Total de visualizações de página

A pombagira

domingo, 9 de fevereiro de 2020

Doenças, assassinatos e escravidão: quando ocorreu colapso social da Ilha de Páscoa?



De acordo com uma crença comum, quando os colonizadores europeus chegaram à Ilha de Páscoa, no Chile, a sociedade nativa já estava em declínio, embora recentes pesquisas sugiram outras teorias.

Ao contrário da teoria de que o processo foi interrompido em 1600, descobriu-se que a população aborígene estava construindo seus monumentos icônicos no século XVIII.
Em 1770, quando os europeus chegaram à ilha, a sociedade aborígene ainda estava funcionando normalmente. Entretanto, logo entrou em rápido declínio devido a doenças, assassinatos e escravidão, relata o Phys.org.
Acredita-se que a Ilha de Páscoa, atualmente território chileno, foi colonizada no século XIII por navegadores polinésios.
Os pesquisadores processaram dados de radiocarbono em amostras de 11 locais da ilha e os compararam com os registros contemporâneos, concluindo que quando os colonos espanhóis e holandeses desembarcaram na ilha em 1770 e 1772, respectivamente, os famosos moais (monumentos também conhecidos como Cabeças da Ilha de Páscoa) ainda estavam em bom estado.

© AFP 2019 / GREGORY BOISSY
Vista de Moai - esculturas de pedra na Ilha de Páscoa a 3.700 quilômetros da costa chilena no oceano Pacífico
Os registros limitados daquela época indicam que a sociedade estava prosperando. No entanto, quando o navegador britânico James Cook chegou, em 1774, ele observou uma ilha em crise.
"O pensamento geral tem sido que a sociedade que os europeus viram quando apareceram pela primeira vez era uma que tinha colapsado", explicou Robert DiNapoli, do Departamento de Antropologia da Universidade de Oregon, que liderou o estudo publicado na Journal of Archaeological Science.
Na realidade, a sociedade insular ainda não havia experimentado um colapso, uma vez que "a construção de monumentos e o investimento ainda eram partes importantes de suas vidas quando estes visitantes chegaram", concluíram os pesquisadores.
"Assim que os europeus chegam à ilha, há muitos eventos trágicos documentados devidos a doenças, assassinatos, incursões para tomar escravos e outros conflitos", explicou o coautor da pesquisa Carl Lipo, antropólogo da Universidade de Binghamton em Nova York.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores