Total de visualizações de página

A pombagira

Meus livros de Magia Astrológica no link

sábado, 4 de setembro de 2010

Inveja um sentimento perigoso!



Como o ser humano pode ter sentimentos tão pequenos, tão mesquinhos como a inveja? Na verdade o invejosos pode até ser considerado um doente da alma! Ele tem baixa estima, não cuida da propria vida e tem vontade de ter as coisas com facilidade. Não quer lutar pra conseguir o que precisa. E pior ele quer sempre mais do que precisa.

A origem latina da palavra inveja é “invidere” que significa “não ver”.
Entretanto, a inveja não é uma característica intrínseca do gênero humano ela é fruto do egoísmo, em uma sociedade concorrêncial.

E no seguimento dos invejosos está uma classe de infividuos que age muitas vezes de forma inconsciente, mas, nocivamente para com o proximo é o chamado sujeito de "olho gordo". Popularmente chamado tambem de "Seca Pimenteira". Muitas pessoas que tem essa energia ruim, que é repassada a quem tá em volta e sem proteção, pelo olhar, muitas vezes nem sabe o porque tem essa energia nociva. Quase sempre nem sabe que sua inveja é nociva.

Há uma diferença entre o invejoso comum e o cara do Olho Grande, é que o do olho grande é capaz de destruir as pessoas sem defesa psiquica e espiritual, mas, o invejoso nem sempre é nocivo, a menos que ele se torne escravo dessa inveja e passe a tramar contra seu proximo.

E entre tantos sentimentos egoístas, o que mais nos chama a atenção é a “Inveja” e o que ele pode causar… Eis um dos sentimentos mais torpes e difíceis de serem eliminados da alma humana. Trata-se de um dos vícios que mais causa sofrimento à humanidade. Onde houver apego à materialidade das coisas, notadamente em seu significado, naquilo que o objeto de desejo simboliza em termos de bem-estar e status quo, aí estará à inveja, sobrevoando os pensamentos mais íntimos, qual a um urubu ou abutre insaciável, esfomeado pela carniça. A cobiça é o seu moto-contínuo.

No entanto, quando esse tema é abordado as pessoas sempre vão se lembrar de alguem que conhece, de um vizinho, de um colega de alguma forma, ele sempre vai lembrar de algum episodeo. No entando o dificil é as vezes admitir que em algum momento nos tambem possamos ser vistos pelos outros como um invejoso! Apontar o dedo é sempre mais facil! Mas, o bom mesmo é nos policiarmos sempre, até porque a inveja é um sentimento que poderiamos definir como contagioso. Não é a toa que os Santos Mandamentos nos alerta: "não desejar a mulher do proximo". Pra ser mais completo, meditemos sobre o versiculo inteiro, revelado no Livro do Exôdo: "17 Não cobiçarás a casa do teu próximo; não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo."

Infelizmente em algum momento de nossas vidas, podemos ser vitima desse sentimento baixo e que prejudica a alma, especialmente quando estamos fracos. E por falar em fraqueza, quero lembrar-vos que os obsessores sempre usam as pessoas estimulando esse pecado infame nelas. Os Espíritos que perturbam a nossa relativa felicidade, erroneamente chamados de obsessores, a fim de nos ver nivelados ao seu estado de inferioridade moral, agem movidos pela inveja.

Na Umbanda são chamados de Eguns, Kiumbas ou Magos Negros. Os Eguns, quanto estão no seu estado mais sombrio e sem dominio das vibrações do Astral Superior, os Kiumbas, quando estão sob dominio dos Magos Negros e os Magos Negros, quando querem dominar alguem!

Quantos reis e rainhas não foram massacrados, mortos em circunstâncias misteriosas, efeito direto dessa viciação moral? A chamada “puxada de tapete”, que ocorre nas empresas, nos vários locais de trabalho, inclusive na família e onde quer que se reúnam pessoas, sempre acontece sob inspiração desse vício hediondo e asqueroso.

O coração com saúde é a vida da carne, mas a inveja é a podridão dos ossos.
Provérbios 14:30

Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica.
Tiago 3:15

E os patriarcas, movidos de inveja, venderam a José para o Egito; mas Deus era com ele.
Atos dos Apóstolos 7:9

Cruel é o furor e a impetuosa ira, mas quem parará perante a inveja?
Provérbios 27:4

Vendo, pois, Raquel que não dava filhos a Jacó, teve Raquel inveja de sua irmã e disse a Jacó: Dá-me filhos, senão morro.
Gênesis 30:1

Porque ele bem sabia que, por inveja, os principais dos sacerdotes o tinham entregado.
Marcos 15:10

Andemos honestamente, como de dia, não em glutonarias, nem em bebedeiras, nem em desonestidades, nem em dissoluções, nem em contendas e inveja.
Romanos 13:13

Também vi eu que todo trabalho e toda destreza em obras trazem ao homem a inveja do seu próximo. Também isso é vaidade e aflição de espírito.
Eclesiastes 4:4

Verdade é que também alguns pregam a Cristo por inveja e porfia, mas outros de boa mente; Filipenses 1:15

Mas, se tendes amarga inveja e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade.
Tiago 3:14

Porque, onde há inveja e espírito faccioso, aí há perturbação e toda obra perversa.
Tiago 3:16

Segundo alguns dicionários a inveja é: A acepção desta pequena palavra, contida no dicionário Aurélio, é deveras interessante. “Desgosto ou pesar pelo bem ou pela felicidade de outrem. Desejo violento de possuir o bem alheio.”

“O desejo por atributos, posses, status, habilidades de outra pessoa gerando um sentimento tão grande de egocentrismo que renegue as virtudes alheias, somente acentuando os defeitos”. Não é necessariamente associada a um objeto: sua característica mais típica é a comparação desfavorável do status de uma pessoa em relação à outra.

Os indivíduos, em contraposição, disputam poder, riquezas e status, aqueles que possuem tais atributos sofrem uma reação dos que não possuem que almejariam ter tais atributos, isso em psicologia é denominado formação reativa: que é um mecanismo de defesa dos mais “fracos” contra os mais “fortes”. E a inveja também pode ser definida como uma vontade frustrada de possuir os atributos ou qualidades de um outro ser, pois aquele que deseja tais virtudes é incapaz de alcançá-la, seja pela incompetência e limitação física, seja pela intelectual.

Ela surge graciosa e sedutora, quando sentimos uma sensação de perda, um vazio não preenchido pelo objeto de desejo, principalmente quando, numa formulação mental mesquinha e destrutiva, nos consideramos muito mais dignos do que aquele que possui o que não temos. Torna-se necessário, contudo, diferenciar a inveja, a cobiça, da busca do bem-estar. Não há nada de errado em trabalhar para se conquistar o conforto necessário à subsistência e às condições materiais imprescindíveis, visando o aprimoramento e a eficiência em determinada atividade, sem causar prejuízo ao próximo. Se alguém possui um objeto ou uma virtude que nos falta, desejá-los com humildade e sinceridade não é inveja.

O Espiritismo nos ensina que as pessoas que agem de modo desinteressado, com benevolência e ternura, de forma natural, sem afetações, sem hipocrisia, são como velhos guerreiros que no passado já autoconstruíram e conquistaram sua grandeza moral. Ter o desejo de se comportar como essas pessoas não é inveja. Se fosse, seria uma inveja deveras singular.

Entre os mitos, lendas e historias dos orixás, temos uma bem interessante que se refere a Obá, orixá que é sincronizado a Santa Joana D'Arc. A historia conta a disputa dessa orixá com Iansã pelo amor do Soberano Xângo, sendo capaz de cortar a propria orelha para tentar conquistar seu agrado. Essa atitude não deu muito certo e despertou foi nojo em Xango. Dizem que os filhos desse orixá tem uma tendência a cobiçar o amor dos outros e que por isso, tem maior dificuldade em casar, ou que acabam conseguindo uniões menos satisfatorias. Mas, isso na verdade só acontece naqueles que recebem o lado mais sombrio dessa vibração. E como sabemos depende muito dos cruzamentos vibratorios.

Vemos tambem a historia biblica de Caim e Abel que acabou em tragédia por causa da inveja de Caim. Este pensava como muitos hoje em dia, que simplesmente oferecendo ofertas a Deus que este ficaria grato e devedor, dando-lhe mais graças, atenção e riquezas, mas, vimos que não é bem assim. A oferenda precisa de amor, merecimento e aceitação.

Hoje em dia muitas pessoas de olho no marido, namorado ou bens das outras pessoas, enganam-se ao recorrer as encruzilhadas pra fazer macumba, achando que poderão destruir as pessoas num estalar dos dedos, ou que ficarão ricas só porque mexeram com magia negra! Um grande engano. Há tambem as que se dizem boas, que não mexem com a Esquerda, que só zelam orixás e que por isso, merecem e podem passar por cima das pessoas! São os falsos fiéis! Pensam tambem que porque ralam os joelhos o tempo todo na frente do altar, ou porque falam em Cristo diariamente e nos orixás que já estão salvos e abençoados. Deveriam saber que Deus escolhe pelo coração!

A virtude é um traço de caráter que é valorizado socialmente. Uma virtude moral é um traço que tem valor moral associado. A virtude tem origem na Grécia com a palavra Arete, que também pode ser traduzida como excelência. Foi traduzida para o latim como virtus, que é a sua raiz em português. Vale salientar que nas culturas orientais a noção de virtude surgiu há muito tempo atrás, com a capacidade de realizar ou oferecer vida.

Nossas maiores virtudes e saber desenvolver o amor e a partir deste evoluir, como tambem saber viver em harmonia com o proximo repartindo o que há de melhor em nós! De acordo com Aristóteles, as virtudes se aperfeiçoam com o hábito. Virtude, segundo Aristóteles, é uma disposição adquirida de fazer o bem. Segundo Joaquim Clotet, é a forma de agir que enobrece a pessoa, que a aperfeiçoa. O contrário é o vício, que degrada ou destrói a pessoa.

Voltaire, em uma carta a Frederico, o grande, em 1737, escreveu que:
“a virtude, o estudo e a alegria são três irmãos que não devem ser separados”. Emmanuel Kant dizia que as virtudes se aprendem no colo da mãe. Comte-Sponville acredita que as virtudes podem ser ensinadas principalmente através de modelos de identificação adequados.

Sócrates (470-399 a.C.) - O estudo da virtude se inicia com Sócrates, para quem a virtude é o fim da atividade humana e se identifica com o bem que convém à natureza humana. Na sua conceituação, comete dois erros: 1) confunde a ordem moral com a ordem do conhecimento; 2) exagerado otimismo.

Aristóteles (384-322 a.C.) - Ao conceito já esboçado como hábito, isto é, de qualidade ou disposição permanente do ânimo para o bem, Aristóteles acrescenta a análise de sua formação e de seus elementos. As virtudes não são hábitos do intelecto como queriam Sócrates e Platão, mas da vontade. Para Aristóteles não existem virtudes inatas, mas todas se adquirem pela repetição dos atos, que gera o costume, daí o conceito de virtude moral. Os atos, para gerarem as virtudes, não devem desviar-se nem por defeito, nem por excesso, pois a virtude consiste na justa medida, longe dos dois extremos.

Platão (429-347 a.C.) - Desenvolve a doutrina de Sócrates. Apresenta a virtude como meio para atingir a bem-aventurança. Descreve as 4 virtudes cardeais: a sabedoria, a fortaleza, a temperança e a justiça.

Cristianismo - A influência da Sagrada Escritura fez com que se acrescentasse às virtudes cardeais, as virtudes teologais. Santo Agostinho diz que “a virtude é uma boa qualidade da mente, por meio da qual vivemos retamente”. Santo Tomás de Aquino diz que “a virtude é um hábito do bem, ao contrário do hábito para o mal ou o vício”.

Também vi eu que todo trabalho e toda destreza em obras trazem ao homem a inveja do seu próximo. Também isso é vaidade e aflição de espírito.
Eclesiastes 4:4

E assim para despertar as virtudes que exisem em nós, nos livrando dos vicios e da inveja, devemos primeiro nos livrar da vaidade, do egoismo e do apego as coisas dese mundo. Busquemos a luz, a paz entre os irmãos e a humildade sempre!

Carlinhos Lima - Astrologo, Tarologo e Pesquisador.

Libere a sua alegria, mesmo que os outros te achem bobo!



Já percebeu que quando você está sozinho você faz caretas, dança, canta, lê, viaja (pensa), quantas vezes você se torna uma criança? Mas se de repente você percebe que está sendo observado, volta a se render ao seu ego - sério, patético, sóbrio, exatamente como as pessoas esperam que você seja… Que pena, não é mesmo? Porquê temos medo deles? E eles de nós? Todo mundo tem medo de todo mundo. Todos se escondendo atrás de alguma coisa falsa. Incrível!

Em Umbanda Astrologica identificamos duas vibrações que não admitem isso. Uma é a vibração de Yori que representa o principio, o inicio da criação e da criatura. Conhecido na crenças popular como Erês, Ibejis e sincronizado como Cosme e Damião. E ligada ou associada a alegria das crianças, pela inocência, infantilidade e pureza. Mas, essa vibração representa mais que isso. Na verdade depende muito da sua atuação. No homem age conforme seus cruzamentos vibratorios.

Na verdade ela é uma das linhas supremas, representa o a criação do plano mental, do aperfeiçoamento do cerebro humano e é o simbolo da vida em toda sua jovialidade. Assim favorece aos hormonios que são responsavel pela nossa recuperação, como tambem é a vibração responsavel por nos mantermos jovens! A outra vibração é a de Exu, que como sabemos é de Esquerda, mas, que age justamente em coisas que para os menos esclarecidos são obscuras e quase incompreensiveis.

Exu é responsavel pela sexualidade, pela busca insavel do conhecimento sobre os mecanismos da vida, da magia e dos misterios da morte. Exu é mais que um Deva, Egum ou espirito brincalhão, ele é ancestral é a parte inconsciente das coisas vivas, o segredo e a sombra da existência. Exu é mais do que o simbolo do incompreensivel ele é a propria matéria escura do universo a qual não sabemos nada.

Exu reflete nas pessoas a vontade de viver a alegria sem amarras o que acaba sendo visto como incoerência, vulgaridade, desobediência e falta de ordem. Mas, oque Exu e Pombagira que despertar nos filhos de fé que sabem que tem que desenovlver controle sobre a parte incompreensivel de sua natureza é que temos que vencer os medos interiores e não fugir deles!

Exu quer dança, alegria, vivenciar o tesão que há em nosso corpo. Mas, o problema é que muitos confundem essa busca pela vivência de um estado de alegria, com a quebra dos limites da moral, da ética e do bem estar. Assim muitos atribuem as drogas, os vicios e os crimes a influencia de Exu. Mas, ele nãda tem haver com as loucuras do homem. Ele quer ao contrario de erros despertar o autocntrole e por isso testa o homem.

Bem, mas se por um acaso você em determinado momento deixar que sua felicidade se manifeste, através de uma dança, de um grito, de um amor, de uma atitude “não comum”… pronto! Você passa a ficar fora da sintonia com a multidão, ou passa a ser um maluco, pelo menos aos olhos das pessoas que estão te assistindo…

As pessoas que conseguem se destacar, permitiram que o seu “eu” se manifestasse sem ter vergonha ou medo. Elas expressaram as suas maluquices, porque, mesmo que por alguns instantes, deixaram de ser miseráveis, não estavam ansiosas, sem medos, não se preocuparam com as trivialidades… Estavam simplesmente vivendo cada momento com totalidade e intensidade… Cheias de amor, fragrância, vida e riso. Isso acontece quando a Vibração de Exu, vibra harmonicamente com a vibração de Yori. Ou seja, quando a alegria inocente de nossas almas, se manifesta somente para nosso bem, mas, sem prejudicar os outros. Quando acontece ao contrario, ai as vibraçõs vibram no seu lado mais negativo e só trará vergonha ou desgraças.

Muitas pessoas que estão ao seu redor não aceitarão a idéia de que você alcançou alguma coisa, que na verdade elas perderam. E para que elas tirem a sua alegria, serão capazes das coisas mais horríveis, de modo que você possa voltar ao rebanho. Ai o lado sombrio das vibrações astrais se manifestam nas pessoas como inveja, ódio e brutalidade. Por isso muitas pessoas que fazem sucesso sofrem o tempo todo com opositores, mentiras e ataques. Mas, não são exus e sim magos negros ou espiritos imundos que atiçam o lado mau das pessoas.

Então diga a essas pessoas que loucura com alegria, com felicidade, com dança, com amor; diga que eles têm escolhido a sanidade com miséria, angústia, tristeza, falsidade e hipocrisia - Simplesmente nossas escolhas são diferentes - Não se sintam ofendidos, pois eu não me sinto ofendido com vocês…

Todas as pessoas no mundo querem ser verdadeiras, pois só por serem verdadeiras, isso já lhes traz muita alegria e uma abundância de felicidade. Por que alguém deveria ser falso? Você precisa ter coragem para chegar a um insight um pouco mais profundo: Por que você tem medo? As pessoas podem rir de você; isso fará bem para elas – rir é sempre medicinal, é saudável. As pessoas podem pensar que você é louco… Você não vai ficar louco só porque elas pensam que você está louco.

A sua maior responsabilidade é com você mesmo, com o seu coração e não com as pessoas no mundo. Perceba que as pessoas estão muito mais preocupadas com problemas delas, com o mundo delas. E se você é autêntico quanto à sua alegria, suas lágrimas, sua dança, o seu amor…– mais cedo ou mais tarde aparecerão pessoas que compreenderão você, que poderão começar a se juntar à sua caravana. Faça apenas aquilo que sente que estava vindo de seu coração.

Nem mesmo a morte poderá lhe tirar a dança, as suas lágrimas de alegria, a sua pureza, o seu silêncio, a sua serenidade, o seu amor, o seu êxtase. Aquilo que a morte não pode tirar de você é o único tesouro verdadeiro; e aquilo que pode ser tirado pelas outras pessoas não é um tesouro, é apenas tolice.

Para mim, um buscador da verdade deveria começar por abandonar tudo o que é falso nele, porque o falso não pode buscar a verdade. O falso é a barreira entre você e a verdade. Se tudo o que é falso for abandonado, você não precisa buscar a verdade – a verdade virá até você. Na verdade, quando eu digo, ‘A verdade virá até você’, isto são apenas palavras. Quando tudo o que é falso é abandonado, você é a verdade.

Quando um falso mestre passa algo que ele sente que é falso e tenta enfiar goela a baixo das pessoas mesmo sem acreditar no que está pregando, ele apenas está plantando algo de ruim que algum dia no futuro ele irá colher muito maior do que soltou como verdade! Mentira é filha do Diabo. Não é só porque usamos a Biblia que as mentiras do coração vão se tornar boas. Não devemos mentir pra arrebanhar seguidores, devemos soltar verdades mesmo que isso nos deixe sozinhos! Pois como disse o sábio "na minha solidão perambulando o caminho da verdade que esse mundo tenta tanto ignorar, me sinto mais livre para correr atráz da sabedoria"!

Carlinhos Lima - Astrologo, Tarologo e Pesquisador.

Busquemos o verdadeiro amor de Deus e não o que ensinam os Falsos Profetas!



Cada indivíduo deve purificar-se de suas próprias criações mediante o AMOR a seus semelhantes, por isso ninguém pode se salvar sozinho, pois, para salvar-se, tem de salvar aos demais com ele. Inúteis são igrejas, templos, orações e religiões sem a Lei do “amai-vos uns aos outros”.

Muitos são os falsos mestres e profetas que chegam do alto de suas tamancas para nos tratar como se fôssemos seus poodles que fizeram xixi no tapete. Passam a mão em nossa cabeça e dizem: “Não façam mais isso que é feio; seja um bom cachorrinho, obediente e brincalhão. Agora vá brincar na área de serviço”. E muita gente gosta desse estilo de mestre! Não tenha duvidas disso, provas temos aos montes, pois, tá cheio de seitas da moda, onde todo dia são abertos novos templos. Tem ruas em São Paulo que tem muitas dessas novas seitas, as vezes uma na frente da outra. Porque o cara que forma essas religiões ele não quer vivenciar ou pregar o Evangelho com a essência original deixada pelos autores, mas, pregar sua ideologia, colocando em prática suas metologias particulares pra arrebanhar seguidores. Se ele quizesse seguir a Biblia bastava ele frequentar o templo já existente na sua comunidade. Mas, ele não acha vez lá pra ser líder, pra ganhar bem e viver na vida boa! Então fundar sua propria religião será mais lucrativo!

E ai muita gente começa a seguir aquele pregador de voz rouca que se diz "portador dos bons costumes e escolhido de Cristo", como se apenas indo aos sabados no templo e pagando dizimos, podesse compensar seus pecados. Muitas madames que já pintaram e bordaram em toda sua vida, hoje se dizem arrependidas, mas, não deixam de praticar nada, só que pertencendo a um seguimento de um líder "snto" que põe a mão em sua cabeça, perdoa seus pecados. Assim elas tem mais "crédito" pra continuar pecando, se apegando ao meterialismo, pois, seus pecados agora estão renovados. Isso acontece tambem nas religiões espiritualistas, onde o camarada pensa que apenas fazendo uma oferenda ou tomando um passe, que os espiritos e entidades é que passam a obedecê-lo e dever a eles! Assim muita gente pensa, que pelo fato do Padre Fulano, do Pastor cicrano ou do Pai de Santo tal, lhe abençoar que ele estará numa nova fase de graças plenas. Isso é ótimo para quem não quer ter responsabilidade, sempre tendo alguém que pense por ele para dizer “faça isso” ou “não faça isso”; afinal, ele é uma entidade suprema (ou vibra na mesma freqüência) porque assina “EU SOU”.

“Em verdade vos digo que qualquer que disser a este monte: ergue-te e lança-te no mar; e não duvidar em seu coração, mas crer que se fará aquilo que diz, assim lhe será feito.” (Marcos 11:23)]

Sim, somos Deuses, mas será que ESTAMOS Deuses? O que fazemos para mudar nosso interior, além de balbuciar palavras que não estão em nosso coração? Vemos pessoas falando de espiritualidade, sobre a vida dos Avataras que visitaram nosso planeta e nos deixaram um legado muito rico sobre o AMOR INCONDICIONAL; falando e falando… Mas, será que vivenciam tudo o que falam? Ou apenas nos dizem o que seria o ideal justo e perfeito, enquanto em suas próprias vidas suas palavras não lhes servem?…

De fato, abrir a boca para dizer que não vai conseguir alguma coisa, mesmo que seja por falsa humildade, já está influindo com suas vibrações na “teia da realidade”. No entanto, podemos conseguir melhorar de vida, vencer inimigos e se dá bem no amor. Mas, se tudo isso não é alcançado por merecimento tudo será tirado de nós no futuro. Muita gente que segue essas seitas da moda, alegam logo que "a vida mudou", mais dinheiro, estão libertos das drogas e a familia vive em paz! E acontece realmente, mas, não por causa da seita, mas, porque o individuo mudou seu comportamento e passou a usar seu poder interior. Nada mais que isso!

Lembrem-se de que, “No princípio era o Logos (Verbo), e o Logos (Verbo) estava com Deus, e o Logos (Verbo) era Deus”, e que “o Logos (Verbo) se fez carne”. O som é vibração, e a vibração atua em todos os níveis, visíveis e invisíveis. Então devemos ver essas seitas que ajudam o homem a promover mudanças importantes em si mesmo? Claro que não, pois elas estão se apoderando não só da palavra pra enriquecerem, como mentem descaradamente sobre suas reais intenções e mentira é coisa do Diabo!

Era isso que o Mestre criticava nos sacerdotes e fariseus:
“Ou fazei a árvore boa, e o seu fruto bom; ou fazei a árvore má, e o seu fruto mau; para que do fruto se conheça a árvore. Raça de víboras! Como podeis vós falar coisas boas, sendo maus? Pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca. O homem bom, do seu bom tesouro tira coisas boas, e o homem mau do mau tesouro tira coisas más. Digo-vos, pois, que de toda palavra inútil que os homens disserem, hão de dar conta no dia do julgamento.” (Mateus 12:33-36)

Muitos imbecis, usam mudanças importantes feitas pelo proprio individuo para arrancar-lhe dinheiro, alegando que por elas estarem prosperando precisam pagar o Dizimo! Em primeiro lugar o que temos que pagar a Deus é nossas atitudes que devem ser boas e cheias de amor; em segundo lugar se fosse mesmo pra pagar, não seria a esses espertalhões, pois eles são pessoas comuns como nós e não são donos da Biblia, dos ensinamentos, nem tem procuração do Criador pra se favorecer do amor de Deus; além do mais, Deus não precisa de dinheiro, não cobra por sua vontade em derramar graças sobre nós, pois se fosse cobrar pela Natureza, pelo Sol, pela Chuva e tudo que nos dá condições de vida, nunca teriamos condições de pagar com nossa pequena existencia isignificante! E o Dizimo que a Biblia faz referencia, é bem claro que é para o Templo do Senhor por ter libertado o povo da escravidão. Somente para aquele templo que foi construido pelos saberes esotericos do Astral Superior e não para um sujeito que aluga uma garagem começa a gritar como louco e a estorquir as pessoas!

A chama do amor Divino acelera as vibrações nos três corpos a um grau tal que, no indivíduo, nenhuma imperfeição densa ou baixa pode subsistir. Só o amor Divino aos demais pode operar esse prodígio. Cada indivíduo deve purificar-se de suas próprias criações mediante o AMOR a seus semelhantes, por isso ninguém pode se salvar sozinho, pois, para salvar-se, tem de salvar aos demais com ele. Inúteis são igrejas, templos, orações e religiões sem a Lei do “amai-vos uns aos outros”.

Cada vez que o homem diz “EU SOU”, está invocando a ação de Deus em si e em sua vida, pondo em movimento a substância única da qual Deus formou o céu e a terra: “Que a Luz seja feita” - e o fluido e a vibração se puseram em movimento. Dizer EU SOU é trabalhar sobre essa Luz e, por seu meio, sobre toda a natureza que seja submissa às modificações pela inteligência.

Todo homem arrasta um saldo de erros através de sua larga existência no mundo. Com pensamentos e evocações discordantes, ele criou, na atmosfera que o rodeia, formas nocivas, horríveis e desagradáveis, que atuam segundo suas índoles de vibrações; por outro lado, quando alguém diz com pureza - EU SOU - projeta uma espécie de fogo na cor violeta, que consome e dissolve toda criação discordante de sua aura.

O ser humano tem dois “Eus“, ou está composto de duas entidades:
O Eu corporal, carnal, que tem sua própria mente, e o EU SOU. Todos nós somos capazes de buscar nossa elevação sem precisa se dobrar aos mercenários. A imagem do mestre do líder é importante, apenas como fonte de auxilio na busca do conhecimento mas, não como fonte de adoração, pois, como está escrito: "só adorarás ao Senhor teu Deus".

EU SOU é a própria vida ativa, e quando alguém diz “EU SOU” faz vibrar todo o poder da Vida e abre a porta a seu eflúvio e fluxo naturais, porque “EU SOU” é a plena atividade de Deus, e por tal motivo nunca, jamais se deve consentir que seu pensamento venha a colocar uma negatividade a EU SOU, ou venha a entorpecer a atividade DESSA VIDA como quando diz: “eu não posso”, “já estou perdido”, “não sou feliz”, etc., porque com essas afirmações inutiliza a energia de Deus que está em si mesmo e em seu mundo.

DEUS é VIDA e a VIDA é AMOR, Paz, Harmonia e Bem-Estar. A essa fonte de vida abundante no Cosmos, através do amor divino, não lhe interessa quem a use; é como o Sol que ilumina o bom e o mau, o lobo e o cordeiro. Todo mundo é capaz de se libertar e de evoluir, basta aceitar o poder e chama divina do seu Eu imortal que o bom Criador moldou para que fizesse essa longa caminhada em busca da iluminação com pureza total!

Não se dobre aos Falsos Profetas!

Carlinhos Lima - Astrologo, Tarologo e Pesquisador

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Grandes Mestres deixaram ensinamentos que hoje ignoramos!



Na busca do homem cada vez mais cega, limitando-se em se acostumar e se apegar a metéria, com a humanidade se tornando cada vez mais individualizador e separatista, os problemas éticos, religiosos, econômicos e políticos aparecem e são vistos como praticamente inseparáveis e todos eles definitivamente relacionados ao problema básico, que é a evolução do homem. Essa reconhecida unidade de pensamento bem como os interesses da comunidade são o prelúdio para a Irmandade Universal do homem, o que representa o estado ideal e o sonho de qualquer verdadeiro filantropo através dos tempos. Ou seja, por causa de todos os problemas e a vontade de superá-los o homem acaba se apegando ou buscando uma força maior, estudando meios e se aplicando mais na obtenção de conhecimento.

Assim o auxilio necessario e dadivoso, dos anjos, dos orixás e dos Ancestres são importantissimos, somente ignorados, por egocêntricos orgulhosos e cego espiritual. Tomo a liberdade de pedir aos nossos Irmãos que voltemos a empreender, levando ao mundo um pouco mais de LUZ. Isso em nome de noss protetores queridos.

J. D. Buck, Saint-Ives d’Alveydre, Eliphas Levi e Oswald Wirth, que são, na verdade, os maiores idealizadores e motivadores desse meu sonho meu e de todo aquele que quer se conectar a verdade superior. Quero também dizer a eles, onde quer que estejam, que seus trabalhos não foram e não serão facilmente esquecidos, pois tomo a liberdade de ingressar, mergulhar com eles, manter o mesmo prisma, trazer à tona suas obras.

Há outros autores que quero homenagear e ao mesmo tempo agradecer: Albert Pike, que não canso de citar durante todo o livro; Édouard Schuré; Fabre d’Olivet; J.M. Ragon; Helena Petrovna Blavatsky (Madame Blavatsky ou H.P.B.); A. Leterre; C. W. Leadbeater, além dos mais recentes e extraordinários escritores, historiadores e arqueólogos: Laurence Gardner; John J. Robinson; Christopher Knight; Robert Lomas; Martin Lunn; David Stevenson; Andrew Sinclair; Alfredo Lissoni; Richard Leigh e Michael Baigent. Pessoas que se aplicaram a busca do saber e do contato com o mundo do Sagrado.

Eliphas Levi Zahed,cujas obras à época eram publicadas apenas em francês e cujo conteúdo apresenta, sem dúvida, o saber mais profundo acerca das Ciências Ocultas e dos Mistérios da Antiguidade, revelados ao mundo desde os dias dos Antigos Iniciados. Sempre soube da importancia da mediunidade, dos dons, da busca pela outorga dos mentores espirituais e da importancia em se observar com rigo a forma correta de toda ritualistica.

Prezados irmãos de fé, na sua busca tenham a tolerância e que por meio de sua inteligência busquem o saber e posssam discernir, a partir de critérios de eqüidade e moderação, a seqüência lógica de seu todo como reveladora da profunda filosofia da Natureza e da Vida, bem como a influência benéfica que tais ensinamentos seguramente irão exercer, se universalmente difundidos e adotados entre os homens, em seu dia-a-dia.

Precisamos observar a Natureza e aprender com ela, a exemplo da água, que nasce no útero da terra, cresce, enfrenta seus obstáculos, desenvolve-se, cumpre sua missão e volta ao centro da terra. E novamente nasce…

O homem se conecta com maior facilidade com a natureza, quando usa com total harmonia todos os cinco sentidos, mais o sexto. Os cinco sentidos conhecidos por nós, são paladar, olfato, tato, audição e visão. Estes direcionados ao nosso sexto sentido que é o canal por onde a mediunidade nos conecta ao sagrado.

Temos consciencia no meio esterico que a mulher tem maior favorecimento para utilizar esse sentido, que chamamos de intuição, sensitividade e muitas outras formas de manifestação dos dons mediunicos. Mas, assim como existiu grandes sacerdotizas ao longo da historia, tambem tiveram grandes magos. Na verdade o iniciado, escolhido e iluminado, seja de qual sexo for, terá poder, visão e capacidade de se conectar bem ao sagrado. Mesmo que ele não esteja pleno de que sexualidade atuante age em sua alma. Ou seja, gays, lesbicas, transexuais etc. Não importa o estado fisico, o que importa é a capacidade de sua alma em sentir as emanações do Cosmo!

Para equilibrar algum desconforto, desequilibrio ou falta de estabilidade causado pela sexualidade, para quem não se sente pleno e seguro, a grande ajuda, vem dos Senhores dos caminhos, que na Umbanda é conhecidamente gerida pelos Exus.

Carlinhos Lima - Astrologo

Não ignore o Sagrado que há dentro de você!



"Quando os povos não tinham ainda sacerdotes, eles eram guiados pela lei natural e conservavam a pureza de alma. Suas almas encontravam-se na presença de Deus e, para entrar em comunhão com Ele, não tinham necessidade de intermediação de um ídolo ou de um animal, nem do fogo, como ocorre com vocês, que afirmam que o sol deve ser adorado, assim como os espíritos do bem e do mal. Ele depende, única e exclusivamente, da vontade do Criador Invisível, a quem deve sua existência e que lhe deu a missão de iluminar a terra e aquecer o trabalho e a semente do homem." - Frases do "Evangelho de Issa"

Esse poder de sentir a Mãe Natureza foi desenvovido no homem de forma bem natural. Um profeta já manifesta seus poderes mediunicos desde o ventre da mãe. Mesmo sem poder falar ele dá chutes, ou chora, quando não se sente bem num ambiente e quanto presente algum mal para ele e sua mãe.

Homem não passou a ser medium apenas quando começou a pensar, na verdade a magia nasceu junto com o pensamento humano. O pensamento magico foi o primeiro pensamento do homem. O homem no principio se sentia uno com a natureza e só foi se distanciando dela, na medida que ficava cada vez mais materialista, egocentrico e pecador.

O contato com o meio ambiente, dava ao homem uma sensibilidade muito grande pra sentir a Mãe Natureza. Os guardiões, os seres de luz e os criadores de vida, orientavam e guardavam todas as forams de vida. Os orixás passaram a agir apenas quando comeram a agir as vibrações de ancestralidade. Ou seja a partir do momento que o homem morreu pela primeira vez.

Foi o homem quem criou as seitas, religiões, os países, os Estados, os Governos. Tudo para separar os indivíduos, segregando-os em regiões, nações, cultos e seitas e para atirá-los uns contra os outros, na fúria da destruição recíproca, na ânsia da escravização, no apetite do predomínio.

Dentro da classe política, não só hoje, mas, desde o principo, tentam-se uma organização e uma cooperação em escala jamais vistas na história humana. Problemas econômicos estão sendo experimentados em uma medida que se torna impossível evitar sua somatória, de modo muito significativo, à experiência associada da Humanidade. Que conseqüências podem daí advir, somente os mais sábios poderiam agora opinar e, talvez, apenas os tolos se arriscariam a predizer. Essas consequencias que vivemos hoje é ação do carma por causa de ações no passado.

Todavia, a natureza humana é um produto essencialmente estável, em que se pode depositar confiança sob qualquer circunstância. No âmago do coração do homem, mora o princípio da justiça e da eqüidade, e nenhum abuso arquitetado pelo egoísmo ou pela ganância teria vida longa. É possível que ainda estejamos longe do Reino Universal da Irmandade, porém há algo na recôndita essência do coração humano que se esforça no afã de alcançar a meta.

Fora das igrejas e da literatura religiosa, pouco se comenta a respeito de religião, hoje em dia. Na verdade, aliás, pessoas “excelentes” parecem achar a religião (espiritualidade) obsoleta; algo do passado, uma sobrevida – quando, na verdade, admite-se de qualquer modo a sua sobrevivência – das eras de trevas. Possivelmente, nenhum erro mais grave poderia ter sido cometido. Os problemas aparentes podem ter mudado; as organizações podem ter se fragmentado ou desaparecido, mas os temas de discussão vitais não apenas permanecem como jamais estiveram em tamanha evidência como hoje. Nem poderia ser diferente, já que a natureza humana permanece imutável.

Somente os tolos ou degenerados podem, se o fizerem tentar ignorar o elemento religioso (espiritualidade) inerente à sua própria natureza. Tão inevitável quanto a água em busca de seu nível para finalmente encontrar o caminho rumo ao mar, exatamente assim sente-se o homem em busca desse poder – dê-lhe o nome que quiser –, cujo raio divino o torna Homem e cuja presença intrínseca o eleva em momentos extraordinários, acima do sórdido “eu”, para o chamado da alma, no sentido do mais elevado, do imenso, do melhor, como em um toque de asas.

Essa é uma experiência universal, igualmente vivenciada pelo selvagem ou pelo civilizado, e totalmente independente de teologias ou filosofias eclesiásticas. Teólogos, em todas as eras, têm se apossado dessa experiência humana comum e a têm formulado, com o propósito de direcioná-la, chegando freqüentemente a explorá-la, segundo a conveniência de seus credos, exatamente como os capitalistas manipulam os problemas econômicos relativos aos recursos da natureza e à distribuição da riqueza.

Todo problema na vida humana e todo movimento que afeta a sociedade são, em última análise, questões psíquicas. Ambos dizem respeito ao corpo e têm incidência no meio ambiente, essencialmente na alma do indivíduo.

Em termos gerais, esse é o problema psíquico que constitui o elemento religioso inerente à vida humana. Nunca foi tão evidente como o é hoje. Essa é a realidade que, em nossos dias, caminha pari passu com o mercantilismo. E, se por um lado, como já mencionamos, talvez faça menos alarde, por outro é algo evidente em toda parte. O progresso obtido pela ciência materialista, em meados do último século, é tão extraordinário que se torna difícil encontrar um adjetivo apropriado para nomeá-lo. Logo, os problemas econômicos devem ser necessariamente revistos.

A grande maioria das pessoas, mesmo entre as mais cultas e esclarecidas, irá apressar-se em negar ter o homem, algum dia, conhecido tal teorema psíquico. Para essas pessoas, a hipótese desse teorema ter sido descoberto em algum momento e, então, ter se perdido ou tornado hermético, é absurda; ainda assim, o conjunto das tradições e o Simbolismo da Maçonaria giram em torno desse teorema, essa hipótese funcional na vida psíquica do homem. Trata-se de algo fundamental para criar uma ordem na confusão dos problemas psíquicos, que afetam muitos hoje em dia.

O contato abençoado e iluminado do homem com o sagrado é além de uma porta para a elevação humana uma dadiva do Criador, para que o ser humano se liberte. É o estabelecimento do entendimento na alma humana, entre aquele seu “Eu” mais elevado e o “Mais”, e além do “Eu”, a partir do qual ele fundamenta sua vida e de onde nascem suas intuições, seus insights. Esta é a real iniciação: tornar-se uno em sua mente.

O mago um protótipo na Antiguidade, uma Escola de Mistérios; sendo o real Mistério, a origem e a natureza da alma humana, o destino transcendente e imortal do Homem. Os que já atingiram os mais altos graus do conhecimento sabem a que estou me referindo.

As profundas e rígidas amarras que até aqui haviam segregado a Humanidade estão desaparecendo rapidamente. Credos e dogmas perderam seu valor, uma vez que o Estado não mais os protege, além do que se esvaiu o medo dos anátemas eclesiásticos. Homens e mulheres de todas as classes estão se familiarizando cada vez mais com a finalidade manifestada da compreensão, de maneira que podem ajudar-se mutuamente. Reconhece-se cada vez mais que o bem do indivíduo é o bem-estar de todos. O “pecado da separação” vaisendo, por conseguinte, lentamente solapado. E assim com a ilusão de uma tal "liberdade" pregada pela Nova Era de Aquario, o homem se diz livre de conceitos e preconceitos, mas, na verdade ele fica preso aos pecados, a destruição dos conhecimentos sagrados e do planeta, como tambem se torna à cada dia mais sem defesa contra os ataques do Ante-Cristo que se aproxima.

Os mestres da Corrente Iluminada da Umbanda Sagrada, tentam nos alertar, nos intuir da busca que devemos ter como vigilia, mas, a cegueira moral e a força matadora da alma que é o materialismo não deixa a maioria perceber.

No meio religioso, pessoas só buscam o sagrado ou por vaidade e modismo, ou quando tem problemas. Profissionais bem sucedidas que ganham bem, mas, que tã insatisfeitas no amor, pensam que pagando uma oferenda na encruzilhada que compram os serviçoes de uma entidade e que assim não precisam se sujeitar a frequentar os caminhos de busca do Sagrado, mas, isso é um mero engano! Enfim, busquemos sentir e identificar o nosso chamado interior e mensagem superior.

O espírito da inquietude está no ar. Atualmente, na face aparente das coisas, o mercantilismo fala mais alto, na maioria das vezes. Grandes associações entre o capital e a massificação de milhões parecem ser a “Ordem do Dia”.


Carlinhos Lima - Astrologo, Tarologo e Pesquisador.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

A Pomabgira na Suméria



Inanna era a deusa (dingir) do amor, do erotismo, da fecundidade e da fertilidade, entre os antigos sumérios, sendo associada ao planeta Vênus. Era especialmente cultuada em Ur, mas era alvo de culto em todas as cidades sumerianas.

Assim como Lilith que é vulgarmente tratada como um demônio da noite, a Pombagria tambem é descrita dessa forma, aliás, muito assemelhada ou identificada tambem com Lilith. A Lilith é também referida na Cabala como a primeira mulher do bíblico Adão. E a Pombagira a maulher de Exu, um dos primeiros orixás, senhor dos caminhos e mensageiro dos Senhores do Astral Superior. Sendo tambem senhores do portal entre consciencia e subconsciencia. De Lilith pensa-se que o Relevo Burney, um relevo sumeriano, a represente. Muitos acreditam que há uma relação entre Lilith e Inanna, deusa sumeriana da guerra e do prazer sexual. E porque não a identificarmos tambem com Pombagira? Pra muitos Pombagira é só um egum, um ser desencarnado, mas, ela é mais que isso, é tambem um ser ancestral, e é responsavel pela sexualidade.

Surge em praticamente todos os mitos, sobretudo pelo seu caráter de deusa do amor (embora seja sempre referida como a virgem Inanna); por exemplo, como se a deusa tivesse se apaixonado pelo jovem Dumuzi, tendo este morrido, a deusa desceu aos infernos para resgatá-lo dos mortos, para que este pudesse dar vida à humanidade, agora transformado em deus da agricultura e da vegetação.

Carlinhos Lima
Mago de Umbanda Astrologica, Astrologo, Tarologo e Pesquisador.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores