e as nuvens de gás que o rodeiam (em tons vermelhos e alaranjados, decorrentes da radiação emitida pelas estrelas quentes mais próximas). O grande campo de visão do WFI capturou igualmente um número enorme de estrelas de fundo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores