Total de visualizações de página

A pombagira

sábado, 20 de novembro de 2010

As Linhas em ação o tempo todo



Então, Linhas de Força são as sutis correntes de energia que inter-penetram todo spaço cósmico... São, dentro do sentido mais claro, mais simples, as forças elementais da natureza que tudo constroem, tudo formam, desde o mais insignificante grão-de-areia ao maior planeta, à maior estrela sideral... até as vias lácteas, as galáxias, são formadas, construídas, por efeito direto e próprio dessas ditas linhas de força que na Escola Oriental tomam denominações de TATWAS.


Essas linhas de força ou tatwas, tão sutis, tão importantes, tão vitais, além de provocarem e construírem os planetas ou corpos celestes, ainda dão formação à aura eletromagnética dos próprios planetas... SETE são as Linhas de Força ou (tatwas) ou Correntes Energéticas da Natureza, sendo CINCO inferiores e de pura energia astral e DUAS superiores e de pura energia mental. Cada uma tem a sua tônica particular, porém se interpenetram. Cada uma dessas cinco inferiores domina de 24 em 24 minutos, até fazer um ciclo rítmico de 2 horas, quando passam, ora para a influência SOLAR, ora para influência LUNAR e assim, sucessiva e indefinidamente. Quanto às duas superiores ou de pura energia mental, comandam as cinco inferiores, dentro dos 24 minutos de cada uma dessas, se revezando de 12 em 12 minutos...

E surgiu a Umbanda pra trazer boas revelações!

E a Umbanda que tem como vértice de sua razão de ser, desde as eras primitivas, ou mais particularmente, desde a segunda raça-raiz, os Lemurianos, numa Era de Escorpião – o signo da magia, a exteriorização periódica ou por ciclos, destes fatos, ressurgiu na atualidade, como o fizera no passado entre os Atlantes, os Maias, os Quíchuas, os Tupy-guarani e os Tupy-nambá da época pré-cabraliana e ainda bem como há milênios, quando o antigo apogeu da raça africana, que conservou dentro da tradição oral até nossos dias, farrapos desta Lei ou desta Doutrina – revelação do próprio verbo – primitiva síntese relígio- científica, cujas derivações podem ser identificadas nos diferentes sistemas religiosos (pelo aspecto esotérico) de todas as raças.

Pais Velhos e Yorimá



E antes de ser um preto velho no sentido pejorativo de escravo, essas entidades formam a corrente espiritual do Orixá Yorimá, e são seres altamente evoluídos na hierarquia espiritual, possuindo o poder da luz potencializada; E se pensarmos que a matéria é luz gravitacionalmente capturada porque do domínio telúrico ( elemento coesivo ­ terra ) dessas poderosas entidades. Em um contexto mais amplo, Yorimá ainda esta associado ao chacra para quem não está habituado com a idéia de chacras, eles são os centros de força cujos assentamentos vibratórios se dão principalmente, nos sete plexos nervosos o coronal, ou seja, da base da coluna até ao alto da cabeça.

Saiba mais: O que sinifica tais termos

Babalorixá – espécie de sacerdote do culto nagô. Interpretação dada: “pai-de-santo” – o “chefe-do-candomblé”. Babá – diminutivo do termo Babalorixá, que tanto pode designar o homem como a mulher, sacerdote ou sacerdotisa. Interpretação: “pai ou mãe-de-santo”. Babalaôou Babalawô – espécie de adivinho ou sacerdote do culto de Ifá. Ialorixá – espécie de sacerdotisa. Interpretação dada: “mãe-de-santo” – a “dona-do-candomblé”. Iaôou Yawô– espécie de inicianda. Interpretação dada: “filha-de-santo”. Ogan – espécie de protetor do candomblé, que fornecia os meios financeiros para as festas etc. Era escolhido pelo Babá e confirmado pelo “orixá”.

Ogan de atabaque– a pessoa que conhecia os segredos dos toques para os Orixás. Cambondo – dito como cambono, espécie de tocador de atabaque nos candomblés de angola (depois, em conseqüência das deturpações, passou a ser qualificado, nos “terreiros”, como auxiliar dos protetores, isto é, aqueles que se ocupam de servir às pessoas mediunizadas).

Ilu – atabaque de um modo geral. Matança – sacrifício de animais para os Orixás e para Exu também. Peji – o altar ou o santuário dos candomblés, dito, também, como “Congá”. E ainda, para a necessária diferenciação: Padrinho – diz-se, também, como “pai-de-santo”, no “candomblé de Caboclo”. Como padrinho ou compadres também tratam aos Exus, quando no “reino”. Tataou Tata de Inkice – interpreta-se também como “pai-de-santo” (Congo e Angola). Encantado – interpreta-se também como Orixá, no “candomblé de Caboclo” e no “catimbó” como os espíritos “protetores”, chamados de “mestres” etc.

Magia: Firmeza de Tronqueira



Na Umbanda o maior desafio dos adeptos, estudiosos e mestres é a parte da ritualistica! Ao mesmo tempo magias que parecem coisas sobrenaturais são simples, não precisam de muita mecância nem de pirotecnia! As vezes a magia mais poderosa está nos elementos mais simples, e que alguns espertalhões querem complicar pra lucrar com grande enrolação.

No entanto, coisas que parecem ser banais, sem sentido ou acessivel a qualquer um não é bem assim! Há que se respeitar as ordens, os alinhamentos, o tempo, as hierarquias, e tem certas coisas que só quem possui "mão de magia" poderá desenvolver. É por isso que muitos tentam e não conseguem. Hoje em dia, assim como abrir uma igreja da moda, tambem se abrem terreiros e centros de culto a torto e a direito, mas, a magia não funciona como se fosse brincadeira. Os orixás não são fantoches! Acima de tudo tem que se respeitar o cosmos, os alinhamentos astrais, as fases da lua, as fases do ano, o dia da semana, os elementos e os orixás certos.

Uma coisa que causa sempre interrogações nas pessoas é sobre firmezas, assentamentos e magia nas casas ou terreiros. Um questionamento sempre lançado aos mestres é se podem serem feitas firmezas por um casal num mesmo local!

Pode compartilhar o mesmo loca sim, pois por exemplo a pessoa ao firmar suas forças da esquerda por exemplo, acendendo trêz velas em triângulo com a branca em cima, a vermelha na direita e a preta na esquerda, dentro desse espaço coloca-se um copo de pinga e outro de champagne e tês cigarros, tudo dentro do triangulo. Ao fazer isso delimita-se o espaço e o campo de força que vai se abrir, pois o próprio triângulo de velas é o delimitador.

Então a companheira ou companheiro da pessoa pode fazer o mesmo um palmo ao seu lado que não ira haver a interferência, Falamos isso embasados por exemplos nos trabalhos no centro de Umbanda quando um guia do lado do outro risca seus pontos e eles estão delimitados pelo circulo de pemba ou pelo circulo de velas, de aguas, de folhas etc. Então resumindo pode firmar seu guradião no mesmo lugar sim desde que tenha um delimitador seja ela um triangulo de velas, um triangulo de pinga um circulo com uma fita preta ou um circulo de 7 moedas, de ervas, de pedras e assim por diante.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores