Total de visualizações de página

A pombagira

Meus livros de Magia Astrológica no link

domingo, 30 de junho de 2013

Os mistérios da bíblia judaica estão longe de ser totalmente elucidados

Os estudos cabalísticos são muito importantes! Todas essas aplicações, porém, são minúsculas se comparadas às possibilidades infinitas de interpretação da Torá. Segundo Zumerkorn, os mistérios da bíblia judaica estão longe de ser totalmente elucidados. "Ainda há muito o que estudar, mas está tudo ali, disponível", diz o cabalista, que traça um paralelo entre o conhecimento da Torá e as grandes invenções humanas. "Veja o que aconteceu com a roda, a eletricidade e os antibióticos, por exemplo. A informação que propiciou a descoberta sempre esteve ali, oculta. Até que finalmente alguém a acessou", diz. "Tudo o que a humanidade precisa saber está na Torá. Se alguém não encontra o que procura, é porque não soube achar"

A dinastia salomônica é a tradicional Casa Imperial da Etiópia


A dinastia salomônica é a tradicional Casa Imperial da Etiópia , alegando descendência do Rei Salomão ea Rainha de Sabá , que disse ter dado à luz o primeiro rei tradicional Menelik I depois de sua visita biblicamente descrita a Salomão, em Jerusalém.
A dinastia, um bastião do Ortodoxa Etíope cristianismo , veio para governar Etiópia em 10 de Nehasé 1262 CE [1] (10 de agosto de 1270 dC), quando Yekuno Amlak derrubou o último governante da dinastia Zagwe . Yekuno Amlak alegou descendência linha direta masculina do antigo Axumite casa real que o do Zagwe tinha substituído no trono. Menelik II , e mais tarde seu Zewditu filha, seria o último monarca etíope que poderia reivindicar sua descendência direta ininterrupto masculino do rei Salomão e da Rainha de Sabá (ambos Lij Eyasu e Imperador Haile Selassie estavam na linha feminina, através de sua mãe Iyasu Shewarega Menelik, e Haile Selassie através de sua avó paterna, Tenagnework Sahle Selassie). A linha masculina, através dos descendentes de Menelik primo Dejazmatch Taye Gulilat, ainda existia, mas foi deixado de lado em grande parte por causa da aversão pessoal Menelik para este ramo de sua família. Os Solomonics continuou a governar Etiópia com poucas interrupções até 1974, quando o último imperador, Haile Selassie , foi deposto. A família real é atualmente não reinante. Os membros da família, na Etiópia, no momento da revolução de 1974 foram presos, e outros foram exilados. As mulheres da dinastia foram divulgados pelo Derg regime da prisão em 1989, e os homens foram liberados em 1990. Vários membros foram então autorizados a deixar o país em meados de 1990, e os outros foram autorizados a sair em 1991, após a queda do regime Derg em 1991. Muitos membros da família imperial, desde então, voltou a viver na Etiópia nos últimos anos.

O Brasão Imperial de Armas foi adotado pelo imperador Haile Selassie, e atualmente é realizada por seus herdeiros diretos na linha masculina. Os braços são compostos de um trono imperial ladeado por dois anjos, um segurando uma espada e uma balança, a outra segurando o cetro Imperial. O trono é sempre mostrado com uma cruz cristã , uma Estrela de David , e uma lua crescente sobre ele (representando as tradições cristã, judaica e islâmica). É encimado por um manto vermelho e uma coroa imperial, e diante do trono é o Leão de Judá símbolo. O Leão de Judá , por si só estava no centro da bandeira tricolor da Etiópia durante a monarquia, e é, portanto, o símbolo principal do movimento monárquico etíope. A frase "Moa Ambassa ze imnegede Yehuda" (Leão Conquistador da Tribo de Judá) apareceram nos braços, e sempre precedida estilo oficial do imperador e títulos, e uma vez que a palavra de Cristo se traduz em "ungido um 'isso dá credibilidade ao milhões de pessoas que afirmam que o Imperador Haile Selassie I, é parte da Santíssima Trindade, cujo sangue ligação através da casa de Davi ea mesma linha que deu a Jesus Cristo nasceu de. O lema oficial imperial Dynastic foi "Ityopia tabetsih edewiha habe Igziabiher" (Etiópia estende suas mãos para o Senhor) a partir do livro de Salmos.

Ao incluir os governantes Axumite antigos descendentes de Menelik I, e os ancestrais Yuktanite da Rainha de Sabá, a Casa Real da Etiópia é o mais antigo do mundo, juntamente com a do Japão .

Durante grande parte da existência da dinastia, seu reino foi eficaz no quadrante noroeste da atual Etiópia, as Highlands etíopes . O Império se expandiu e contraiu ao longo dos séculos, às vezes incorporando partes do dia moderno Sudão, e zonas costeiras do Mar Vermelho e do Golfo de Aden , e se estendendo para o sul para dia moderno Quênia também. Regiões sul e leste foram permanentemente incorporadas durante os últimos dois séculos, alguns por Shewan reis e imperadores por alguns Menelek II e Haile Selassie, embora grande parte das regiões central e sul foram incorporados ao império sob os imperadores Amda Seyon I e Zar ' um Ya'iqob áreas periféricas, mas foram perdidos após a invasão de Ahmad Gragn .

O poder dos anjos cabalísticos

Nas escrituras sagradas dos judeus, encontram-se 72 nomes para o Criador, formados pela combinação de 3 letras (na gravura acima, os nomes aparecem em 72 línguas diferentes). "Cada um deles expressa um atributo ou qualidade da natureza divina", explica David Zumerkorn. A origem dos nomes estaria no capítulo 14 do Livro do Êxodo, que descreve o momento em que Deus abriu o mar Vermelho para a passagem dos judeus. Os 3 versículos que contam o fenômeno - 19, 20 e 21 - têm 72 letras cada um. Para obter o primeiro nome de Deus, junta-se a primeira letra do versículo 19, a última do 20 e a primeira do 21. Consegue-se a segunda com a segunda letra do 19, a antepenúltima do 20 e a segunda do 21, e assim sucessivamente. Recentemente, a cabala pop se apropriou desse conhecimento, com o lançamento do livro Os 72 Nomes de Deus, de Yehuda Berg. Na obra, o diretor do Kabbalah Centre International sugere que é possível usar esses nomes para curar algumas doenças e melhorar o desempenho sexual.

Os números e a Cabala

Os números
Alguns algarismos são especialmente relevantes para a guematria. Conheça as características desses números pra lá de poderosos


1 O verdadeiro e único Deus.

2 Representa o dualismo existente no Universo: dia e noite, claro e escuro, bem e mal, positivo e negativo, e assim por diante.

3 União dos significados do 1 com o 2, representa a ligação da criatura com o Criador, e também o equilíbrio entre os elementos da natureza.

4 Número especial nas leis e costumes judaicos. Simboliza o dia em que Deus descansou após sua obra e também a pausa do Shabat, o 7º dia. Ligado a assuntos sentimentais.

8 Número transcendental, funciona como um portal para outra dimensão.

9 Representa a verdade, a eternidade, o bem e a união de um homem e uma mulher para trazer uma nova alma ao mundo físico.

10 Considerado um número perfeito, que atrai a presença divina, faz referência às 10 sefirot da Árvore da Vida, aos 10 Mandamentos e a outras manifestações sagradas.

26 Valor do nome mais elevado de Deus (Havaie), que o coloca acima de toda a natureza.

32 Um dos números de maior significado no judaísmo, é o resultado da soma das 22 letras do alfabeto com as 10 sefirot. É também o valor da adição da 1a letra da Torá (Bet, 2) com a última (Lamed, 30). "Representa as duas pontas de um fio", explica David Zumerkorn.

100 O patamar mais elevado da perfeição, a combinação dos mais altos níveis intelectuais e emocionais.

Matot - Massê: A jornada das tribos



Porção de Matot - Massê (מטות מסעי, - Números 30:2 - 36:13
As tribos - jornadas) - Números 30:2 - 36:13

A porção desta semana é dupla e, portanto, conta uma série de coisas interessantes: desde as discussões legais a respeito de promessas e juramentos, bem como a continuação do tema da divisão da terra de Israel entre as tribos e questões hereditárias. Dentro desse cenário, uma lição interessante pode ser aprendida da parte inicial do texto. Nela, Deus aparece a Moisés e lhe ordena: “Vinga os filhos de Israel dos midianitas” (Números 31:2). E, logo no versículo seguinte, vemos que “Moisés falou ao povo, dizendo: Armai-vos alguns de vós para o exército, e que estes saiam contra Midian, para fazerem a vingança do Eterno contra Midian” (Números 31:3).

Os Sábios não deixaram de perceber algo interessante. Deus usa explicitamente o imperativo de segunda pessoa – “vinga” – , ordenando que o próprio Moisés lute contra os midianistas, mas Moisés se vira ao povo e manda que eles façam a vingança! Por que isso ocorreu? Será que Moisés não entendeu o que lhe foi ordenado ou ele deliberadamente se fez de desentendido? O que se passa é que Moisés era uma figura querida e estimada em Midian, e o povo da região tinha lhe tratado muito bem no passado. Sendo assim, ele não podia simplesmente cuspir no prato em que comeu (ou “jogar uma pedra na cisterna da qual ele bebeu”, no dito rabínico) e se vingar do povo.

Que lição magnífica! Por conta de uma bondade feita para com ele, Moisés chega a desobedecer o Divino, recusando-se a ir pessoalmente se vingar dos midianitas. Muitas vezes não é o que fazem as pessoas. Quando algo de ruim é feito pelos outros, todos os atos bons cometidos no passado são esquecidos e a pessoa se foca exclusivamente na vingança. Aliás, já que estamos falando disso, é importante diferenciar entre dois conceitos que frequentemente se confundem entre as pessoas: se vingar e guardar rancor. Os Sábios perguntam: “O que é se vingar e o que é guardar rancor?”

A resposta deles é: “Suponha que A diga para B: ‘Me empresta sua enxada’ e B diga ‘não’. No dia seguinte, B diz para A: ‘Me empresta seu machado’ e A responde ‘Não vou emprestar o machado porque você não me emprestou a enxada’. Isso é vingar-se. E o que é guardar rancor? Suponha que A diga para B: ‘Me empresta seu machado’ e B responda ‘não’. No dia seguinte, B diz: ‘Me empresta sua camiseta’, e A responde: ‘Toma. Eu não sou como você, que não me empresta as coisas’. Isso é guardar rancor." Y. A. Cabalista

CABALA É RELIGIÃO?

NÃO. Mas tem tudo a ver com religião. Explica-se: a cabala é uma leitura mística das tradições do judaísmo. Quer dizer, todos os ensinamentos e postulados da cabala estão diretamente ligados à tradição judaica. Segundo os cabalistas, a Torá (a bíblia hebraica) traria ensinamentos ocultos, que seriam uma revelação de Deus sobre os segredos da Criação e do Universo. Mas, para desvendá-los, é necessário fazer uma nova leitura do texto sagrado, usando técnicas sofisticadas como a guematria (que combina letras hebraicas e números). Com base nessa interpretação, surgiria uma nova sabedoria, com regras e textos próprios: a cabala, que tem como livros sagrados o Zohar e o Sefer Yitizirah. Mas até que ponto é possível separar a cabala do judaísmo? O assunto é polêmico. Alguns estudiosos consideram um perigo estudar a cabala de forma independente, desvinculada da religião judaica. "Se você estuda cabala sem antes conhecer o bê-á-bá do judaísmo, corre o risco de perder o principal", diz Michel Schlesinger, da Congregação Israelista Paulista. Já os cabalistas mais modernos acreditam que não é preciso ter contato com as tradições judaicas para entender os princípios básicos. "Desde o início, a cabala sempre foi pensada como sabedoria, não como religião", diz o rabino Yehuda Berg, diretor do Kabbalah Centre International. "Qualquer um pode estudar, seja qual for o seu credo."

O Imperador Yekuno Amlak e o Rei Salomão


Ascensão ao poder Muito do que se sabe sobre Yekuno Amlak é baseada em tradições orais e medievais hagiografias . Yekuno Amlak foi educado no Lago Hayq do Mosteiro Istifanos perto Amba Sel , onde mais tarde medieval hagiografias estado de São Tekle Haymanot criado e educado ele, eo ajudou a depor o rei Zagwe passado. Hagiografias anteriores, no entanto, afirmam que ele foi Iyasus Mo'a , o abade do Mosteiro Istifanos em Lake Hayq, que o ajudou a chegar ao poder. GWB Huntingford explica essa discrepância, apontando Istifanos tinha sido o mosteiro premier da Etiópia, mas Tekle Haymanot de Debre Libanos eventualmente eclipsado Istifanos, e desde o reinado de Amda Seyon , tornou-se o costume de nomear o abade de Debre Libanos Ichege , ou cabeça secular da Igreja Etíope . No entanto, nenhuma dessas tradições é contemporâneo, com qualquer um dos indivíduos envolvidos. 

Havia também a história, relacionados, tanto em "Vida de Iyasus Mo'a" eo nagastat Be'ela, que um galo foi ouvida a profetizar fora da casa do rei Zagwe por três meses que quem comeu sua cabeça seria rei. O rei, então, teve o pássaro morto e cozido, mas o cozinheiro descartado a cabeça do galo - que Yekuno Amlak comeu, e, assim, tornou-se regente da Etiópia. Estudiosos têm apontado a semelhança entre esta lenda e uma sobre o primeiro rei de Kaffa , que também aprendeu com voz misteriosa que comer a cabeça de um galo certo seria fazê-lo rei, assim como o etíope Mashafa dorho ou "Livro do Galo ", que relata uma história sobre um galo cozido apresentou a Cristo na Última Ceia , que é trazido de volta à vida. 

Relatórios de história tradicionais ainda que Yekuno Amlak foi preso pelo rei Zagwe Za-Ilmaknun ("o desconhecido, o oculto") no Monte Malot, mas conseguiu escapar. Ele reuniu apoio nas Amhara províncias e em Shewa , e com um exército de seguidores, derrotou o rei Zagwe. Taddese Tamrat argumentavam que este rei era Yetbarak , mas devido a uma forma local de damnatio memoriae , seu nome foi removido dos registros oficiais. Um cronista mais recente do Wollo história, Getatchew Mekonnen Hasen, categoricamente afirma que o último rei Zagwe deposto por Yekuno Amlak não era outro senão Na'akueto La'ab si mesmo. Reign Yekuno Amlak disse ter feito campanha contra o Reino de Damot , que ficava ao sul do Rio Abbay .

História registrada dá mais certeza quanto às suas relações com outros países. Por exemplo, EA Wallis Budge afirma que Yekuno Amlak não só a troca de cartas com o imperador bizantino Miguel VIII ., mas enviou-lhe várias girafas como um presente [6] No início, suas interações com seus muçulmanos vizinhos foram amigável, mas suas tentativas de ser concedida uma Abuna para a Igreja Ortodoxa Etíope essas relações tensas. Uma carta sobrevive que ele escreveu para o mameluco Sultan Baibars , que foi suserano sobre o Patriarca de Alexandria (o chefe supremo da igreja etíope), por sua ajuda para um novo Abuna, em 1273, a carta sugere que este não era o seu primeiro pedido. Quando um não chegar, ele culpou a intervenção do sultão do Iêmen , que havia impedido o progresso de seu mensageiro para Cairo .

Taddesse Tamrat interpreta alusão filho Yekuno Amlak do de sírios sacerdotes na corte real, como resultado desta falta de atenção por parte do Patriarca. Taddesse também observa que em torno deste tempo, os Patriarcas de Alexandria e Antioquia estavam lutando pelo controle da nomeação do bispo de Jerusalém , até então prerrogativa do Patriarca de Antioquia. Um dos movimentos nessa disputa foi o Patriarca Inácio III David 's nomeação de um peregrino da Etiópia como Abuna. Este peregrino nunca tentou assumir este post, na Etiópia, mas - Taddesse Tamrat argumenta - a falta de coptas . bispos forçado Yekuno Amlak contar com os guerrilheiros sírios que chegaram a seu reino. Yekuno Amlak é creditado com a construção da Igreja de Gennete Maryam perto Lalibela , que contém os primeiros sobreviventes pinturas murais datável na Etiópia.  Seu descendente Imperador Baeda Maryam tinha corpo Yekuno Amlak de re-enterrados na igreja de Atronsa Maryam .

Imperador Yagbe'u Seyon, também Yagbea-Sion (trono nome Salomon) foi nəgusä Nagast (18 de Junho de 1285-1294) da Etiópia , e um membro da dinastia salomônica . Ele sucedeu seu pai Yekuno Amlak .

Yagbe'u Seyon serviu como co-regente com seu pai Yekuno Amlak para os últimos anos de seu reinado, o que facilitou a sua sucessão. Ele procurou melhorar as relações de seu reino com seus muçulmanos vizinhos, no entanto, como seu pai, ele não teve sucesso em convencer os poderes Egito para ordenar um Abuna ou metropolitana para a Igreja Ortodoxa Etíope . A carta dele para o sultão do Egito, de Ramadhan AH 689 (no final do AD 1289) é mencionado no Etienne Marc Quatremère géographiques 's Mémoires et sur l'Egypte historiques ... sur quelques contrées voisines (Paris, 1811), onde , protesta o tratamento do sultão de seus súditos cristãos, afirmando que ele era um protetor de seus próprios súditos muçulmanos.

Marco Polo menciona que um dos "príncipes" da Etiópia em 1288 pretendia fazer uma peregrinação a Jerusalém , seguindo a prática de uma série de seus súditos, ele foi dissuadido deste projeto, mas enviou o seu "bispo" em seu lugar. Em seu regresso, este bispo foi detido pelo "Sultão de Aden", que tentou converter o eclesiástico para o Islã ; não fazê-lo, o sultão teve então o bispo circuncidado antes de soltá-lo. O "príncipe" e marcharam sobre Aden, e apesar do apoio de dois outros aliados muçulmanos, o sultão foi derrotado e capturado a sua capital. Um número de historiadores, incluindo Trimingham e Pankhurst, identificar a régua com Yagbe 'u Seyon, referência Polo correta para Adal não porto da Arábia, eo nome Zeila como capital do sultão.

Os historiadores estão divididos sobre a situação que enfrentou seus sucessores após a morte do Yagbe'u Seyon. Paul B. Henze repete a tradição que Yagbe'u Seyon não conseguia decidir qual dos seus filhos deveria herdar o seu reino, e instruiu que cada um iria governar por sua vez, por um ano. Taddesse Tamrat, por outro lado, os registros de que sua reinado foi seguido por confusão dinástica, durante o qual cada um de seus filhos ocupou o trono.

Vaietsê - Jacó, viaja para Haran em busca de uma esposa


Na porção de Vaietsê, o protagonista, Jacó, viaja para Haran em busca de uma esposa. Lá vivia Lavan (Labão), pai de duas filhas: Lea e Raquel. Assim que chega a Haran, Jacó cruza olhares com Raquel e se apaixona imediatamente, jurando que se casaria com ela, como está escrito: E Jacó amou a Raquel e disse [a Labão]: “Servir-te-ei sete anos por Raquel, tua filha menor” (Gênesis 29:18).

Labão aceita a proposta, mas após os sete anos de trabalho, engana a Jacó e, no momento do casamento, aproveitando-se do fato de que a noiva devia ser apresentada com um véu, troca suas filhas. Quando Jacó se dá conta do que ocorreu, já está casado com Lea. Como era de se esperar, Jacó vai ter com Lavan, exigindo que Raquel também lhe fosse dada como esposa. Labão concorda, mas com duas condições: 1) Jacó precisa trabalhar por mais sete anos e 2) só pode ter a sua nova esposa depois de uma semana, para consagrar de fato o casamento com Lea. E quando Jacó finalmente se casa com Raquel, a Torá diz: "E conheceu também Raquel, e amou também a Raquel, mais que a Lea" (Gênesis 29:30).

Daqui surgiu uma pergunta que intrigou os cabalistas. O casamento com Lea foi uma farsa tramada por Labão e o grande amor da vida de Jacó era Raquel. Sendo assim, poderíamos esperar que Jacó odiasse e desprezasse a Lea; ou que, no mínimo, tivesse um sentimento de indiferença para com ela. No entanto, o versículo nos diz que Jacó amou também a Raquel. O uso da palavra “também” mostra que Jacó amava a Lea, apesar de tudo. Jacó amava mais a Raquel do que a Lea, mas também amava a Lea. Como ele conseguiu isso? Como ele conseguiu amar a Lea se ela era fruto de uma enganação, e, ainda mais, se todos os seus olhos eram para Raquel? Essa pergunta está relacionada com outra: existe um mandamento na Torá que ordena: "Ame ao teu próximo como a ti mesmo" (Levítico 19:18). 

E os cabalistas perguntam: como é possível exigir que a pessoa tenha um sentimento? Como se pode obrigar alguém a amar a outra pessoa? No caso especial de Jacó, será que ele encontrou alguma maneira de "forçar" um sentimento de amor? A Cabalá explica que quando Jacó se casou com Lea, realmente ele não a amava. No entanto, durante os sete dias de festividades após o casamento eles começaram a se conhecer, não apenas de uma maneira superficial, mas de modo que Jacó conseguiu enxergar todas as maravilhosas qualidades de Lea, uma mulher muito virtuosa. Cada qualidade que Jacó encontrava em Lea criava uma conexão mais forte entre eles. Passada aquela semana, Jacó conhecia tanto sua nova esposa que chegara a ponto de amá-la.

A Cabalá, está nos contando um grande segredo: como manter um relacionamento com amor por toda a vida. Por que os relacionamentos se deterioram com o tempo? Pois a paixão, aquele sentimento que, na maioria dos casos, confundimos com amor, termina, e começamos a perceber cada vez mais os defeitos do outro. O sonho vira um pesadelo. Ao contrário do que as pessoas pensam, embora existam casos de amor à primeira vista, como o caso de Jacó e Raquel, estes são mais raros e, na maior parte das vezes, o amor é um sentimento construído, uma escolha que fazemos. O amor verdadeiro raramente cai do céu. Em 99% dos casos, ele é alcançado através do nosso esforço. É uma conquista. É um processo. O amor surge quando nos comprometemos a buscar constantemente as qualidades do outro.

Segundo a Cabalá, basta observar um dos exemplos mais verdadeiros de puro amor, o amor de pais pelos filhos e, mais especificamente, da mãe pelos filhos. Os pais amam tanto seus filhos, mesmo quando eles têm inúmeros defeitos, porque os pais olham para os filhos como pessoas essencialmente boas e veem neles o potencial que eles têm em si! Para os pais, os defeitos dos filhos são vistos como pequenas manchas na roupa, coisas que podem ser lavadas e limpadas; são pontos negativos com os quais os filhos precisam aprender a lidar, mas que não fazem dos filhos alguém menos digno de receber amor. Um dos motivos espirituais para termos filhos é aprender a amar os outros. Com os filhos, isso vem fácil e de maneira quase automática, mas com os outros, isto precisa ser trabalhado.

Assim, quando a Torá ordena que amemos ao próximo, o mandamento não é para que sintamos algo, pois isso não se pode ordenar. O real mandamento é: tome atitudes que te levarão ao sentimento de amor. O mandamento é: busque as qualidades e virtudes nos outros, vendo seus defeitos como pequenas manchas, assim você o amará. Mais do que isso, assim você o amará como a ti mesmo. Do mesmo jeito que quando se trata de nós mesmos, tendemos a nos enxergar exaltando nossas qualidades e se esquecendo dos nossos defeitos, deveríamos fazer o mesmo quando olhamos para o outro. Y. A. Cabalista

Toldot - o nascimento dos dois filhos gêmeos de Isaac: Jacó e Esaú


Toldot – começa descrevendo o nascimento dos dois filhos gêmeos de Isaac: Jacó e Esaú. Como muitos gêmeos que vemos hoje em dia, apesar de terem sido criados na mesma casa, ambos desenvolveram características e aptidões completamente diferentes. A Torá conta que Jacó era muito mais tranquilo e caseiro do que seu irmão, Esaú. Já Esaú era mais “extrovertido”, vivia fora de casa e tinha uma grande preocupação de desfrutar a vida, aproveitando ao máximo todos os prazeres do mundo.

Uma das histórias mais interessantes envolvendo os dois irmãos é o famoso episódio da venda da primogenitura. Segundo o costume da época, por ter nascido primeiro, Esaú tinha direito de receber de seu pai uma benção especial de primogenitura. No entanto, um dia, voltando do campo, Esaú, completamente exausto por ter se dedicado com tudo à caça, viu seu irmão Jacó preparando uma refeição e trocou sua primogenitura por um prato de lentilhas.

Muitos comentaristas disseram que isso se deve ao fato de Esaú não se preocupar com a espiritualidade e com coisas como bênçãos. Mas, isso não é verdade, pois, por exemplo, ao saber que seu irmão tinha recebido a bênção especial do pai, Esaú se desespera: "E Esaú levantou sua voz e chorou" (Gênesis 27:38). Que tipo de pessoa chora por não ter recebido uma bênção, se não uma pessoa que se preocupa minimamente com a espiritualidade? Como entender então o comportamento de Esaú?

A chave está em uma história anterior da Torá. Quando Adão pecou ao comer do fruto proibido, ele foi amaldiçoado do seguinte modo: "Com sofrimento você comerá todos os dias da sua vida... com o suor do seu rosto você comerá pão" (Gênesis 3:17-19). O que isto significa? Que, antes do seu erro, Adão estava em um nível muito elevado, no qual conseguia seu sustento sem dificuldades; o que permitia, portanto, que ele concentrasse todas as suas energias no crescimento espiritual. Mas, a partir do momento que Adão caiu espiritualmente, a busca pelo sustento transformou-se em parte importante da vida humana. O trabalho, algo que deveria ser secundário em relação à espiritualidade, tornou-se o centro da vida das pessoas. É esta a lição que está sendo passada aqui.

Por que a Torá ressalta que a venda da primogenitura ocorreu quando Esaú estava voltando do campo? Para ensinar que Esaú estava tão "viciado" em seu trabalho que isso tinha se transformado em seu único objetivo de vida. Esaú é a figura arquetípica da pessoa que chega em casa após um dia estafante de trabalho, e não tem cabeça para pensar nisso. Por conta do trabalho, e da tremenda energia dedicada a isto, Esaú começou a apresentar uma “distorção da realidade”.

A Torá mostra que Esaú tinha chegado a um ponto em que não conseguia mais distinguir pequenos detalhes da vida cotidiana. Por exemplo, ele sequer sabia o que irmão estava cozinhando. Ele diz: "Derrame sobre mim, agora, um pouco desta coisa vermelha, pois eu estou exausto" (Gênesis 25:30). Por ter investido tantos esforços no material, Esaú chegara ao ponto de não saber se seu irmão cozinhava um cordeiro ou lentilhas, um prato salgado ou doce.

Os Sábios da Cabalá ensinam que Esaú tinha um potencial espiritual gigantesco, no mesmo nível de qualquer outro patriarca; mas ele se convenceu de que não havia nenhum conflito entre dedicar sua vida ao mundo material e, ao mesmo tempo, tentar ser uma pessoa que persegue a espiritualidade. Com esta visão distorcida da realidade, ele se enganou. Assim, Esaú é símbolo da pessoa que leva sua vida da maneira mais material e básica possível e acha que deste modo está levando também uma vida espiritual.

Salomão (e não Shakespeare) disse: "Não há nada de novo sob o sol" (Eclesiastes 1:9). Isso significa que somos diariamente submetidos ao mesmo impasse ao qual Esaú foi submetido. O impasse entre a luta pelo sustento e a luta pelo desenvolvimento espiritual. Muita gente diz que não tem tempo ou alternativa, que a vida precisa ser assim. Muita gente diz “tudo que quero fazer quando não estou trabalhando é descansar”. A verdade é que para garantir o nosso sustento (e de nossa família), não precisamos trabalhar 24 horas por dia e, muitas vezes, nem mesmo 8 horas. Sempre podemos dedicar 10, 15, 20 minutos para a espiritualidade. E espiritualidade não significa ir ao templo rezar, ou ficar cumprindo mandamentos de um livro antigo segundo o que um líder religioso pregou. Espiritualidade significa viver um tempo de qualidade, que traga felicidade, satisfação e completude espiritual para a pessoa. Que possamos aprender de Esaú a não trocar a bênção da primogenitude por um prato de lentilhas. 
Y. A. Cabalista
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores