Total de visualizações de página

A pombagira

Meus livros de Magia Astrológica no link

sábado, 31 de maio de 2014

CONHECENDO OS MISTÉRIOS DA UMBANDA: ORGANIZAÇÃO E HIERARQUIA DOS EXUS


OS SENHORES DO DESTINO E A COROA ASTROLÓGICA DE ORUMILÁ
COMPRE O LIVRO DE UMBANDA ASTROLÓGICA E ESTUDE ESSA NOVA FORMA DE DECIFRAR O ORIXÁ
Os Exus, estão também, divididos em hierarquias, assim como exus, pombagiras e anjos. Onde temos desde Exus muito ligados aos Orixás até aqueles Exus ligados aos trabalhos mais próximos ou às trevas. Os exus dividem-se hierarquicamente, em três planos ou três ciclos e em sete graus e a divisão está formada dentro da Umbanda Esotérica, como revelou-nos Matta e Silva. Mas, pra nós da Umbanda Astrológica, achamos que a hierarquia pode ser bem mais ampla. Porém este segredo místico fica pro futuro.

TERCEIRO CICLO - Contém o Sétimo, Sexto e Quinto graus. Neste Ciclo encontramos os chamados Exus Coroados. São aqueles que tem grande evolução, já estão nas funções de mando e poucos médiuns ou sacerdotes da atualidade pode realmente trabalhar assiduamente com esses poderosos exus. São os chefes das falanges. Recebem as ordens diretas dos chefes de legiões da Umbanda. Pouco são aqueles que se manifestam em algum médium. Apenas alguns médiuns, bem preparados, com enorme missão aqui na Terra, tem um Exu Coroado como o seu guardião pessoal. São os guardiões chefes de terreiro. Não mais reencarnam, já esgotaram há tempos os seus karmas. E os sacerdotes que tem sua assistência tem que ter passado por iniciações profundas e vivências muito ritualísticas.

O Sétimo Grau - Estão os Exus Chefe de Legião e para cada Linha da Umbanda, temos Um Exu no Sétimo Grau, portanto, temos Sete Exus Chefes de Legião
Sexto Grau - Estão os Exus Chefes de Falange. São Sete Exus Chefes de Falange subordinados a cada Exu Chefe de Legião.
Quinto Grau - Estão os Exus Chefes de Sub-Falange. São Sete Exus Chefes de Sub-Falange subordinados a cada Exu Chefe de Falange.

SEGUNDO CICLO -  Contém o Quarto Grau. Neste Ciclo encontramos os chamados Exus Cruzados ou Batizados. São subordinados dos Exus Coroados. Já tem a noção do bem e do mal. São os exus mais comuns que se manifestam nos terreiros. Também, tem funções de sub-chefes. Fazem parte da segurança de um terreiro. O campo de atuação destes exus está nas sombras (entre a Luz e as Trevas). Estão ainda nos ciclos de reencarnações.

Quarto Grau - Estão os Exus Chefes de Agrupamento. São Sete Exus Chefes de Agrupamento e estão subordinados a cada Exu Chefe de Sub-Falange.

PRIMEIRO CICLO - Contém o Terceiro, Segundo e Primeiro Graus. Temos dois tipos de Exus neste ciclo : o Exus Espadados - São subordinados do Exus Cruzados. O seu campo de atuação encontra-se entre as sombras e as trevas. E estes são os exus mais comuns que encontra-se na maior parte dos terreiros e nos médiuns. O Exus Pagão (Kiumba) - É subordinado aos exus de nível acima. São aqueles que não tem distinção exata entre o bem e o mal. São conhecidos, também como "rabos-de-encruza". Diz-se no meio do submundo, da Quimbanda e de vertentes sombrias que estes "aceitam qualquer tipo de trabalho, desde que se pague bem". Mas, não é bem assim, na verdade, eles são muito traiçoeiros e sabem que tem uma Lei Maior, que é a Lei de Pemba, por isso sabem muito bem que tem limites e barreiras. Assim eles apenas enganam e prometem tudo, mas, cumprem apenas o que pode. Também tem médium que apenas cairão na armadilha deles.. Não são confiáveis, por isso. São comandados de maneira intensiva pelos Exus de hierarquias superiores. Quando fazem algo errado, são castigados pelos seus chefes, e querem vingarem-se de quem os mandou fazer a coisa errada. São kiumbas, capturados e depois adaptados aos trabalhos dos Exus. O campo de atuação dos Exus Pagãos, é as trevas. Conseguem se infiltrar facilmente nas organizações das trevas. São muito usados pelos Exus dos níveis acima, devido esta facilidade de penetração nas trevas. 

Terceiro Grau - Estão os Exus Chefes de Coluna. São Sete Exus Chefes de Coluna e estão subordinados a cada Exus Chefes de Agrupamento. Segundo Grau - Estão os Exus Chefes de Sub-Coluna. São Sete Exus Chefes de Sub-Coluna e estão subordinados a cada Exu Chefe de Coluna, portanto.  Primeiro Grau - Estão os Exus Integrantes de Sub-Colunas e são milhares de espíritos nesta função. E assim vemos que tem muitos médiuns com pouca capacidade que querem fazer o que não podem e portanto se ferram. Portando, devemos sempre estudar e estudar incansavelmente.

Diz-se no meio ocultista que - Os Exus, em geral, não são bons nem ruins, são apenas executores da Lei. Ogum, responsável pela execução da Lei, determina as execuções aos Exus. Mas, por isso mesmo que eles não são fantoches e não cumprem o que pessoas egoístas, gananciosas e malignas querem. Eles não recebem qualquer oferta ou missão. Tudo depende na verdade da outorga do mago e do médium, da Ordem Maior e do carma de cada um, como também da vibração cósmica regente de cada momento. Além destes aspectos já abordados, vale à pena mencionar os diversos níveis vibracionais, onde os espíritos ligados à Terra, habitam. Estes níveis são e foram criados de acordo com cada grau evolutivo. Os níveis estão mais relacionados com o mundo da consciência do que com o mundo físico, ou seja, são mais estados de consciência do que um lugar fisicamente localizado.

Axé a todos!

Carlinhos Lima

Natureza do ser - as terapias

SPA WEEK
SPA WEEK - fisioterapia e massagens
Nós fazemos parte do todo. Da mesma forma que milhões de células, vários órgãos e milhões de bactérias trabalham em nosso organismo pra nos manter vivos, nós também estamos fazendo parte de todo sistema vivo do nosso planeta. Por isso quem ataca o Meio Ambiente, no fundo ataca a si mesmo. E quem está melhor integrada a seu meio, quem se dá bem dentro do ecossistema e tem harmonia com a Mãe Natureza, tem mais equilíbrio e bem estar.

As pessoas hoje em dia, mas, de certa forma durante toda história humana, sempre se preocupou mais em saciar os apetites do ventre e sempre se pautou mais pelas ambições mundanas do que propriamente com a busca do bem estar da alma. E quando falo em bem estar, não falo em saciedade desses apetites que muitas vezes ou na maioria delas, fazem mais mal do que bem a nosso ser. O homem sempre se voltou mais a viver correndo loucamente em busca do dinheiro, do poder e do domínio sexual. E nessa sua busca, quase sempre desenfreada, ele esquece de seu bem estar com alma vivente que tem vários níveis existenciais. Ele se esquece, que não é apenas o físico que conta, mas, também o mental e especialmente o espiritual.

Tem muita gente por ai que tem muito dinheiro e poder, tá ganhando rios de grana, mas, não é feliz, ou vive inundado numa vida de ilusão e falsa felicidade. Só que o vazio da alma, deixa lacunas e o corpo acaba pagando o preço. Muitas dondocas por exemplo, quando sente-se atraídas pelo espiritual, ou sente que tem um vazio no peito, preferem ir gastar no shopping, viajar e gastar, do que buscar respostas pra seu próprio ser. Por isso muitos desses que tem poder e dinheiro, tem tudo no plano material, mas, quase sempre não tem amor verdadeiro e paz espiritual.

Nosso ser precisa de uma bio-energia equilibrada, uma mente harmonizada e um espírito iluminado. E pra isso, há uma ação dos nossos ancestrais, que nos chamam, nos empurram ou nos guiam para uma busca que muitos acabam ignorando. Alguns até investem, mas, por seguir mais o que seu dinheiro pode pagar do que realmente seu ser precisa, acabam sendo vítimas de charlatões e entrando em contato com o "esgoto" das ciências divinatórias. Ai acabarão se decepcionando, aumentando seu "lamaçal interior" de preconceitos, medos e confusão. Pois o cara ou a mulherzinha que tem grana ele vai procurar o astrólogo que tem o consultório mais chic, o tarólogo que atende no bairro nobre, o pai de santo das estrelas e sempre quer ostentar, achando que a espiritualidade, se revela no "pagar bem". Quanto na verdade, ela se revela na simplicidade e nas curvas ou retas que a ancestralidade revela.

Muitas pessoas por exemplo, que se apega apenas ao uso do cartão de crédito ou pensa que analista pode ter todas as respostas que sua alma precisa, passam a vida seguindo filosofias distorcidas e cada vez mais longe de sua missão espiritual. As pessoas tem que ter noção que temos 3 níveis, que são além do físico o mental, temos o nosso lado espiritual. E por isso muita gente não consegue preencher o vazio e nem se responder do porque mesmo indo a psicólogos, sua alma sente um buraco! Isso porque além de organizar a parte psicológica, a pessoa pode ter uma ancestralidade forte, mística e ligada a busca espiritual mais intensa. Assim ao ignorar que precisa ter uma fé atuante e uma espiritualidade viva, ela nunca encontrará as respostas que sua alma precisa.

No entanto, também tem pessoas que vivem nos templos, nas igrejas e na busca espiritual que tem o vazio na alma, pois também mesmo utilizando-se da fé, ignora a parte psicológica e assim também erra. Na verdade fé e ciência, podem e precisam andar juntas. O espiritual não resolverá os problemas físicos ou mentais, apenas ajuda e é uma parte do tripé que citei. Tem também que cuida bem do lado psicológico e espiritual, acham que tá fazendo tudo certo, mas, ignora o lado físico. Não cuida bem da saúde e não cuida bem do corpo. Então muitas pessoas quando eu afirmo isso, me perguntam: como alguém que tá tentando cuidar da mente e do espírito, ignora o corpo? Cadê a força espiritual que ela desenvolve? Bem em primeiro lugar, porque mesmo ela buscando os dois níveis citados, da mente e do espírito, não quer dizer que ela esteja no caminho certo, segundo, que muito acham que apenas esses dois níveis são importante e ignoram a importância do corpo.

Enfim, as pessoas tem que buscar a harmonia nos três níveis. Muitas vezes, a pessoas estão com o corpo em desarmonia, precisando apenas de massagens, de banhos de ervas, de um acompanhamento fitoterápico e fisioterapeuta, mas, ignora. Tem muitas pessoas que acham que com o dinheiro que tem pode pagar por tudo. Assim vão a pais de santo e enchem a mão deles de dinheiro como se pudessem comprar o que precisam, como também acham que só pelo fato de tá se consultando com um psicanalista top que o cara vai ter respostas pra todas as suas dores da alma. A vivência espiritual é mais que isso.

Muita gente pode e deve buscar uma dessas clínicas maravilhosas que temos hoje em dia, especialmente nos grandes centros e cuidar melhore de seu corpo. Com a ajuda de um bom fisioterapeuta, cuidar bem dos seus problemas físicos. Da mesma forma, procurar lugares de meditação, de Ioga e outras terapias que colocam a mente e o corpo em harmonia. E ao procurar a parte espiritual, parar com a mania de achar que apenas pagando e virando as costas que a solução virá! Por isso muitos pagam dízimos caros, achando que Deus precisa de dinheiro ou que escolhe pessoas pra viver as custas de dinheiro do próximo como se fossem escolhidos de Deus. Deus não escolheu esses "falsos profetas" que não passam de cobradores e vendilhões do Templo. Deus não precisa de dinheiro.

Não é uma vigília de trezentos pastores ou uma junta de engravatados orando em seu nome só porque você enviou contribuição pra bancar o programa de TV que vai lhe dá maior privilégio diante de Deus, pois Deus não é mercenário. E como diz o mandamento "não chamar o nome de Deus em vão". Esse papo de "obra", é apenas o apartamento novo, a fazenda e o helicóptero novo do dono da igreja que será comprado. Deus não quer ser pop star, não precisa tá na TV toda hora e não precisa de templos em todo canto. Deus quer ser achado no coração e na mente de seus escolhidos.

Carlinhos Lima

OS SENHORES DO DESTINO
LIVRO DE UMBANDA

Em defesa da Umbanda: EXÚ PAGÃO OU EXÚ BATIZADO - CLASSIFICAÇÃO MORAL (BEM OU MAL). Fiquemos atentos sempre...



Não se deve, confundir um verdadeiro Exú com um espíritos zombeteiros, mistificadores, obsessores ou perturbadores, que recebem a denominação de Kiumbas e que, às vezes, tentam mistificar, iludindo os presentes, usando nomes de "Guias". Para evitar essa confusão, não damos aos chamados “Exus Pagões” a denominação de “Exu”, classificando-os apenas como Kiumbas. E reservamos para os ditos “Exus Batizados” a denominação de “Exu”. 

O chamado “Exú Pagão” é tido como o marginal da espiritualidade, aquele sem luz, sem conhecimento da evolução, trabalhando na magia para o mal, embora possa ser despertado para evoluir de condição. Já o Exu Batizado, é uma alma humana já sensibilizada pelo bem, evoluindo e, trabalhando para o bem, dentro do reino da Quimbanda, por ser força que ainda se ajusta ao meio, nele podendo intervir, como um policial que penetra nos reinos da marginalidade.

O que vemos em certas Quimbandas, Catimbós, Candomblés e mesmo nas Umbandas, é de nos deixar estarrecidos e por quê não dizer revoltados. Entre falsos adeptos, falsos mestres e falsos médiuns, manifestações de egrégoras ruins ou mesmo demônios se passando por exus. E isso tudo que gera as distorções, estigmas e mentiras, muitas vezes irreparáveis para a verdadeira Umbanda. Alguns espíritos, que usam indevidamente o nome de Exu, procuram realizar trabalhos de magia dirigida contra os encarnados. Na realidade, quem está agindo é um espírito atrasado. É justamente contra as influências maléficas, o pensamento doentio desses feiticeiros improvisados, que entra em ação o verdadeiro Exu, atraindo os obsessores, cegos ainda, e procurando trazê-los para suas falanges que trabalham visando a própria evolução.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Em defesa da Umbanda e Candomblé: Religiões de matriz africana


Historicamente, as religiões de matriz africana sofreram toda sorte de discriminação e perseguição, inclusive policial. De acordo como antropólogo Raul Lody, os sistemas de fé, devoção e expressões do sagrado dessas religiões trazem memórias de diferentes culturas daquele continente. No Brasil, elas se integraram ao catolicismo, ampliando e oferecendo novas formas de cultuar as divindades. Ainda hoje, nove religiões de matriz africana resistem no Brasil: Candomblé, Tambor-de-Mina, Batuque, Jarê, Babassuê, Umbanda, Quimbanda, Omolocô e Xangô. Segundo Lody, essas religiões expressam um rico conjunto de saberes que vão desde a culinária até a botânica, passando pelo artesanato, dança, música e língua, entre outros elementos. Na Bahia, podemos encontrar três delas: Candomblé, Umbanda e Jarê. Porém, a mais disseminada é o Candomblé. 

 O Candomblé e suas nações

 Originária do termo banto kandombile, significa lugar de culto e oração. A natureza, os elementos terra, água, ar e fogo formam a base dessa religião que, de acordo com o antropólogo Lody, fazem dela uma religião essencialmente ecológica. O Candomblé dialoga de maneira especial e integrada com a vida e a morte, estabelecendo rituais próprios e especiais. O Candomblé tem suas raízes em várias partes do continente africano. Por isso, pode se expressar de maneira diferente, dependendo do modelo étnico dominante. A maneira de agrupar e identificar os grupos étnicos deu-se, de acordo com Raul Lody, pelo reconhecimento de suas línguas, critério também utilizado hoje para estabelecer as nações de candomblé. Os termos religiosos, os nomes gerais dos alimentos, roupas e deuses, os cânticos e rituais indicam a procedência do Candomblé. Hoje o candomblé apresenta a seguinte divisão: Nação Kêtu-Nagô (Ioruba); Nação Jexá ou Ijexá (Ioruba); Nação Jeje (Fon/Ewe); Nação Angola (Banto); Nação Congo (Banto); e Nação de Caboclo (modelo afro-brasileiro).

Fonte/http://bahia.com.br/atracao/religioes-de-matriz-africana/

Cultos afrobrasileiros: INTOLERÂNCIA RELIGIOSA E LIBERDADE DE EXPRESSÃO: LIMITES DE UM E OUTRO

 “Certamente, há mais de dois mil anos as religiões de matriz africana já precediam o próprio Cristianismo”, afirma o antropólogo Raul Lody, autor de mais de 20 livros sobre o tema. O desenho do artista Carybé mostra a festa do pilão de Oxalá.

“Certamente, há mais de dois mil anos as religiões de matriz africana já precediam o próprio Cristianismo”, afirma o antropólogo Raul Lody, autor de livros sobre o tema. O desenho é do argentino-baiano Carybé e nos mostra a Festa do Pilão de Oxalá.
O juiz Eugênio Rosa de Araújo, da 17º Vara Federal do Rio, voltou atrás apenas em sua enviesada definição sobre religiões, mas manteve a decisão: quem prega a intolerância contra as minorias religiosas afro-brasileiras, pode pregá-la livremente, em nome da liberdade de expressão. Pode? Como representante do Estado, que garante a ordem e a igualdade de todos perante a lei, o juiz deveria proteger os que mais precisam (e não há nenhum “coitadismo” aqui). Quando ele se atém, estritamente, ao viés jurídico, torna-se precário o julgamento de situações subjetivas, como no caso. A legalidade da liberdade de expressão  – nosso bem tão precioso! — também tem um limite: é quando deixa de ser expressão para se transformar em propaganda, visando destruir ou capturar o outro. Senão, vejamos: a  propaganda nazista não respeitava direito algum, já que, à época e dentro do território germânico, o nazismo era considerado uma… legalidade. Era?
Quem lembra esta realidade é o filósofo inglês George Steiner em seu livro Nenhuma Paixão Desperdiçada: “O Estado-nação ergue-se sobre mitos de instauração e de glória militante. Perpetua-se por meio de mentiras e meias-mentiras.(…) A única cidadania que o intelectual reconhece é a do humanismo crítico. Ele sabe que o nacionalismo é uma espécie de loucura, uma infecção virulenta que leva a espécie humana ao massacre mútuo”.

O nacionalismo é aqui tomado como a exclusão do outro, seja por razões de busca de uma ”raça pura”, seja por razões de imposição de uma religiosidade única. A decisão do juiz mantém  o direito de alguém “falar mal” do outro. Como posso dizer que o ideal do outro – representado pela religião – não presta só porque tenho uma visão diferente da vida ou da divindade que venero? Em política, podemos falar de um embate entre visões diferentes, porque é legítimo que um partido brigue para alcançar o poder; no entanto, é ilegítimo que alguém brigue para impor sua visão religiosa.  É o que nos assevera o professor de História das Religiões, Giuseppe Bertazzo:
“A história, a antropologia e a genética ensinam que não existe “raça pura”. Querer encontrar uma religião “pura” é também algo não aconselhável. A não ser que você queira considerar a religião etnocêntrica, a de um povo que se coloca em contraposição aos “inimigos”. Até a religião hebraica, em seu início, considerava Jahvé (ou Jeová) seu deus exclusivo, em contraposição aos outros. Felizmente, aos poucos abriu-se para um monoteísmo que caminhou, pelo que conhecemos pelas palavras do profeta Isaias, uns 500 anos antes de Cristo, para a concepção de um deus preocupado com os mais fracos. Ao enunciar o projeto de sua missão, Jesus Cristo serviu-se da palavra de Isaias. Sem esquecer que a mesma Bíblia contém elementos, visões e narrações anteriores que encontramos no Egito e na Mesopotâmia antigos; o cristianismo e o islamismo beberam nessa fonte de deversidades culturais. Em determinados momentos históricos também as religiões as religiões se mesclaram diretamente ao Poder,  servindo como justificativa para ditaduras e proteção dos poderosos. Eu admiro demais Jesus Cristo que falava que a Justiça não podia ser apenas a dos fariseus, que só impunham obrigações, mas deveria ir além: olhar diretamente para as necessidades das pessoas. O mesmo Estado,hoje, deve se voltar para quem mais precisa;  no caso, as religiões afro-brasileiras, que não querem dominar a sociedade.”
Assim, devermos ir além da literalidade da lei para olharmos as singularidades da herança histórica brasileira: uma radiosa mistura. Raul Lody, que dedicou sua vida ao estudo das religiões africanas, pode nos iluminar:
“Na formação de povo brasileiro, os Yorubá, os Fon, os Ewe;  as civilizações dos povos Bantu e da África oriental abastecem de histórias religiosas o nosso entendimento de fé, de sagrado, de memórias míticas; e de inúmeros conhecimentos culturais agregados à música, à dança, à comida, e ao idioma, entre outros. Organizadas, hierarquizadas, sistematizadas em rígidos preceitos litúrgicos; detentoras de calendários religiosos; também mantenedoras de amplo e  rico acervo cultural de povos africanos no Brasil, são o Candomblé nas suas Nações Ketu, Nagô, Jeje, Angola, Angola-congo, Gexá, Moxicongo em todo o Brasil; O Xangô, no Nordeste; o Mina-jeje e o Mina-nagô no Maranhão e na Amazônia; o Batuque, e as suas muitas Nações no Rio Grande do Sul; e a Umbanda. Essas religiões têm o reconhecimento do Estado nacional por meio do “tombamento” como Patrimônio Nacional (IPHAN), que assim demonstrou a importância dessas religiões tão organizadas quanto as demais que convivem no nosso Estado democrático.”
Há um ponto em comum que une Steiner, pensador da origem das linguagens, a Lody e Bertazzo: o da aceitação das diferenças, o da não-exclusão, o do convívio dos contrários. A ideia é a de que você faz parte de um mundo maior de culturas distintas, que se entrecruzam e se ampliam, abrindo horizontes, sempre enriquecedoras. Ou, como na visão do poeta Drummond: “Amor é o que se aprende no limite”. Aprender a amar a si mesmo, de pronto, é conhecer seus próprios limites.

Fonte/http://veja.abril.com.br/blog/leonel-kaz/

terça-feira, 27 de maio de 2014

CONHEÇA OS ORIXÁ DA APRESENTADORA: Luciana Gimenez desmaia no palco do ‘Superpop’

Segundo a consultora de moda Ana Paula Lima, responsável pelas roupas da apresentadora, ela teve uma queda de pressão. Fã gravou a cena; confira

 SERÁ QUE LUCIANA GIMENEZ TEM MEDIUNIDADE?

A apresentadora Luciana Gimenez na coletiva de imprensa do programa 'Luciana By Night', na sede da RedeTV!, em Osasco - Francisco Cepada/AgNews
A apresentadora Luciana Gimenez passou mal e desmaiou no palco do programa SuperPop, da RedeTV!, na noite desta segunda-feira. Segundo a consultora de moda Ana Paula Lima, responsável pelas roupas de Luciana durante a apresentação do programa, ela teve uma queda de pressão.
“Queda de pressão, desmaiou e caiu. Ela já esta bem”, escreveu Ana em seu perfil no Instagram, em resposta a uma pessoa que perguntava sobre o que havia acontecido durante a atração. Luciana comandava um debate sobre a umbanda e o candomblé quando o programa saiu do ar e o intervalo comercial foi chamado.
Reprodução/Instagram

A consultora de moda Ana Paula Lima explica o desmaio de Luciana Gimenez no palco do 'Superpop'
Depois do programa, a apresentadora postou uma mensagem em sua página no Twitter, mas não falou sobre o ocorrido, “#Gripebrava”, escreveu, apenas.
Depois do incidente, o nome de Luciana Gimenez entrou para os trending topics do Twitter, a lista de assuntos mais comentados da rede social.

Comentário: pode ter sido apenas coincidência, gripe como como ela mesma mencionou ou alguma outra coisa física sim. Porém, basta olhar nos olhos dela, no signo dela e na energia que ela emana pra saber facilmente que ela tem mediunidade, um carma muito inclinado a magia e sexo, como também reencarnações ligadas ao contato com o Sobrenatural.

Luciana não tem uma mediunidade de trabalho, como por exemplo, pra incorporar ou ter algum tipo de vidência, mas, tem alta intuição e muita energia, especialmente sexual. Em vidas passadas, ela viveu ligada a magia e ao sexo. Certamente vinda de uma encarnação em terras áridas, ou seja, na região do Oriente Médio, podendo ter terminado a sua vida no Sul da Europa. Pode ter nascido entre Argélia, Marrocos, Líbia ou Tunísia e pode ter ido morar a ultima parte de sua vida na Espanha, Itália, Grécia ou França. Onde ela sabia magia e praticava muito sexo - não é a toa que ela veio como escorpiana, filha de Oxumaré e Oxum - com Ogum de Frente e Iansã como Guia.

Sendo que Oxum foi a responsável por sua enorme beleza, sucesso, prosperidade e brilho, pois Oxum é mais forte em sua coroa que Oxumaré. Mas, Oxumaré é o responsável por sua vez, pela alta sexualidade dela, que gosta de inovar, sendo uma mulher altamente faceira e fetichista. Além de ser determinada na cama, com muito vigor e ação.

Ao tá num momento onde o tema debatido era Umbanda e Candomblé, ela pode ter despertado parte de seu inconsciente, pois, vive neste momento, um trígono de Mercúrio com o Mercúrio Natal, sendo que o mesmo também tocava a Lua e Júpiter. Inclusive a Pombagira dela, está bem mais próxima dela nessa fase de vida. A Cruz Cardinal em ação no horóscopo de Luciana, vai incrementar muitas mudanças estruturais na vida dessa bela mulher. Tanto no plano emocional, quanto no plano sexual e espiritual. Portais se abrem ligando forças ancestrais e forças cósmicas. Ela tende a focar um pouco mais no plano espiritual não apenas como mera espectadora, mas, de forma mais participativa, aliás, ela precisa de um contato maior, inclusive com a magia. Mudanças serão necessárias, pode também haver alguma perda importante em sua vida e lições de vida importante.

Sem dúvida ela é uma grande mulher, mas, tem na alma alguns resquícios de vidas passadas, algumas síndromes que se manifestam e podem ainda surgir com mais força em momentos futuros. Seu anjo da guarda é forte, mas, ela não dá a atenção que deveria dar. Por isso é bom prestar atenção de ora em diante.

Eu desejo a bela Luciana, muita luz, sabedoria e paz!

sábado, 24 de maio de 2014

Como é possível que um juiz de Direito determine que as religiões afro-brasileiras não são religiões?

UMBANDA E CANDOMBLÉ SEMPRE FORAM RELIGIÃO


RTEmagicC_vida_1.jpg
“Atrás de toda manifestação religiosa há visões de mundo e cultura que são seculares. Combatê-las, sem nem esforçar-se em conhecê-las, é um sinal de pobreza humana”, diz o professor de História de Religiões, Giuseppe Bertazzo. Mãe Menininha do Gantois concordaria (Foto: Arquivo Correio)
JUIZ PODE DETERMINAR O QUE É RELIGIÃO?
Deus, deuses, algum de vocês, ouça: o Juiz Eugenio Rosa de Araújo, da 17º Vara Federal do Rio, impediu que fossem retirados do YouTube vídeos ofensivos à umbanda e candomblé, porque “as manifestações afro-brasileiras não se constituem religião”.
Ele, o juiz sentenciou que a umbanda e candomblé “não contém traços necessários de uma religião, a saber, um texto base (Corão, Bíblia), ausência de estrutura hierárquica e ausência de um Deus a ser venerado”.
Com isto o Meritíssimo excluiu todas as outras formas de religião – que não os cristãos, judeus e muçulmanos – do direito de terem sua fé tolerada e respeitada.
Aliás, excluiu até uma das mais antigas, o judaísmo, já que esta não tem “estrutura hierárquica”.
Ora,  recorro ao grande “babalorixá” da história brasileira, Gilberto Freyre, que já havia jogado por terra, desde 1933, com seu Casa Grande e Senzala, esta pregação anacrônica em torno de definições precisas sobre etnias e religiões (tão ao gosto das teses nazi-fascistas de arianismo e “raça pura” vigentes na Europa, à época), provando ser o Brasil o grande território da mestiçagem e sincretismo:
“A mediação africana no Brasil aproximou os extremos, que sem ela dificilmente se teriam entendido tão bem, da cultura europeia e da cultura ameríndia, estranhas e antagônicas em muitas das suas tendências. Considerada de modo geral, a formação brasileira tem sido um processo de equilíbrio de antagonismos. Antagonismos de economia e de cultura. A cultura europeia e a indígena. A europeia e a africana. A africana e a indígena (…) Mas predominando sobre todos os antagonismos, o mais geral e o mais profundo: o senhor e o escravo.
O senhor e o escravo continuam pairando nas sentenças (proferidas pelo senhor juiz), definitivas, excludentes, permitindo a profanação das crenças religiosas que não, Deus meu!, definidas em tais ou quais critérios. É o mesmo fundamentalismo que continua rondando, não apenas na Nigéria ou no Irã distantes, mas cada vez próximos a nós.Um vídeo da BBC, desta semana, mostra a entrevista de uma jornalista mulata com um grupo neonazista que se manifestava na Alemanha:
- O que vocês planejam para pessoas como eu que não tem a mesma cor de pele?
- O prognóstico é que quando o país se renacionalizar (…) você será deportada.
A decisão do Meritíssimo vai no mesmo caminho: ou se tem um Deus pré-determinado ou se condena a serem enxovalhados e não-protegidos os que, segundo os critérios dele, não tem este Deus (budistas de todo o mundo, socorro!).
O Brasil vem correndo o risco de estar se transformando numa república teocrática, como definiu o deputado Jean Wyllys à revista CULT:
“(As igrejas pentecostais) se fortaleceram política e economicamente, já que igrejas não são tributadas, tampouco fiscalizadas. Inclusive, os recursos podem ser distribuídos para outros investimentos, como em postos de gasolina, ou na televisão, onde são empregadas apenas pessoas convertidas que veem nisso milagres divinos, sentindo-se em débito permanente com os intermediários dessa relação.
“Isso é perigoso, pois pode resultar em perseguição àquilo e àqueles que, de alguma forma, representam ameaça a interesses, como já se dá regularmente contra religiões de matrizes africanas, e o pior : sem que o Estado tome providências contra isto.
“No Rio de Janeiro, há comunidades em que o tráfico se associou a alguns representantes de religiões pentecostais e uma das coisas que fizeram foi expulsar as pessoas dos terreiros dessas comunidades. Ora, esses terreiros formam as matrizes dessas comunidades, social e culturalmente – o samba nasceu onde?
“O ataque à umbanda e ao candomblé é também um ataque de viés racista por se tratar de religiões praticadas sobretudo por pobres e negros. Mas é, antes, uma disputa de mercado. O que os fundamentalistas pretendem com os ataques à Umbanda e ao Candomblé é atrair os adeptos – e, logo, o dinheiro deles – para suas igrejas.
“E como vivemos sob uma cultura cristã hegemônica, que se fez na derrisão e repressão das religiões indígenas e africanas, é óbvio que as igrejas fundamentalistas levam a melhor nessa disputa de mercado e em suas estratégias de difamação.”

Coincidentemente, o meu primeiro livro OS SENHORES DO DESTINO E A COROA ASTROLÓGICA DE ORUMILÁ, foi lançado justamente nesse período que este tema sobre os cultos afrobrasileiros ganharam foco na mídia brasileira, por causa dessa tal decisão equivocada de um juiz. Sendo que o livro fala justamente do destino do homem, das divindades, das interferências e das decisões do homem (livre-arbítrio) e de como decisões equivocadas, interferem em  nosso destino. Afinal de contas há uma conexão ou interação entre destino, livre-arbítrio e um terceiro elemento que chamamos de "acaso" ou o inesperado. Esse inesperado é uma espécie de "correção" daquilo que não saiu muito bem entre destino e decisão do homem. E fico feliz (não pela decisão do juiz) por ele ter vindo justamente nessa fase, onde a mídia se voltou ao tema, pois, no livro fui fundo nas origens dos cultos, há milênios atrás, onde podemos perceber que todas as religiões do mundo, tem origens parecidas, além de ter os pés fincados nas tradições ancestrais, na busca por conhecimentos ocultos e um olhar direcionado para o céu ou o Cosmos. Compre o livro, em uma das livrarias CULTURA OU SARAIVA, e obtenha diversas informações, sobre orixás, exus, pombagiras, oráculos e outros temas que envolvem a filosofia de UMBANDA ASTROLÓGICA.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

A MULHER QUE DOMINA E A MULHER QUE É DOMINADA

CARMA SEXUAL, DESTINO E LIVRE-ARBÍTRIO

Tem mulheres que tem energia forte. Um magnetismo irresistível. Algumas pessoas conseguem liderar usando as palavras, os gestos e o domínio mental. E tem outras que até de forma inconsciente conseguem hipnotizar as pessoas a sua volta. E tem mulheres irresistíveis, que mesmo de burca, conseguem atrair a atenção dos homens. São mulheres que em espírito livre e energia de conquistadora. Elas possuem alma de "caçadora". São pessoas de encarnações ligadas a magia e a vivência do amor. 

Essas pessoas tem orixás altamente magnéticos, que vibram de forma pulsante sobre seu Orí. Sua Esquerda é altamente forte. Essas mulheres são irresistíveis, são as que se são amantes, estão no controle da relação e a esposa, nada pode fazer, pois é ela (a amante) que domina o marido. Se são esposas, as amantes por sua vez não tem chance. Mesmo que o marido dê puladas de cerca, jamais conseguem sair de casa e desfazer o casamento. São mulheres que conquistam os milionários que bancam sua vida de luxo e extravagancias. Até porque na cama são imbatíveis. Geralmente não tem puritanismos e nem pudores na cama. São mulheres decididas. Femeas fatais que tem odus sexuais fortes e odus de amor potentes. Porém na verdade, não é sempre voltando-se para o sucesso amoroso e sexual que encontramos essas femeas maravilhosas, mas, também para objetivos profissionais, se tornando mulheres de sucesso, como executivas fortes, atrizes ou cantoras famosas e assim por diante. Enfim, em qualquer meta que elas se empenhem certamente vão subir todos os degraus.

Isso tem haver com a bagagem carmica, com seu dharma e com seus dons ancestrais. Mas, tem haver acima de tudo com uma boa percepção de seus poderes inconscientes, que se encontram em boa conexão com seu subconsciente e que formam uma consciência de autoestima. Porém, um detalhe: essas mulheres de sucesso, não são de passar por cima das pessoas, geralmente tem um alto padrão ético e temperamento sob controle. Sua índole é forte, mas, seu caráter é positivo e sua personalidade é enérgica. Enfim, estão inseridas nos 3 pilares que sempre citei na Umbanda Astrológica. 

No meu livro OS SENHORES DO DESTINO E A COROA ASTROLÓGICA DE ORUMILA, onde mostro formulas de somar seus odus pela data de nascimento, como também onde identificar odus na carta natal e orixás por meio do Zodíaco, e que tem como tema central o destino e o livre arbítrio, mostra ao leitor atento, de que forma melhor cumprimos nosso destino, rumo ao sucesso. E que nessa formula pessoal, temos o dever de ter nossos instintos bem orientados e a nossa índole sob controle da consciência.

No livro também o leitor vai compreender mais sobre os segredos, poderes e atuações de Exu e Pombagira, que de forma especial é a guardiã, guia e protetora da mulher, desde tempos imemoriais. A mulher também vai perceber que vivenciamos ciclos e fases onde temos que nos adaptar, nos transformar e inserir em nossa vida, mudanças de hábitos quando as coisas não andam bem. Afinal de contas tem gente que percebe ou sente que sua vida não anda direito, ou até regride, mas, ela insiste nos mesmos erros, teimando contra a sorte e destino.
CARMA SEXUAL, DESTINO E LIVRE-ARBÍTRIO
Bem, como eu tava falando, tem mulheres que tem poder forte de domínio, sobre o sexo oposto ou até sobre o mesmo sexo. Mulheres com magia na veia e no olhar. É facilmente perceptível a sexualidade e desejos ou até potenciais de uma mulher, apenas olhando no fundo dos olhos ou nos traços dela. No entanto, há as mulheres que são o oposto dessas conquistadoras natas. Ou seja, tem as que vieram pra ser objetos sexuais, sempre dominadas, escravizadas facilmente e facilmente manobradas. Isso mesmo, mulheres que não só tem baixa-estima, como se submetem a qualquer coisa pra agradar os outros.

Tem as que tem uma falsa autoestima, ou seja, pensam que podem agir, transgredir e que são foda, só porque tem coragem de cometer baboseiras, mas, na verdade, apenas servem da mesma forma aos desejos dos outros mais espertos. Em meio as garotas de programa e profissionais dos sexo como um todo, desde atrizes pornôs a acompanhantes de luxo, temos nesse meio as que dominam, que tão lá porque adoram sexo e vieram a este mundo pra transar e curtir os prazeres da carne. Não são manipuladas e até conquistam todos ou maioria de seus ideais. Mas, tem também as que adentram esse mundo, por indução, coação, engano e manipulações malignas. Algumas vivem uma vida de escravidão por necessidade e tendo consciência de que só estão fazendo por que precisam. Só que outras, fazem porque precisam, mas, não tem consciência disso. Enfim, as mulheres se dividem em várias classes e essa divisão é causada tanto pelo carma, quanto por seu signo, Ori, Pombagira e atitudes. A forma como cada homem e mulher alia seus instintos, índole e alma ao carma, ancestralidade e missão é que colocará um indivíduo numa faixa existencial.

Outra coisa interessante que as pessoas tem que levar em contra, são as síndromes. E assim como observamos essas síndromes na astrologia ao observar o comportamento humano, também identificaremos muitas síndromes na observância dos signos de Ifá ou dos orixás. Tem muitas mulheres por exemplo que vivem síndromes masoquistas, síndromes da subserviência e síndromes que as levam a se humilharem por atenção. Tem algumas mulheres que quando mais são humilhadas, mas, se mostram submissas. Quanto mais o companheiro, desfaz, desgosta e trai, mas, elas se sentem atraídas. Muitas sequer precisam desses companheiros, mas, elas se sentem atraídas como dependentes e se sentem prezas, como se tivessem amarradas a uma corrente imaginária ou oculta. 

Muitas mulheres lindas, valorosas, que chegam a definhar por um amor que só lhes faz mal, que só lhe humilha e que tira seu brilho. Muitas se sujeitam a vontade de homens que sequer saciam elas na cama ou nem são grandes coisas. Vivem amores bandidos, amores cegos e vivem como se ao afastar elas ficassem como uma planta que é arrancada do solo! Tudo isso é uma síndrome perigosa. Um desequilíbrio do Orí, desarmonia dos orixás que regem essa pessoa e grande parte, são vitimas de obsessores. Muitas passam a ser vitimas desses obsessores, quando perdem a virgindade pra homens canalhas de sangue-ruim e passam assim a ficar vulneráveis e controláveis. Muitas chegam até a dizer "minha primeira vez foi perfeita..." sem saber que se doou a um aproveitador que apenas enfeitiçou-a para ter sua castidade nas mãos dele. E é por isso que muitas ao serem usadas durante anos, até perder a juventude e a forma física, são abandonadas ou se refugiam após muita humilhação que não toleram mais. E passam a viver sozinhas, afirmando que não querem mais amar. Sem saber que esse enclausuramento psicológico, é tudo obra dessa obsessão a qual ela foi vitima.

Muitas meninas, ainda novinhas, se doam, perdem a virgindade pra pessoas erradas, melando assim toda sua trajetória sentimental e sexual. Quando algumas conseguem dar a volta por cima, ultrapassar as barreiras do carma e encontrar um mágico amor que quebre a maldição sexual, elas se recuperam, montam uma família um amor de verdade que muda completamente seu destino ou realinha. Mas, nem todas conseguem. Na verdade, tem muitas mulheres que troca de parceiro como troca de camisa e nenhum lhe serve. Vivem relações ruins que parecem boas, mas, apenas no começo. Muitas sofrem e sofrem muito, pois não reencontram seu caminho. E isso também acontecem com os homens, que se iniciam com mulheres ruins. E o mesmo vale pra homossexuais.

Um carma bem conhecido na Bíblia foi o caso de Diná filha de Jacó que foi violentada por Siquém, filho de Hamor (líder dos heveus e da região onde o estupro aconteceu). Após violentar Diná Siquém se apaixona por ela e pede que seu pai a peça em casamento para ele. Mas, como todos sabem essa história teve desdobramentos terríveis. E além deste caso tem outros nos livros sagrados que mostram como um carma sexual, pode trazer dores a vida de uma mulher mal iniciada.

 Comenta-se que Jacó não ligou muito para o acontecido com a filha, por que ela seria uma filha desobediente. Aliás como ocorre em muitas famílias, em que os pais acabam "lavando as mãos", por se darem por vencidos diante da teimosia dos filhos. Muitas filhas, enveredam por caminhos sem volta, não só por uma vida sexual desregrada e sem noção, quanto por drogas e vida perigosa, com envolvimentos com parceiros inescrupulosos. 

Dizem ainda que Diná era uma espécie de bruxa ou sacerdotisa e que por isso, ela confrontava o pai ou tinha visões. E que por querer ser livre demais, esteve no lugar errado e na hora errada, ficando vulnerável ao estupro. Claro que não vamos levar para o mesmo terreno de culpar a vítima pelo estupro, mas, o fato da contribuição de muitas pessoas, tanto homens quanto mulheres, por causa de rebeldia e desobediência, acabam contribuindo para que caiam nas mãos dos predadores malignos.

Na verdade, falamos mais para as mulheres, porque ela é passível de uma gravidez, é mais frágil, dependendo da situação e por vivermos ainda numa sociedade machista. E muitas mulheres colocam-se diante de um carma ruim, melando toda sua trajetória, tanto por rebeldia, pressa, iniciação precoce e uma busca incessante por uma falsa liberdade. A maior parte das mulheres não tem paciência pra esperar um amor firme e verdadeiro, muitas se doam a homens que sequer vão ver no dia seguinte e depois ainda se queixam de má sorte! Ao quebrar sua sincronia com os odus ancestrais do amor e do sexo, o homem e a mulher perdem importantes bases espirituais. O orixá do sexo e do amor tem uma importância altíssima, dentro da coroa astrológica de uma pessoa.

Antes de ficar definhando e vendo os seus dias passar, culpando os outros e sua sina, medite, veja o que tem que mudar, corrigir, adaptar e como deve agir, pra quebrar o carma e a maldição. Pare de se escravisar por síndromes que fazem você se humilhar a quem não merece. Mentalize o verdadeiro amor, não troque de parceiro como quem troca de camisa e não se doe a qualquer um só pra não se sentir só ou achando que transar com qualquer é seja sinal de coragem ou liberdade.

Shalom a todos!


OS SENHORES DO DESTINO E A COROA ASTROLÓGICA DE ORUMILÁ
Livro de Umbanda Astrológica - OS SENHORES DO DESTINO E A COROA ASTROLÓGICA DE ORUMILÁ

Os Senhores do Destino revelam as verdades ao homem no tempo certo!


O Destino em atuação nas fases da vida do homem

Uma coincidência me chamou atenção. É que o meu primeiro livro, que é um tratado pra apresentar a Umbanda Astrológica a comunidade esotérica, mística, espiritualista, astrológica, umbandista e que estuda as filosofias cósmicas e artes divinatórias, saiu num período que tem tudo haver com o tema central do livro.

Trata-se no livro OS SENHORES DO DESTINO E A COROA ASTROLÓGICA DE ORUMILA, como o nome sugere, do destino, sua ligação ou interação e contraponto ao livre-arbítrio. Como também, a interferência do Acaso, que seria uma força de correção. E nesse contexto do os senhores do destino, representado no livro principalmente por Orumilá o Orixá do Destino, da Adivinhação e Testemunha da Criação, atuando na vida dos seres humanos, interferindo ou gerindo por meio da ancestralidade. Ai os códigos cósmicos formados nessa ancestralidade é que revelam o ser encarnado, seus potenciais, sua índole, instintos e desejos. Como também, missões e provas. E nesse livro, como o tema central é o destino, há um enfoque também nos oráculos que são as ferramentas que os magos, médiuns, profetas e buscadores ao longo da história da humanidade sempre buscou se conectar com o Sagrado, ou seja, com esses senhores do carma e da vida. Os ministros do Deus Criador, Olorun, Javé, Adonai, Eloim, Alah ou Olodumaré, e assim por diante. Essa busca o homem sempre foi tentar entender o que ele é, de onde veio, pra que veio, pra onde vai, o que tem que fazer e o que esses Senhores do Destino, pretendem ou quer de nós.

Então nesse tratado de Umbanda Astrológica, aprofundei-me em culturas diversas, raízes longínquas e segredos já por muitos esquecidos. Então, percebi que a Tradição Oral que sempre sustentou nossos cultos afrobrasileiros, não só falha, deixa margem a distorções, confusões e enganos, como enfraquece o movimento religioso dos orixás. Ou seja, é uma "faca de dois gumes", pois ao mesmo tempo que mantém a tradição de culto aos senhores da ancestralidade, ao ser corrompida e mau interpretada, dá margem a preconceitos, combates e suspeitas. O que isso quer dizer? Que toda religião deve ter uma base, uma pedra fundamental e códigos insolúveis ou pelo menos sólidos para manter seus pilares. Assim como tem o Cristianismo, o Budismo, o Islamismo e o Judaísmo ou tantas outras. E investigando as origens dos cultos antigos e ancestrais, percebi que todas as religiões, tem origens e surgimentos parecidos. Até porque o pensamento mágico, a fé humana e a busca pela compreensão de tudo  a nossa volta, teve origem da mesma forma e na mesma fase de vida de todos os humanos na Terra. Por isso nenhuma religião pode apontar o dedo pra outras e dizer que só esta ou aquela religião tem fundamento e é a verdadeira. Na verdade, há uma interligação entre toda a espiritualidade humana. Todas se interligam ao céu que nos revela os códigos imortais e o livro imutável do Criador. O Zodiáco está presente nas raízes, troncos e galhos de toda religião existente no mundo. A Bíblia por exemplo, tá cheio do conhecimento astrológico. E por isso o tratado é do seguimento de Umbanda Astrológica.

Há no Brasil, muitos adeptos, inclusive doutores, com formação acadêmica, que repisa a importância exclusiva da Tradição Oral, como se somente ela fosse importante ou bastasse. Mas, por razões que já expliquei, continuarei discordando. Pois, os maiores defensores dessa diversidade toda, como formando uma Umbanda como se fosse "colcha de retalhos", na verdade pretende outros objetivos de poder. E na verdade a Umbanda e o Candomblé, ou outros seguimentos africanistas só existem mesmo pelas codificações do Ifá, dos mitos sagrados preservados e não pelas variações da tradição oral. Claro que o desejo não é dizer que este movimento é melhor ou pior que aquele ou aquilo. Na verdade, o objetivo é extrair o melhor de todos e juntar uma "pedra fundamental" que servirá como coluna de sustentação e fortificação dos pilares do Saber Sagrado dos Orixás.

Dizer que tudo é válido, tudo é verdade e tudo tá dentro dos conformes, na verdade só servem a defensores de cursos, escolas e que quer possuir um grande público lhe seguindo. Na verdade quem quer defender a Umbanda, sabe que sua reformulação é importante, como fez o grande Pai Matta e Silva, Pierre Vergger e Pai Zélio. Mas, não se acomodar apenas ao que eles encontraram ou fizeram. Temos que continuar aprimorando e colhendo informações e códigos.

Se pautar apenas por livros psicografados não traz todas as respostas que precisamos. A Umbanda moderna tá cheio de livros, romances e estudos, psicografados, porém, o estudo dos códigos não podem e nem devem depender apenas de revelações de espíritos desencarnados. Na verdade, os magos e profetas de todos os tempos, buscaram as respostas nos estudos profundos, especialmente do sistema orácular, pois nem o Sagrado pode falar tanta baboseira e invencionices, como eles não querem falar mesmo, por meio de guias. Eles apenas orientam, incentivam a busca e iniciam os mestres. Mas, o estudo constante depende de cada um. Essa história de se voltar ao lado necromante, fetichista e pirotécnico que grande parte dos mestres ou adeptos adotaram é perigoso. 

Por isso no livro de Umbanda Astrológica, fui buscar as origens, as práticas dedicadas dos antigos magos e verdadeiros senhores escolhidos pelo Astral Superior. Que tinham realmente outorga, respeito, prudência e vontade de encontrar respostas dos senhores do Carma e do Destino. Defender que a diversidade é que faz o buscador crescer, é verdadeiro até um certo ponto, desde que ele saiba filtrar, selecionar e corrigir aquilo que está fora do contexto. Mas, de um modo geral, é essa mesma diversidade que muitos defendem que geram confusão. Não é difícil encontrar pessoas cansadas, desanimadas e desiludidas, por que em cada lugar que foi encontrou uma filosofia diferente, conceitos difusos, opiniões diversificadas e porque lhe deram diversas regências e funções. 

A diversidade representa o respeito e a aceitação de que cada um tem o direito de buscar aquilo que lhe faz bem e de crer da forma que lhe pareça melhor. No entanto, aceitar a diversidade, é ao mesmo tempo perigoso, pois a liberdade demais, gera também anarquia, difusão e distorção. Dizer que é tudo a mesma coisa ou que leva-nos ao mesmo fim, é bastante complexo. Dizer que todo tipo de Umbanda tá dentro da normalidade é como dizer que um judeu pode tá numa mesquita a noite e numa sinagoga pela manhã! E poderia sim, como buscador de conhecimento está lá. Como também, pelo fato da generosidade, harmonia e paz entre os povos, compactuar dos cultos de seus vizinhos e irmãos. Porém a questão ancestral é que conta. E quem mistura tudo, acaba perdendo o fio da meada e passa no fim a não acreditar em nada. Como você pode está num terreiro hoje que fala que Exu é importante como senhor dos caminhos e a amanhã tá num templo puritano que se diz de "mesa branca" e que rejeita toda a Esquerda? Assim como um cozinheiro, um alquimista e um mago, sabe que não podemos colocar todos os elementos num mesmo caldeirão pra produzir algo bem formulado e saudável, também o místico sensato, saberá facilmente que não pode juntar todos os palpites e crenças num único seguimento sem um devido polimento!
A proto-síntese cósmica, pode sim ocorrer, mas, sempre observando a lapidação que tem que ser dada aos conhecimentos inseridos. E quem diz que a Umbanda não tem códigos é porque nunca observou que tanto ela quando o Candomblé e outros seguimentos africanistas, tem sim hierarquia, conceitos, preceitos e vibrações constituídas. Assim quando se diz que tem um determinado de orixás, de odus, de obrigações e sabe-se que há observância de ciclos, de graus e de dogmas, sabe-se que está se falando de códigos sim. Por isso, cada orixá tem seu ponto riscado, tem seus pontos cantados, tem suas conexões e tem suas ligações com o sistema astrológico do Zodíaco. Ao dizer que um orixá tem um determinado número, tem uma cor, tem um arquétipo, tem uma filiação, tem um poder, um elemento, uma atuação ou obrigações, estamos revelando códigos velados. Então a Umbanda e o Candomblé, só persistem não só pela Tradição Oral, mas, sim por uma tradição secreta e revelada pelas senhores do Destino e do Carma, que em sua maior parte é feita de forma oral. Mas, que tem sim seus livros, seus manuscritos e que sempre tivemos grandes magos, babalaôs que se empenharam em guardar esses conhecimentos ocultos. Por isso eu considero o Ifá do senhor Orumilá, a "Bíblia da Umbanda".
Mas, voltando a coincidência que citei no começo do texto, me referi ao fato do livro ter sido lançado justamente num período onde um juiz declarou em sua sentença (e que volto atrás depois), que a Umbanda e Candomblé, não seriam religião. E eu achei importante essa coincidência, pelo fato do livro abordar justamente o Destino e as nossas decisões, ou seja, nosso livre-arbítrio. E assim, com uma decisão pessoal, esse juiz arranjou muitas críticas e chamou atenção para o tema. Ou seja, tudo tem um código por trás, um destino e uma ordem. Outra coisa que me chamou atenção nessa coincidência, foi que há capítulos nesse primeiro livro que escrevi sobre Umbanda Astrológica, sobre os cultos antigos, de que forma as religiões tem origens parecidas, como elas se cruzam e como a ancestralidade, buscou o Sagrado da mesma forma. Ou seja, não há religião melhor ou pior que as demais. Não há religão que possa gritar "eu e só eu detenho a verdade...", pois o certo é que todas buscam respostas, todas buscam conexão com o divino e todas tem origens semelhantes.

Ao  criticar os cultos africanos ou afrobrasileiros, por sua ancestralidade mais primitiva, basta a esses intolerantes e preconceituosos, se aprofundarem nas origens e histórias dos cultos judaico-cristão, como os patriarcas, se conectaram ao Sagrado e quais as origens do Deus da Bíblia. Também verá que a Bíblia tem influência ou diversos conteúdos da cultura egípcia e de outros povos místicos. E que muitas crenças foram adaptadas de outras culturas. Poderíamos descartar historicamente o Natal, a Páscoa e tantas outras festas que sustentaram o cristianismo por exemplo, ao constatar que são apenas adaptações de outros cultos, como por exemplo do deus Mitra. E que não há comprovação de seus autores, de datas, de que forma realmente aconteceu cada fato narrado na Bíblia. Enfim, tudo pode ser bem aceito de forma teológica e dogmática, mas, jamais comprovada historicamente. Então, ninguém pode apontar este ou aquele culto como maligno e que seu culto seja exclusivo de um Deus Soberano. Pois não poderão responder nem quem é esse Deus! Se a Bíblia também tem dogmas, metáforas, simbolismos, lendas e mitos, também tem que aceitar os dogmas e conceitos dos outros.

Axé a todos! Shalom


Carlinhos Lima
Os senhores do destino e a coroa astrológica de Orumilá - compre saiba mais sobre este livro aqui

Astrofísica: Aglomeração de estrelas ajuda a entender a estrutura da galáxia

Imagem divulgada pelo Observatório Europeu do Sul mostra enxame de estrelas e nuvens coloridas de gás brilhante

O acúmulo acontece na constelação de Carina, a 7 500 anos-luz da Terra, e foi denominado NGC 3590
O acúmulo acontece na constelação de Carina, a 7 500 anos-luz da Terra, e foi denominado NGC 3590 (ESO)
Uma nova imagem do espaço obtida pelo Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês) mostra um enxame estelar, nome dado a um aglomerado desses astros, que fornece pistas sobre a formação e evolução das estrelas, e pode ajudar a entender a estrutura espiral da Via Láctea.
A imagem, divulgada nesta quarta-feira, foi capturada pelo telescópio MPG/ESO, que mede 2,2 metros de diâmetro e está instalado no Observatório La Silla, no Chile. Na foto, as estrelas brilham intensamente sobre uma paisagem de zonas escuras de poeira e nuvens coloridas de gás brilhante. O acúmulo acontece na constelação de Carina, a 7.500 anos-luz da Terra, e foi denominado NGC 3590. Trata-se de um conjunto de dúzias de estrelas ligadas pela gravidade, com cerca de 35 milhões de anos.

A galáxia onde a Terra se localiza, a Via Láctea, possui "braços" em espiral, correntes longas e encurvadas de gases e estrelas, que se estendem a partir do centro da galáxia. O NGC 3590 é importante para os astrônomos, porque se situa no maior segmento de um braço em espiral que pode ser visto a partir da nossa posição na galáxia: a espiral de Carina (uma zona do céu densamente povoada de estrelas, no braço de Carina-Sagitário). Observar estrelas jovens como as desse aglomerado é uma maneira de determinar as distâncias entre as diferentes zonas do braço em espiral e compreender sua estrutura.
As estrelas presentes num enxame como o NGC 3590 nascem simultaneamente a partir da mesma nuvem de gás, o que torna os enxames locais perfeitos para testar as teorias de formação e evolução estelar. A imagem obtida pelo instrumento Wide Field Imager (WFI), montado no telescópio MPG/ESO, exibe o enxame (as estrelas mais brillhantes, azuis) e as nuvens de gás que o rodeiam (em tons vermelhos e alaranjados, decorrentes da radiação emitida pelas estrelas quentes mais próximas). O grande campo de visão do WFI capturou igualmente um número enorme de estrelas de fundo.

quinta-feira, 22 de maio de 2014

SAIBA MAIS SOBRE SEU DESTINO: A SORTE NO AMOR, A ESPIRITUALIDADE, AS BÊNÇÃOS ANCESTRAIS E O CARMA SEXUAL

O DESTINO ATRAVÉS DO HORÓSCOPO - O CARMA SEXUAL, A MAGIA SEXUAL E O AMOR

SEU DESTINO E OS SENHORES DO CARMA


No livro OS SENHORES DO DESTINO E A COROA ASTROLÓGICA DE ORUMILA, um tratado de UMBANDA ASTROLÓGICA, escrito por mim, o tema central é o destino do homem e da mulher, que em sincronia com o livre-arbítrio e intervenções, provocativas ou corretivas do "acaso", vai moldado nossa trajetória ou existência nesta vida. E quando falo em destino, levo em conta ciclos, tanto nesta vida, quanto ciclos evolutivos, através ou por meio do carma e de várias encarnações. Este carma, escrito pelos senhores do destino e do tempo e outorgado pelo grande Criador. No caso e no contexto do tratado de Umbanda Astrológica, Olorum, que no contexto também cabalístico o Senhor Javéh, como também Aláh, Eloim, Adonai e assim por diante.

E nessa busca por compreensão, o esforço pra compreender o carma, nossa missão e as influências ou regências, cósmicas, espirituais, astrais e ancestrais. O que nos leva aos estudos da magia, da filosofia, das ciências divinatórias e claro nesse contexto, os sistemas oráculares. Por isso, no livro são citados o maravilhoso sistema divinatório que é o Ifá, do Senhor Orumilá, o Orixá do Destino, a Grande Testemunha da Criação. Sendo que os senhores do destino, os orixás, os anjos, os seres e Potestades Criadoras,  o próprio Criador Supremo e todo o sistema cósmico em andamento, ao se comunicar com o homem, gerou meios ou caminhos para que essa comunicação fosse mais proveitosa. Assim tanto tornou o homem num oráculo em si, por meio de sua mediunidade, quanto deu conhecimentos velados de sistemas oráculares para que ele em momentos de busca, reflexão e confusão, pudesse acessar o Sagrado. Então, diversos sistemas foram criados e acessados ao longo do tempo, como por exemplo a majestosa e magnifica Astrologia, ou numerologia. Também o I-Ching, o Tarô, as Runas, os Búzios e assim por diante.

No livro, não deu pra falar em todo tipo de oráculo conhecido, que são diversos. Mas, no apanhado sobre o tratado que pretendia mostrar, temos um aprofundamento nas origens dos cultos, nas primeiras magias e contatos, como também a busca aos primórdios, indo até o inicio dos cultos originais. Deixando de lado, tradições orais distorcidas, o livro apresenta acessos a conhecimentos antigos, originais e pouco conhecidos, tanto pela Umbanda Moderna e populista ou voltar, como também fala de uma forma mais acessível a  todo aquele que quer se compreender melhor.

Muita mulher por exemplo, que hoje pena com uma vida sentimental ruim, caminhos embaraços e uma vida sexual difícil, poderá encontrar uma resposta sobre seu horóscopo, com uma nova forma de ler seu signo, com o caráter mais espiritual. Além de ter uma noção maior sobre sua ancestralidade, conhecer melhor seu orixá, seus odus (ou signos de Ifá), entender mais sobre Pombagira e Exu, além de saber que a busca por respostas, utilizando os sistemas oráculares, está presente na história ou realidade de todos os povos da Terra - inclusive dos hebreus e na Bíblia.

MAGIA SEXUAL
COMPLICAÇÕES NO AMOR E SEXO, POR CAUSA DE MAGIA E DA ESPIRITUALIDADE

Muita gente vive uma vida conflituosa, mesmo frequentando templos e pagando pra pessoas fazerem trabalhos pra melhorar sua vida. Outros frequentam anos os terreiros de Umbanda, o consultório de psicólogos e terapeutas, mas, nunca conseguem se convencer das respostas. Isso porque as respostas não se buscam dessa forma. Tem que ter um jeito interno e uma forma externa de operar e estudar tudo que nos interliga ao sagrado e a ancestralidade.

Não precisa ser umbandista pra buscar a força ancestral! Não precisa ser do Candomblé, pra buscar conhecer sobre orixás; Assim como não precisa ser místico, pra estudar astrologia, acessar os conhecimentos do Tarô ou da magia. Não precisa está em crise pra buscar conhecer as maravilhas do Ifá, do I-Ching ou dos Búzios. Basta ouvir seu poder pessoal, que chamamos de Orí, deixando ele se manifestar, de forma consciente, subconsciente ou inconsciente. Quando falo em "deixar", digo em não combater aquilo que o Astral tenta te mostrar te projetar e te iluminar. Prestando atenção nos simbolos, nos sonhos, nos sinais de seu corpo, na sua energia manifestada, nos seus sentimentos incompreendidos e nos desejos incontroláveis.

Tenta ouvir o chamado de seus ancestrais, dos anjos e dos orixás, que alguns chamam de Devas, de Elementais ou simplesmente de Guias Espirituais. Tente ver o brilho das estrelas que brilham em seu céu. Tente compreender sua Carta Astrológica Natal e tente compreender as energias que  te cercam ou que formam sua natureza. Assim, você que estuda Wicca, magia, esoterismo ou qualquer outro seguimento, como astrologia, tarô e assim por diante, poderá encontrar no livro OS SENHORES DO DESTINO, de minha autoria, ferramentas, informações e interpretações, para começar a ver sua mediunidade e ancestralidade de uma forma diferente.

Ao observar nossa força ancestral e astral, por exemplo, ao observar ou se dar conta de que do nosso nascimento à nossa morte somos acompanhados por Marte que no caso dos orixás, é a força do poderoso Ogum. Compreender seu papel em nossas vidas e como tê-lo como aliado nessa jornada existencial é a proposta de todo aquele que busca ter ciência de sua força interior e ancestral. E no caso da Umbanda Astrológica, sabemos que essa força se divide em Esquerda e Direta, representada por Ogum do lado Direito e do lado Esquerdo Exu, como também Pombagira. Claro que tudo inserido num grande contexto, tendo que analisar parte por parte um código sagrado que é formado por muitas forças que sustentam um ser neste mundo. Ou seja, em se falando de uma carta astrológica, verifica-se onde está este Marte, quais os aspectos que ele forma e o que ele representa em nossa vida. Assim uma pessoa que tem um Marte fraco, bloqueado, aflito ou exilado, ela terá uma vida mais difícil, possivelmente mais conflituosa e dificuldades na sua vida sexual e amorosa. Mas, claro que todo o contexto, levando em conta todos os temas do mapa e todos os planetas do mapa pra julgar ou interpretar cada parte de uma carta natal. Mas, um Marte negativo, que mostra uma linha de Ogum enfraquecida e uma linha de Exu, mais conflituosa, certamente trará uma vida mais confusa.

Uma mulher com um Marte fraco ou negativo, certamente não tende a ter uma vida amorosa com o sexo oposto muito fácil. A não ser que sua parte do amor em seu horóscopo seja altamente positiva. Da mesma forma um homem com um Marte ruim, não se apresentará com tanto sucesso para as mulheres. Claro que cada "panela" arranja sua tampa e vai atrair alguém afim de uma convivência compatível a sua natureza.

Desses conflitos por exemplo, é que diferenciamos por exemplo se um médium pode ser mais forte ou mais fraco do que outro. Assim vemos que numa guerra entre magos, por exemplo, vemos que alguns são imbatíveis, enquanto outros, caem fácil diante de seus adversários. E isso tem tudo haver com o seu potencial marciano e de sua linha de Ogum e Exu.


Da mesma forma que nós temos alguns padrões de comportamento e de características em comum nos signos e configurações tão bem demonstrados na Astrologia, também na Psicologia existem algumas classificações, tais quais as que encontramos na Psicopatologia. Assim, quando nos referimos ao signo de Áries, Gêmeos, Câncer ou Marte em um determinado signo e casa, para o conhecedor da Astrologia imediatamente uma porta para um mundo de conteúdos significativos se abre, e uma compreensão em comum se dá entre as pessoas iniciadas. Da mesma maneira, na Psicopatologia quando nos referimos ao Transtorno de Personalidade Esquizóide ou Narcisista ou Bipolar, por ex., já somos remetidos a um mundo de significados facilitando a nossa compreensão e a nossa linguagem em comum entre profissionais.

 A Umbanda Astrológica, não leva em contra apenas o signo solar, aliás, como a Astrologia Moderna e Antiga também não se prende apenas ao signo onde o Astro Rei se encontra. Assim, nós na Umbanda Astrológica, levamos em contra a Trindade formadora da nossa alma, diferente da filosofia do Candomblé e Umbanda mais populares, que visa divulgar aos buscadores, a influência de um único orixá. Assim, ao levar em contra que essa trindade age no homem, alertamos o tempo todo as pessoas que teimam ou estão enganadas por falsos mestres, em tentar se compreender buscando interpretar um arquétipo de um único orixá. Na verdade os arcanos que forma um alma, um destino ou um carma, são diversos. E em se tratando dessa Trindade, temos nela a formação do CARÁTER, PERSONALIDADE E TEMPERAMENTO. Sendo formada essa trindade, pelas entidades de cabeça e de frente. Ou seja, Pai e Mãe de Cabeça e Orixá de Cabeça. Como também o Orixá de Frente e assim por diante. Mas, ainda exemplificando essa Trindade, temos no Pai de Cabeça e Orixá de Cabeça, a mesma força paternal, que forma parte da nossa natureza, assim como na Mãe de Cabeça temos a segunda parte e no Orixá de Frente a terceira parte. Essas conotações, interpretações e sistemas, você compreenderá no livro OS SENHORES DO DESTINO E A COROA ASTROLÓGICA DE ORUMILA. Este livro, servirá de fonte de estudo aos astrólogos profissionais, amadores e leigos, como também aos umbandistas, candomblécistas, espiritualistas, kardecistas, médiuns, magos, bruxos e estudiosos de esoterismo. Vemos num mapa de uma mulher por exemplo, que se essa trindade não está em harmonia, seus relacionamentos serão mais conflituosos que as relações de outras mulheres com uma Trindade equilibrada. E por isso, devemos avaliar o horóscopo de cada pessoa, partindo desses três pilares para fazer uma interpretação mais abalizada. Ou seja, uma pessoa que tem uma das três partes negativas, terá dificuldades nessa area e a menos que as outras duas partes, ao estarem positivas, consiga encobrir as desarmonias, essa pessoa poderá ter um desafio maior em se firmar na sua trajetória existencial. Por exemplo, uma mulher que tem um Temperamento desajustado, que é a parte regida por sua Mãe de Cabeça, poderá perder pontos em sua vida sexual e amorosa, por ter ciúmes excessivos, por ter falta de paciência ou por não saber se portar bem no sexo. E assim por diante... Enfim cada caso é um caso, levando-se sempre em conta que ninguém é igual a outro. Cada pessoa é única.

http://portalesdoceu.blogspot.com.br/2014/04/lancamento-do-ano-para-astrologos.html
Aos estudiosos de astrologia, tarô, Ifá, Umbanda, Magia, oráculos e orixás - livro de Umbanda Astrológica: OS SENHORES DO DESTINO E A COROA ASTROLÓGICA DE ORUMILÁ

 Compre o livro de Umbanda Astrológica, conheça mais sobre os SENHORES DO DESTINO,  sobre o ORIXÁ DO DESTINO,  como também formas oráculares, como por exemplo, a soma inédita de sua data de nascimento, a Ifástrologia e os ciclos de Orumila, Exu e Oxalá. No livro também você ficará sabendo mais sobre a posição da pemba frente aos pontos cardeais, sobre os exus e pombagira. Além de saber segredos sobre seu signo, visto pelo prisma do orixá, não apenas o orixá ancestral, mas, o orixá cósmico, o raio divino e sagrado que age do Orum para a Terra ou Ayê.

Axé a todos! E obrigado a todos que estão adquirindo meu livro - que Orumilá o orixá que me inspirou nesse livro, junto com Pai José, abençoe a todos que ajudam nesse projeto comprando um livro, com prosperidade, amor e sabedoria.

Compre o livro nas livrarias Cultura ou Livrarias Saraiva

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Carma sexual e magia sexual - a ação das forças ancestrais

Carma sexual e magia sexual
Pombagiras - carma e magia sexual

As Pombagiras - Entidades sempre incompreendidas


Eu já falei muito de pombagiras aqui, de Esquerda e de Exu, mas, é sempre preciso falar sobre o tema que assusta muitos, confunde a maioria e tem talvez uma das maiores importâncias não só na magia sexual, mas, na busca pela compreensão do karma sexual, amoroso e de muitos mistérios velados do ciclo reencarnatório. Ainda mais que há tanta baboseira publicada sobre o tema, tanto por umbandistas ultrapassados, míopes e cegos, quanto por supostos quimbandeiros que só sabem fazer patacoadas.

Pra começar, falsos puritanos e reformadores dos cultos afrobrasileiros, também num caráter machista ou paternalista, reduziu muito a ação dos orixás femininos e em se tratando de Pombagira, foi ainda mais drástica essa decisão. Pra começar, no meio de 7 vibrações de Exus, apenas uma vibração foi dada a ela. Segundo lhe conferiram um caráter de Kiumba ou de Egun apenas, quando na verdade ela faz parte da mesma vibração de Exu, ou seja, é a parte feminina de Exu. Assim está em todas as linhas e vibrações, tem graus variados e ciclos da mesma forma que Exu. E tem pombagiras que comandam os raios que nunca encarnaram, da mesma forma de Exu, tem as ancestrais, mas, tem também as entidades cósmicas de Pombagira. Além disso, seu papel não é exclusivamente pra área sexual, apesar de ser a área mais importante de sua atuação. Ou seja, sua ligação é com o sexo, mas, não só com ele, pois este tema se liga a diversos outros, por conexões finas e importantes. Como por exemplo, o dinheiro, a saúde, o trabalho ou a família. Assim uma mulher que tem uma pombagira forte do seu lado, não quer dizer que o foco dela seja o sexo ou que seus problemas seja exclusivamente ligados a sexo. Pode ser de saúde, de dinheiro ou de  qualquer outra área. Portanto, quando se fala em pombagira, não atribua a ela, apenas o caráter sexual. Tenta compreender sua linha e qual sua missão neste mundo.

Quem tem uma entidade forte de Esquerda, tem uma de Direita que contrapõe e equilibra as forças. Assim por exempo, tem pessoas que tem uma Pombagira Cigana e que tenta colocar nos ombros dessa entidade a culpa ou a esperança de tudo. Quando na verdade ela também ao ter uma pombagira cigana, também tem uma Entidade Cigana de Direta, que atua no equilíbrio do Cárma e do Dharma. E por isso muitas pessoas não se saem bem, com a magia sexual, pois tratam de um lado e esquecem ou ignoram o outro. Tem pessoas que gastam uma nota preta, induzidos por esses puritanos que se dizem "apenas de Direita" e nunca conseguem nada  pois não tratam de sua ancestralidade de Esquerda. Por isso evitem falos mestres ou líderes hipócritas que pouco entendem de magia e ancestralidade. Em meu livro de Umbanda Astrológica, OS SENHORES DO DESTINO E A COROA ASTROLÓGICA DE ORUMILÁ, tem um capítulo especial sobre Pombagiras, assim também como um que trata de Exu, desde os exus cósmicos, quanto os ancestrais, os mais antigos e os mais recentes. Leia o livro e entenda mais sobre eles.

Carlinhos Lima
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores