Total de visualizações de página

Meus livros de Magia Astrológica no link

domingo, 18 de maio de 2014

Astrofísica: Asteroides causam explosões em escala nuclear na atmosfera terrestre

Entre os anos 2000 e 2013, 26 asteroides colidiram com a Terra

De acordo com a Fundação B612, a Terra é atingida por um asteroide grande o bastante para destruir uma cidade a cada 100 anos
De acordo com a Fundação B612, a Terra é atingida por um asteroide grande o bastante para destruir uma cidade a cada 100 anos (Thinkstock)
Impactos de asteroides na Terra são mais frequentes do que pensamos. Entre os anos 2000 e 2013, 26 deles causaram explosões em escala nuclear na atmosfera terrestre. Para efeito de comparação, alguns foram até mais fortes do que a bomba que atingiu a cidade japonesa de Hiroshima, em 1945, com energia equivalente a 16 mil toneladas de explosivos.

Na maior parte das vezes, esses impactos ocorrem em partes mais elevadas da atmosfera, não causando nenhum dano. E, quando chegam à superfície, muitos acabam caindo em oceanos ou regiões desabitadas e não são percebidos por nós. Um exemplo que fugiu a essa regra foi o meteorito que caiu na Rússia, em 2013.
A Fundação B612, que pesquisa esses fenômenos, criou um vídeo que ilustra esses impactos, com base em informações coletadas pela Comprehensive Nuclear-Test-Ban Treaty Organization (CTBTO), instituição que monitora explosões nucleares ao redor do mundo. A CTBTO conta com uma rede de sensores que buscam identificar explosões clandestinas de bombas caseiras, mas todas as 26 ocorrências captadas nos últimos anos estavam relacionadas aos asteroides. A energia desses impactos variou de 1 a 600 kilotons (medida que corresponde a 1.000 toneladas de explosivos).
De acordo com a B612, a Terra é atingida por um asteroide grande o bastante para destruir uma cidade a cada 100 anos. "É parecido com os terremotos. Em cidades que têm risco elevado, como Tóquio, Los Angeles e São Francisco, eles sabem as chances de um terremoto grande acontecer por meio da observação dos mais fracos, porque conhecem a distribuição desses fenômenos. Assim, se você consegue medir os pequenos, você sabe quantos grandes vão acontecer. É possível fazer o mesmo com asteroides", disse Ed Lu, CEO da Fundação B612, à rede britânica BBC.
Dos 26 eventos registrados, apenas um deles foi detectado com antecedência, e de apenas algumas horas. Com base nessa dificuldade, a fundação projetou o telescópio Sentinela para melhorar a observação dos asteroides e, assim, reduzir os riscos. Com o lançamento previsto para 2018, ele apresenta um custo de 250 milhões de dólares, que está sendo financiado por meio de doações. O telescópio orbitaria a Terra, ajudando a detectar também asteroides que não são vistos da Terra por estarem em oposição à luz do Sol.
Fonte/Veja.com
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores