Total de visualizações de página

Meus livros de Magia Astrológica no link

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

As riquezas da Terra, tesouros espirituais e o poder da Mirra



As mônadas particulares que constituem as essências monádicas de cada departamento elemental da natureza estão dotadas de veículos de densidades diferentes, ainda que não possamos dizer que estejam individualizadas porque ainda não possuem mente individual. Porém, estio dotadas de inteligência cósmica e de inocência, poder e felicidade.

A mirra pertence ao ouro espiritual e associa-se com o incenso e com o ouro do espírito como pleroma inefável do Nirvana. A essência monádica desse departamento elemental da natureza esta intimamente relacionada com o mundo do íntimo.

O ouro espiritual esta dentro do imenso crisol do Nirvana. A ciência da mirra é a ciência da morte. Há que se morrer para viver. Ha que se perder tudo para tudo ganhar. Há que se morrer para o mundo para se viver para Deus. Esta é a magia elemental da mirra. As essências monádicas começam a demonstrar a sua individualidade própria quando estão passando pela evolução do reino vegetal da natureza.

Não poderíamos dizer: a mônada de um pinheiro se encarnou num homem, mas poderíamos dizer: a mônada de tal homem esteve encarnada em um pinheiro antes de ter se individualizado como mônada humana. Os devas ou anjos encarregados do manejo dessas essências monádicas revestidas de veículos durante o mahavântara são seus protetores, instrutores e fazem o trabalho espiritual dos grupos. Estão encarregados de impelir a evolução cósmica dessas essências monádicas revestidas de veículos cósmicos e conhecidas como elementais da natureza.

As essências monádicas têm que evoluir nos remos mineral, vegetal e animal antes de sua individualização. Não podemos dizer que a mônada de Descartes esteve encarnada em uma árvore porque a mônada humana é uma mônada individualizada e humana, diferente da mônada vegetal.

Porém, antes mona da e correto afirmar que a mônada de Descartes, da sua individualização, foi mônada animal, vegetal e mônada mineral. As mônadas dos elementais da natureza sao seres totalmente impessoais.

Os elementais da mirra são crianças de encantadora beleza que possuem a felicidade do Nirvana.

Agora, nossos discípulos entenderão porque se ofe-receu ouro, incenso e mirra ao Menino Deus de Belém. O Arhat que aprende a manipular as essências monádicas de todos os departamentos elementais da natureza aprende a manejar a vida universal. Entendemos por mônada o íntimo de todo elemental mineral, vegetal ou animal e o íntimo do ser humano compõe-se de Atma-Budhi-Manas. As essências monádicas da grande vida fluem e refluem incessantemente com os grandes ritmos do fogo universal.

Todas essas essências monádicas residem nas profundezas da consciência cósmica. Temos de aprender a manipulá-las para trabalhar nesta grande fabrica da natureza. As esferas superlativas da consciência cósmica foram classificadas pelos vedantinos na seguinte ordem:
ATALA. Este é o primeiro plano emanado diretamente do Absoluto. A esse plano pertencem as hierarquias Dhiani Budas, cujo estado é o de parasamadhi ou Dharmakaya. Já nao lhes cabe progresso algum, pois são entidades perfeitas que apenas aguardam a noite cósmica para entrar no Absoluto.
VITALA. Este é o segundo plano vedantino. Neste loka estão os budas celestes que se dizem emanados dos sete Dhyani Buddhas.
SUTALA. Este é o terceiro loka ou plano de consciência: o plano do som. A esse plano chegou Gautama neste mundo. Esse é o plano das hierarquias dos Kummaras e Agnishvattas. TALATALA é o quarto loka dos vedantinos. RASATALA é o quinto, MAHATALA é o sexto e PATALA, o sétimo.
ATALA é o mundo da Névoa de Fogo, o mundo do íntimo.

VITALA é o mundo da consciência. SUTALA é o mundo
da vontade. TALATALA é o mundo da mente. RASATALA,
o mundo astral, MAHATALA, o mundo etérico e PATALA
é o mundo físico.

Em ATALA estio as essências monádicas cintilando como chispas virginais. Em VITALA está o sagrado fogo de Nosso Senhor de Jesus Cristo.
Em SUTALA estão os elementais do éter universal. Em TALATALA, os elementais do fogo.

Em RASATALA estão os elementais do ar.

Em MAHATALA estão os elementais aquáticos e em PATALA, os homens e os elementais animais, assim como os gnomos.

Esta é a classificação das velhas escrituras Védicas.

Os sete planos cósmicos estio povoados de criaturas elementais.

As criaturas elementais descem da regido de ATALA até o mundo físico para evoluir através dos remos mineral, vegetal, animal e humano.
A vida desce plano por plano até o mundo físico e depois sobe novamente às regiões inefáveis do Nirvana.

Tudo vai e vem. Tudo flui e reflui. Tudo sobe e desce. Tudo vem de ATALA e volta para ATALA a fim de submergir finalmente na felicidade inefável do Absoluto.

A mirra pertence à região de ATALA, de onde a vida desce para depois voltar a subir.

A mirra e a magia do grande Alaya do mundo.

Os sete tatwas da natureza estão povoados de criaturas elementais e essas criaturas elementais estão encarnadas nas plantas.

Quem aprende a manipular a magia vegetal consegue manejaros tatwas.
O tatwa akasha é o paraíso das chispas virginais das substâncías monádicas do mundo do íntimo.

O tatwa vayu éo elemento das criaturas que se agitam nos ares.

O tatwa tejas é o elemento das salamandras do fogo.

O tatwa apas é o elemento em que vivem as criaturas das águas.

O tatwa pritvi é o elemento em que vivem os gnomos da terra.

Essas criaturas inocentes estão encarnadas nas plantas e quem conhece a magia das plantas pode manejar os tatwas do universo.

Com as plantas podemos acalmar as tempestades, soltar os furacões, desencadear tormentas e fazer chover fogo tal qual o fez o profeta Elias.

A mirra relaciona-se como akasha que vive e palpita em tudo que foi criado. Assim a causa Mem como força espiritual que, agindo de fora através de Akasha, e que pode transmutar o ser humano. A causa Shin (Marte/Louco) como força do próprio peregrino, fundamental para qualquer trabalho criador.

Nos graus elevados (de Ouros) será preciso superar os aspectos negativos do carma interno. A tarefa do estágio de Ouros é reger o carma externo, ou seja, apreender enfrentar positivamente todos os acontecimentos externos da vida. Esse elemento no tarô representa a força e as riquezas da terra, em especial, num sentido elevado as riquezas, até porque é simbolizado por um metal precioso. Mas, esse tesouro representado pelos naipes dourados, não é só de minérios, são todas as iguarias sagradas e preciosas advindas da terra, como um bom exemplo a preciosa Mirra.

Nada acontece por acaso e tudo tem uma razão de ser (lei da causa e do efeito). Uma provação necessária quando for repelida volta novamente mais tarde. Lembro aqui o transito saturniano!
Todas as situações por mais desfavoráveis que possam parecer devem ser construtivamente aproveitadas evitando assim o perigo da involução ou descida descontrolada ao materialismo. Nenhum planeta representa melhor a significancia do elemento ouro do tarô como Saturno. Ele elevado é a manutenção das riquezas, das coisas boas e da boa contrução do ser. Já em queda...

Por além dos nomes divinos AGLA e EMESH, o 8º arcano se liga tb ao 3º nome divino Jod-He-Vau-He (1+5+6+5 =17 =8). Assim no oito do tarô tá chaves importantes, como em suas correspondências superioros, o Arcano Maior a Justiça, também amplamente ligado a Saturno, representando as divisões justas das riquezas da terra, como também no arcano a Estrela, que é mais elevada e aqui mais divinamente ligada ao elemento essêncial, a Mirra.

Este terceiro nome em relação ao 8 de Ouros corresponde ao trabalho criativo dos 4 tatwas inferiores, realizando-se de cima para baixo e vice versa (4+4 =8). O outro Arcano Maior relacionado com 8 de Ouros é o 17º (Estrela) que é o arcano da Natureza. A força deste arcano, a vida em constante renovação,não é mais nem menos do que a própria força tatwika.

Os títulos dado ao Arcano - Divinatio Naturalis e Signum referem-se em primeiro lugar ao condicionamento astrológico ligado ao carma. Podemos falar aqui de um elemento de determinismo astrologico retificado pelo elemento do indeterminismo e que se expressa pela frase célebre: Os astros inclinam mas não determinam. O 3º título, Intuito, confirma a capazidade de conhecimento supraintelectual, dado pela acção Akasha.

Carlinhos Lima - Astrologo, Tarólogo, Pesquisador e Mago de Umbanda Astrologica.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores