Total de visualizações de página

A pombagira

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

A energia abençoada e a vibração de cães e gatos

Conheça Os Senhores do Destino na Umbanda Astrológica. Compre o livro de Carlinhos Lima e fique por dentro das novidades sobre  orixás, pombagira, magia, exu, oráculos, destino, carma sexual, numerologia dos orixás e magia sexual. (Acesse e compre aqui: Livraria Saraiva ou Livraria Cultura)

 Pet-vibração: A energia positiva de cães e gatos


Cães e gatos servem como dispositivos de equilíbrio de energias e harmonização de um lar. Não sei se seria exagero chamá-los de amuletos, mas, a verdade é que espíritos ruins não gostam de ambientes onde tem cães e gatos, acima de tudo se esses bichinhos forem bem humorados, espertos e perspicazes. Porém, tudo tem uma regra! Não é porque determinada coisa é benéfica que ela vai atuar como talismã pra todo mundo não! Ou seja, pessoas que tem a linha de Ogum bloqueada por exemplo, o melhor é não ter animais, especialmente cães, pois é por isso que tem muita gente que briga e até se mata com vizinhos por causa de seu amigo de quatro patas. Por isso fique sempre atento se suas linhas são favoráveis a este ou aquele comportamento e convívio. Muitas pessoas também morreram em vidas passadas, comidos por cães, lobos, leões, tigres, onças ou outros animais ferozes, por isso, poderão continuar tendo problema com animais também nesta encarnação...

Muitos proprietários de gatos, tomados pelo ceticismo, se ofendem, ou negam os atributos naturais de seu bichano, como se este fosse denunciar aos olhos alheios, os pontos de desarmonia em sua residência ou local de trabalho, como se fosse possível encontrarmos um único lugar no mundo onde energias negativas e positivas não se alternem ou se concentrem. O cão é classicamente conhecido como o melhor amigo do homem, tamanha é a sua relação de fidelidade e festividade dirigida a seu dono, sendo de grande aceitação e admiração por todos. 

O livro OS SENHORES DO DESTINO NA LIVRARIA CULTURA

Devemos ficar atentos quanto ao comportamento do cão; quando este age de forma inexplicada; se late para paredes ou cantos vazios é hora de considerar uma limpeza energética no ambiente; quando ele se achega a um desconhecido ou se porta de forma repulsiva também é algo digno de nota. Com o gato é diferente. Criatura cultuada por notórias civilizações da história da humanidade, companheiro inseparável de bruxas e feiticeiros, traz em torno de si muito mistério. Esse bichinho encantador, de preferência noturna, age quase que de forma soturna. Anda de lá pra cá, de forma discreta, quase a bailar, tendo por hábito permanecer no local de maior concentração de energia negativa do ambiente, agindo como esponja; assim sendo, há nele uma necessidade muito grande de descarregar essas frequências que não são suas, e ele procura então um lugar para arranhar; como que afiando as garras ele se despe do pesado fardo. As vezes a concentração dessas energias nocivas é tanta, que o gato comporta-se de forma enlouquecedora, muitas vezes cometendo suicídio. Energias perversas, nocivas ou negativas, impregnam o ambiente através de aparelhos eletrônicos, de redes elétricas próximas ao imóvel, rede de água e esgoto, objetos, pessoas circulantes ou moradoras do local, etc. Logo ter a companhia desses animais nos é de grande valia, além da enorme satisfação. Devemos amar com respeito e gratidão nossos queridos bichinhos, que além da alegria do convívio, nos prestam grandes favores. 

Os cachorros possuem uma capacidade perceptiva que transcende qualquer explicação. Já foi feita uma experiência nos EUA. Na hora em que a moça se levantou da cadeira para ir para a casa, o cachorro acordou e foi para a porta abanando o rabo e só parou quando ela o encontrou ao abrir a porta da casa. Os cachorros percebem quando você está triste e ficam por perto. Ao contrário do gato que transmuta energia negativa em positiva, o cachorro traz a energia positiva do ambiente para você; muitas vezes para lhe ajudar a sair das doenças, principalmente a depressão. São excelentes catalisadores de energias de cura. Captam as doenças dos seus donos e as transferem para si, como forma de ajudar, muitas vezes morrendo em seu lugar. Assim como acontece com as pessoas, cada um é para cada um do jeito que precisa ser. Se você acredita que o seu bicho é saudável, ele será. Eles também possuem papéis. 

Muitos cães que apresentam problemas de coluna, os donos igualmente têm os mesmos problemas. Foram vários pacientes atendidos em que o cão e o dono estavam com hérnia de disco e sofrendo com o problema, esse é somente um exemplo, são muitas as doenças em que proprietário e animal apresentam os mesmos sinais. Isso porque o bichinho capta a energia, vibração e carma do dono. E em muitos animais, acabará afetando a saúde fisica do mesmo. Entendendo como a energia influencia sua vida e a dos que estão ao redor, aprendendo a se defender de pessoas negativas, que influenciam negativamente a vida das pessoas, qual a importância dos animais na vida dos seres humanos, as terapias mais indicadas e a que ponto um padrão de vida (pensamentos, sentimentos e atitudes) negativo agride sua vida. É possível ter uma vida harmoniosa, saudável, feliz e próspera. 

Espiritualmente falando, os gatos suportam as forças mais pesadas dentro de um ambiente e até aquelas emitidas por magias, feitiçarias, vodus etc. Eles apresentam esta força porque são muito protegidos pelas energias Divinas e o Universo favorece esse animal para também protegê-lo de possíveis trabalhos indesejáveis, principalmente os gatos pretos. Por essa razão, as bruxas e os magos possuem esse animal de estimação porque eles realmente protegem qualquer espaço ou recinto. Eles também têm o poder de absorver e eliminar aquelas vibrações negativas de nosso corpo. Enquanto dormimos, os gatos estão ali fazendo este trabalho. Quando chega a hora dos gatos dormirem, aí sim, eles liberam toda a nossa carga absorvida por eles por um período mas, muitas vezes, não dá tempo para que todo o processo ocorra, aí os gatos acumulam o restante da carga como gordura. Muitas vezes pensamos que os bichanos estão comilões demais, mas talvez não seja isso. É que eles acumulam os restos de energias negativas e ficam obesos automaticamente. Mas não se preocupem, as energias serão liberadas de forma lenta, com certo tempo, mas serão. 

Para os curandeiros, na época de Atlântida, os gatos eram usados como uma via natural de cura. Eles faziam muitas visitas em vários locais com a magia dos Cristais, mas existiam lugares que as pessoas não aceitavam o uso dos Cristais porque imaginavam ser algo de magias escuras. Aí, os curandeiros levavam os gatos para ajudarem nessa batalha de cura, purificando, inicialmente, todo o ambiente. Se uma pessoa com más intenções fizer uma visita a você e o gato se aproximar, não brigue com ele. Ele está simplesmente ali para te proteger de qualquer vibração negativa do visitante em relação a você, pois os gatos apresentam forte sensibilidade para isso.Se for possível, tenha mais de um gato em sua residência, assim as energias negativas serão transmutadas em positivas com mais rapidez. 

COMPRE O LIVRO DE UMBANDA ASTROLÓGICA NA LIVRARIA SARAIVA

Não há lugar para mentira, falsidade e manipulação, pois a verdade e a sinceridade são os caminhos

Quando se pesquisa sobre Umbanda ou Espiritismo, sempre vemos os mesmos clichês, coisas repetitivas, além de um monte de bobagens escritas por autores com supostas psicografias, que na verdade não passam de romance e ficção. A espiritualidade, tem bases na mecânica cósmica, na geometria sagrada e na ancestralidade. Essas historias que sempre colocam na boca de entidades é bom pra vender livros, mas, a verdade é que a magia e ritualística ancestral é mais profunda que tudo isso que colocam nos livros de conteúdos de ficção! Umbanda é magia, como todo estilo sacerdotal, tem muito mais da mecânica dos grandes magos do que dos dogmatismos religiosos. Um bom exemplo é Arão, como também Melquisedeque ou o próprio Moisés. Umbanda não é fantasia como se fosse o Sitio do Pica-pau Amarelo...

Provérbios 6:16-19 - Há seis coisas que o Senhor odeia, sete que são uma abominação para ele: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal, a testemunha falsa que profere mentiras, eo que semeia contendas entre irmãos. 

 Martin Luther King Jr. disse a famosa frase: "Eu acredito que desarmado verdade e do amor incondicional terão a palavra final na realidade. É por isso que a direita, temporariamente derrotado, é mais forte do que o mal triunfante. " O amor incondicional tem que ser paciente e deve estar disposto a esperar, mesmo que isso signifique para sempre. "Encontrei um paradoxo, que se você amar até doer, não poderá haver mais dor, somente amor ", disse Madre Teresa.

As pessoas geralmente falam sobre a "busca da verdade", uma expressão que sugere que a verdade é uma qualidade limitada ou quantidade de informação visível através de uma combinação de tempo e esforço. De fato, muitos filósofos e cientistas se aventurar a descobrir "a verdade": as universalidades escondidos que tornam a vida inteligível e clara, conciliar todas as contradições e resolver todos os mistérios. No entanto, apesar de alguns [equivocadas] estudiosos têm professado tê-lo encontrado, a grande maioria descobriu que quanto mais eles perseguiram verdade, o mais evasivo que se tornou. Como perseguir a própria sombra, o mais rápido corre atrás dele, mais rápido ele foge. É a sua experiência comum em desacordo com a expressão idiomática "busca da verdade"? Talvez a verdade não pode ser perseguido, talvez ele não está lá fora esperando para ser encontrada? 

Em relação ao estudo da Torá, isto é interpretado como significando que aquele que se sente ignorante e vazia de significado verdadeiro de um ensinamento está aberto para avançar para um novo nível de entendimento, mas aquele que sente que ele compreendeu a verdade, fecha a passagem diante dele. Aqui reside uma explicação para a mitzvah de fixar Mezuzot sobre os nossos umbrais. A mezuzá, uma seção da Torá escrita em pergaminho, representa o estudo da Torá, em geral, ao passo que a porta sobre a qual ela está afixada significa a sensação de vazio que é um pré-requisito para a entrada que o estudo da Torá. 

Esta elucidação do Midrash podem aparecer para apoiar a noção de que a verdade é não detectável; que uma verdade mais elevada é sempre mais além. O Ben Ish Chai, um século 19 sefardita místico de Bagdad define a verdade como realidade além do alcance humano, completamente inacessível. Após a leitura Haftarah, uma bênção é recitada, que conclui: "E todas as Suas palavras são verdadeiros e justos". O Ben Ish Chai, distingue entre os termos "verdadeiro" e "justo", como aplicado a Deus, lembrando que a primeira ea última letras do hebraico para o justo, צדק , São vizinhos da Aleph-aposta, enquanto que a primeira ea última letras da verdade, אמת , Estão em extremos opostos Aleph-Bet 's. Isso, explica ele, significa duas maneiras que D'us governa nossas vidas. Às vezes, Deus nos revela como as peças de quebra-cabeça da vida se encaixam perfeitamente juntos; série de eventos parecer simples, e da providência divina torna-se evidente. Nessas ocasiões nos referimos a conduta de D'us como "justo". 

Em outros momentos, no entanto, D'us afasta as peças do puzzle do outro, tornando-nos capazes de conectá-los juntos; eventos parecem fazer pouco sentido e deixar-nos perguntar 'Por quê?' Por exemplo, "como o mal pode acontecer a uma pessoa boa? ou "por que eu estava concedido sucesso quando eu era claramente não merece? Em tais experiências que se referem à conduta de D'us como 'true'. O termo "verdade" neste contexto é usada para significar que, embora as peças do quebra-cabeça da vida parecem seres humanos como incoerente, aleatório, e incompatíveis, a partir de D-us perspectiva tudo é coesa, precisa e ordenada. D'us pode conectar o Aleph eo Tav, ao passo que não podemos;. Verdade é com D'us sozinho.

Nas sociedades africanas, programas de faixa etária são considerados vitais para o sustento dos valores étnicos, culturas, tradições, e para a preparação dos jovens para a vida adulta responsável. O jovem entra nos esquemas de grupo idade através de ritos de passagem actividades destinadas a promover o espírito de pertença, a identidade do grupo único e disciplina. Ritos de passagem cerimônias geralmente envolvem entrevistas de pré-admissão de estabelecer expectativas, metas pessoais limitações e áreas que requerem atenção treinamento especial pelo novo operador. Nenhum pedido é rejeitado porque o esquema é obrigatória para todas as crianças qualificados pela idade na comunidade. As crianças são ensinadas habilidades especiais e treinos, em preparação para suas cerimônias de admissão, que geralmente exigem que as crianças acabam em, design atraente, uniformes de identidade de grupo puro e kits. Eles tomam juramentos de fidelidade, fazer promessas, mostrar comportamentos e habilidades aprendidas, em solos ou em grupo atos de marcha, brocas, exposições culturais, para entreter uma platéia composta em grande parte de membros da família orgulhosos, amigos e um público admirando. Técnicas de ensino enfatizam atividades em grupo, oficinas, debates, palestras, sessões de estudo de caso, atividades ao ar livre, incluindo camping, retiros e visitas a instalações públicas e outros de interesse e ou de importância histórica. O foco de todas as atividades é para alunos de raiz nas normas tradicionais africanas e culturas. As crianças são, portanto, ensinou algumas linguagens populares africanos, jogos, danças, etiqueta, e estimulados a absorver os valores africanos, hábitos, estilos de moda, e ter orgulho na sua herança Africano. Visitas programadas para diferentes cidades e países africanos são regularmente organizados para os membros. Passeios periódicos e festivais são encenadas (conhecido como Odun-EGBE festival), para mostrar a seus pais e ao público em geral, o progresso que eles estão fazendo como membros de seus grupos. Cada grupo tem o seu código de conduta e regulamentos, hino especial, bandeira, modo de saudação, e outros rituais que dão ao grupo uma personalidade e imagem distinta. Clubes especiais, tais como dança, coral, teatro e grupos culturais, debatendo, literária e atividades de pesquisa histórica, poderia ter masculino misto e grupo etário feminino temporária adesão conjunta s, caso contrário, os grupos de meninos e meninas são separados por causa de exigências de formação de gênero peculiares. 

Grupos femininos Adolescentes são chamados Irun-mgbede . Principalmente, os grupos preparam as meninas para a feminilidade. Eles têm os professores, principalmente do sexo feminino, mentores e figuras maternas. A faixa etária determina a ênfase dada ao conteúdo da disciplina e método de treinamento. Geralmente, as meninas são ensinados a crescer normalmente e como senhoras, e como comportar-se, principalmente em público. As aulas são realizadas sobre a forma de sentar com as coxas cruzadas, falar com as pessoas em uma variedade de situações, caminhar com equilíbrio e de forma inteligente, e se vestir para ocasiões diferentes. As meninas são educados nos rudimentos da limpeza, preparação de alimentos, métodos de servi ng e outras tarefas domésticas. Eles são ensinados a higiene pessoal e cuidados com o corpo, as questões de saúde do sexo feminino em geral, e da preparação para a puberdade. A necessidade de permanecer virgem antes do casamento é enfatizada como uma virtude e grande honra para a moça, seu marido, sua família ea sociedade em geral , por meio do fortalecimento dos valores morais. O Ma'at é totalmente contra a gravidez na adolescência, porque desonra a família e cria sérios problemas para a sociedade eo jovem mãe a ser, cujas perspectivas de carreira, na maioria das vezes, se s finalizado abruptamente, forçando-a a tornar-se um passivo para a sociedade, si mesma, seu filho e sua família. As meninas são ensinadas como se preparar para o casamento. Usando a cabeça eo coração, em vez de mais tarde só nos relacionamentos, especialmente quando eles estão prestes a tomar a mergulhar em casamento. 

Como citei acima, tanto cabalisticamente, quanto ancestralmente, do prisma Iorubá, vemos que as crenças, ritos e regras são respeitadas. A falsidade, a mentira, o engodo e artificialidades não tem lugar na tradição ancestral.

O amor verdadeiro é lindo e não vê defeitos

Quem não acredita em amor, em alma gêmea e eternidade, pergunta com um sorriso cínico no canto da boca, "como é o amor verdadeiro? Ele existe mesmo?" E eu respondo, sim! E ele é forjado com o fogo da espontaneidade e com pitadas de ingenuidade, pois o amor, tem a maior parte de sua essência na pureza, não tem muita racionalidade. Razão nasce de um vertedouro perigoso, onde também mora a malícia, desejos escuros e dá margem pra obsessão, pois quando se busca razões demais, acabamos desenvolvendo apegos.

O amor verdadeiro é simples, é luminoso e nasce das coisas mais leves, fiéis e verdadeiros. E uma das bases do amor é o respeito, que se conecta a vontade de se conectar. Até mesmo se falando em poder de amor divino, o Cristo dizia "Eu e Pai somos um". Assim quem ama acaba querendo e conseguindo se tornar, um só corpo e uma só carne. E até mesmo o amor de carinho e respeito por um animal ou um amigo próximo a vontade ficar mais tempo com ele só aumenta... Assim o desejo dá lugar a satisfação de sentir, tocar e compreender o outro! Namastê a todos...

"Eu mesmo estou inteiramente feito de falhas, costuradas com boas intenções." - Augusten Burroughs , Pensamento Mágico: True Stories 

"Eu não sei. Só porque alguém é bonito não significa que ela é decente. Ou vice-versa. Eu não estou em aparências. Eu gosto de falhas, eu acho que eles fazem as coisas interessantes. " - Sarah Dessen , The Truth About sempre 

"Nada é perfeito, o mundo não é perfeito. Mas ele está lá para nós, tentando o melhor que pode, que é o que o torna tão lindo ". - Hiromu Arakawa , Fullmetal Alchemist, vol. 01 

O verdadeiro amor é altruísta e incondicional. O verdadeiro amor não conhece fronteiras. Não é crítico, mas muito acolhedora. Os Backstreet Boys cantaram: "Não me importa quem você é, de onde você é, o que você faz, contanto que você me ama." O amor incondicional só dá, mas não leva nada em troca. 

C. JoyBell C. -  "Deveria ser um privilégio ser capaz de dizer eu te amo para alguém. Não deve ser algo que as pessoas dizem, só porque eles se sentem como ele. Um privilégio que é merecido. Eles dizem que você tem que ganhar o direito de ser amado, não, o amor é incondicional, se você ama alguém, eles não tem que ganhá-lo. Mas. O direito de dizer a alguém que você ama? Isso tem que ser conquistada. Você tem que ganhar o direito de ser acreditado".

O sentido da vida

É difícil dizer qual é o sentido da vida, os desígnios de Deus pra onde nos levarão ou o porque de vivenciarmos isso ou aquilo. Mas, as vezes observando os animais, podemos até entender um pouco mais profundo o sentido da existência dos seres vivos, do que observando propriamente os humanos. Ai folheamos alguns escritos cabalistas, filosóficos, religiosos ou espiritualistas, pra chegar a conclusão de que nascemos realmente pra evoluir! Mas esperai... Evoluir pra quê? Se vamos morrer!??? É duro pensar que por exemplo uma mulher linda desejada nos palcos, na mídia e nas passarelas, tida como miss disso ou daquilo que passa horas se arrumando no espelho, ou perde tempos no cabeleireiro pra ficar bonita, apodrece, fede e se estraga rapidamente, poucas horas após seu corpo morrer! Então evoluir o que? Eis a questão! Bem ai só nos sobra a opção mais obvia a meu ver, que é evoluir a alma! E que nosso espírito não morri com o corpo, ele é eterno. Mas, como seria essa evolução? Consultando toda busca de iniciados, magos e filósofos, temos que dominar nossos instintos, evitar pecados e crescer em bons sentimentos, ou seja, ser pleno em amor, verdade, sabedoria e justiça.

Todos nós queremos viver uma vida significativa. Mas por que estamos vivendo? O que estamos fazendo neste mundo? Para encontrar a resposta a esta questão central, devemos olhar no próprio livro da vida - a Torá, que é chamada Torat Chaim (a Torá viva). A palavra "Torá" significa "instruções" ou "orientação", pois a Torá é nosso guia na vida. A Torá nos faz constantemente conscientes de nossos deveres na vida, que nos dá uma verdadeira definição de nosso propósito, e isso nos mostra os caminhos e meios para alcançar este objetivo. 

Na época da criação a Shechiná - Presença Divina - descansou na terra. Após o pecado de Adão, a Shechiná se da terra para o primeiro firmamento (os Sábios falam da existência de sete firmamentos, ie, níveis espirituais), e depois os pecados de Caim e Abel, ea geração subseqüente de Enos, a Shechiná -se ainda mais para o segundo e terceiro firmamento etc, até que a Shechiná foi removido, por meio dos pecados das gerações seguintes, ao sétimo firmamento. Foi a Abraão justo que, por meio de seu serviço Divino, voltou a Shechiná por um nível para o sexto firmamento. Seu filho Isaac e seu neto Jacó, e, posteriormente, as gerações subseqüentes de pessoas justas, voltou ainda mais a Shechiná, até que Moshê, a sétima geração de Abraão, voltou a Divina Presença a esta terra, quando ele construiu o Tabernáculo no deserto ea Shechiná repousou lá . 

Um dos grandes ensinamentos do Baal Shem Tov, o fundador do movimento chassídico, é a de um processo criativo em curso. Energia criativa Divina está constantemente pulsando através da criação, fazendo-a existir a cada segundo. No texto, "Façam para Mim um santuário, para que eu possa habitar no meio deles", encontra-se um significado mais profundo. Gramaticalmente, deveria ter dito, "para que eu possa habitar nele", no entanto, afirma: "para que eu possa habitar no meio deles." Os Sábios salientar que a construção do Tabernáculo é um ponteiro para cada pessoa a fazer uma morada para a Presença Divina dentro de si. Como mencionado anteriormente, cada pessoa é infundida com uma alma Divina. É tarefa da alma fazer um Tabernáculo para fora do corpo em que ele reside, elevando todas as funções corporais a um propósito divino. 

Os Sábios nos dizem que um ser humano é composto de 248 membros e 365 tendões. Estes correspondem aos 248 mandamentos positivos e os 365 mandamentos negativos da Torá. A palavra mitzvah em aramaico significa "uma conexão". Assim, há 613 maneiras de se conectar com o Grande Deus. O homem tem a capacidade de conectar todo o seu ser com o Grande Criador. Ao realizar esta tarefa ele cria uma morada para G-d neste mundo, cumprindo, portanto, o propósito da criação. 

Os mundos do espiritual eo material não estão em conflito. O objetivo final é que eles ser fundido eo material impregnado com o espiritual. O núcleo de todo o desempenho mitzvah é tomar a criação material e utilizá-lo para um propósito Divino. Isso proporciona uma harmonia maravilhosa tanto no indivíduo e no mundo em geral. Este tema não é relegado à sinagoga ou momentos de prática religiosa. Ao contrário, abrange todos os tempos e lugares; onde e quando uma pessoa opera ele é capaz de utilizar a tarefa à mão para seu correto, o Divino propósito. 

O Talmud está repleto de referências ao mundo vindouro. Maimônides o descreve como um "mundo das almas", um plano espiritual para que a alma retorna após sua estada neste mundo. A alma é dar conta da sua vida e, consequentemente, seus méritos e deméritos são cuidadosamente pesados ​​nas balanças Divinas. Em seguida, é recompensado por suas boas ações e estudo da Torá. A recompensa assume a forma de uma revelação da glória de Deus", aquecendo-se a luz divina". Pode ser necessário para a alma para ser purificado de suas indulgências e iniqüidades e por isso ele é enviado para Gehinom, um local de purificação espiritual, após o que sobe para o céu. O Talmud usa os termos "Jardim do Éden" ou a "Academia Celestial" para descrever diversos níveis e estágios da recompensa celestial. 

Para os Yorubas que são um grupo étnico importante principalmente ocupando No sudoeste da Nigéria. Principalmente por razões genéticas, este muito grande tribo passa a apresentar o mais alto de gêmeos dizigóticos taxa do mundo (4,4% de todas as maternidades). A alta perinatal taxa de mortalidade associada a tais gravidezes tem con- contribuiu para a integração de um sistema especial de crença gêmeo dentro da religião tradicional Africano desta tribo. O último é baseado no conceito de uma divindade suprema chamada Olodumare ou Olorun, assistida por uma série de deuses secundárias (Orixá) enquanto Yoruba religião envolve também a imortalidade e reencarnação a alma baseada no culto animista dos antepassados. Os gêmeos são portanto, recebem nomes especiais e acredita deter especial poderes sobrenaturais. De acordo com seu refinado artística tradi- ção, os Yoruba produziram inúmeras estatuetas de madeira chamado Ibejis que representam as almas dos recém-nascidos mortos gêmeos e estão envolvidas em rituais elaborados. Entre Yoruba tradi- crenças internacionais e lore alguns temas relacionados com gêmeos são representadas que também são encontradas em outras partes do mundo. Características básicas das crenças originais Yoruba ter encontrado o seu caminho para as tradições religiosas dos descendentes de Africano escravos importados nas Índias Ocidentais e na América do Sul. 

Sobre a ancestralidade Iorubá, sobre a história dos orixás, do Ifá, de Orunmila, dos oráculos e todo enredo gerado entre destino e livre-arbítrio, apresentarei no meu primeiro livro de Umbanda Astrológica, que estará pronto em breve...

O grande poder dos amuletos e talismãs - magia, proteção e conquistas

A questão de amuletos é um tema polêmico, especialmente no Brasil. Por causa da banalização da magia, do aumento da superstição muita coisa séria virou alvo do deboche de cínicos e céticos. O interessante é que o cristianismo foi moldado dentro de uma foma de fé muito voltada aos amuletos e talismãs, como por exemplo o mais famoso deles, a cruz ou crucifixo. Mas, muitos que leem a Bíblia mas, não entende, usam-na pra atacar a fé dos outros. Claro que acreditar em pé de coelho, trevo de quatro folhas e outras coisas é uma questão de fé de cada um, pode ser apenas elementos de contos de fadas, mas, os segredos dos amuletos e talismãs vai muito além disso. No catolicismo, vemos muito viva ainda a cultura de escapulários, medalhas milagrosas e terços.

Mas, vai além disso o cálice e a hóstia consagrada são elementos sagrados que podemos sim definir como objetos talismânicos. E tudo tem sua simbologia, vimos que o Cristo na Santa Ceia, usou esses elementos pra falar da vida e da morte, como também da ressurreição.

Na Umbanda e Candomblé, temos as guias e uma imensidão de elementos magísticas, que muita gente não sabe nem o que é fica falando do que não deve... Tudo remonta à descoberta da importância dos símbolos mágicos pela humanidade. Pessoas no antigo Egito notou que amuletos com alguns símbolos concedeu-lhes força incomum e poder inesperado, enquanto amuletos com outros símbolos os protegeu contra doenças mortais e infortúnio. Este conhecimento foi usado por faraós, governantes e aqueles no poder, e agora se tornou disponível para as pessoas comuns. 


Amuletos pode dar a vida das pessoas um curso desejável. A variação positiva é causada por diferentes efeitos de amuletos. Um dos efeitos é que eles criam um escudo psicológico contra tudo o que você quer ser protegido contra. A primeira forma de um amuleto era a garra de um animal ou de dente, o que um homem da Idade da Pedra usaria em seu pescoço para proteção e coragem. Ele deu-lhe coragem para a caça e poder sobreviver no futuro. Da mesma forma, ao colocar em um amuleto, você permite que sua mente para começar a emitir a energia positiva de segurança e confiança. Outra causa de incrível eficácia 'amuletos é a sua adaptação ao ritmo e capacidade de atrair boa sorte vital do seu corpo. 

Ao longo de muitos séculos, amuletos evoluiu para diferentes elementos de decoração e encantos de proteção, e agora eles são muito diversas e único. É por isso que é praticamente impossível para anexá-los a um certo tipo. Materiais mais comuns usados ​​em amuletos são ervas, madeira, pedras e metal. No entanto, pode ser chocante para descobrir o que os objetos foram e estão sendo usados ​​como amuletos em algumas culturas. Alguns amuletos estão intimamente relacionados com as crenças religiosas das pessoas. Por exemplo, os adeptos do Islã usar pequenos amuletos com texto Alcorão em seus pescoços. Alguns dos encantos mais poderosas e populares são chineses, judeus, Oriente Médio, Egito, tailandesa, italiana e amuletos turcos. 

Símbolos gravados em amuletos são sempre de grande importância. Todos eles têm o seu próprio propósito e efeito. Existem três tipos gerais de símbolos que são mais comumente usados ​​em amuletos: Símbolos de proteção: olho, mão, ferradura, e cobra. Símbolos de equilíbrio universal e bem-aventurança: yin e yang, o sol ea lua. Símbolos da fertilidade e da abundância: árvore de vida, sapo, cornucópia e vajra. 

Os 72 nomes dos anjos em jóias acessórios que são todos feitos de metais preciosos, a prata eo ouro, principalmente, Sterling, e vários estão decorados com pedras preciosas energéticos, como Chrysoberyl e Turquesa. São excelentes proteções contra todos os males além de atrair muitos benefícios. Os 72 nomes de joias acessórios quando estão muito bem gravado em hebraico com um ou mais seqüências de três letras, juntamente com os salmos correspondentes de textos Kabbablisticos, são muito poderosos e miraculosos. Os 72 nomes de Deus é um tema de destaque na Kabbalah e são jóias que deixam você abençoado . Os 72 nomes de Deus são compostas de 72 combinações de três letras do livro de Êxodo a partir do qual a Kabbalah deriva suas respostas a vários aspectos da vida, tais como o sucesso, amor e saúde. Cada um dos 72 nomes de Deus tem o poder único e energia, dependendo da finalidade. Nós convidamos você a procurar o pedaço de de metal e gravar com conhecimentos de Kabbalah suas jóias que combinam os elementos que melhor atendem às suas necessidades e desejos. Além de procurar saber quem são os seus anjos e em que areas eles atuam.

Da mesma forma amuletos com os selos e pontos dos orixás, em alfabeto watâmico, também trazem bençãos, poder e prosperidade. A muletos estão na fronteira entre a Cabala prática e uma manifestação externa da Cabala, como o cálculo nome. Há uma fonte de amuletos na Torá. Quando um grande sábio escreve Santos Nomes, (sem pronunciá-las) em pergaminho e coloca-lo em um recipiente que é usado pelo destinatário, ele pode possuir poderes curativos e espirituais. No início da vida de Baal Shem Tov, uma vez que ele era um curandeiro, ele usou amuletos. Às vezes, o amuleto funciona por causa da fé do destinatário no poder espiritual do amuleto. No final de sua vida, o Baal Shem Tov nunca escreveram os nomes de Deus, só a sua própria assinatura, Yisrael ben Sara ou Yisrael ben Eliezer. Este foi o último amuleto dado pelo Baal Shem Tov.

Rebe de Lubavitch deu notas e moedas de dólares para as pessoas em prol da caridade. Ele deu um presente físico real, mas estava ligado ao mitzvah espiritual ("mandamento") da caridade, no mérito de que bênçãos pode ser efectuada. Os Sábios nos ensinam que quem recebe uma moeda das mãos de Job (um tsadic) recebe uma bênção. Esta é a fonte no Talmud que receber uma moeda de um grande tsadic traz consigo uma bênção. Assim, vemos que existem amuletos que são permitidos. O fator determinante é a justiça e as intenções da pessoa que dá o amuleto. 
 Rolagem do rabino Azulai está escrito em um pergaminho kosher e inclui muitas virtudes e signatários Salomão que têm o poder para garantir o sucesso em todos os aspectos da vida. Além de elevação espiritual, o rabino Azulai pode fornecê-lo com boa saúde, parceria, amor, fertilidade, proteção contra o mal de olho e de magia negra e, finalmente, qualquer coisa que você pode pedir. O pergaminho é pessoal e é escrito por uma ordem pessoal. Ele é escrito em escrita a mão e com uma tinta especial kosher sobre uma pele de veado Todos os componentes do deslocamento são naturais e é escrito da mesma maneira uma Bíblia kosher está escrito. O pergaminho é uma espécie de um encanto tempo de vida. Pessoa pode encomendá-lo especialmente para si mesmo, está escrito de acordo com o seu pedido, nome, data de nascimento e nome da mãe.
 Amuletos de Rabi Azulai foram formados mais de 500 anos atrás pelas mãos dos maiores cabalistas da geração, Yehuda Elizur. Ele foi construído de acordo com as condições e instruções específicas delineadas em várias obras santas. O amuleto fornece-lhe proteção, impede a pobreza e melhora a sua situação econômica. Ela traz sorte e felicidade e também usado contra o mau-olhado e tristeza. Ele aguça sua intuição. Para além de incentivar a riqueza, mas também intensifica sua personalidade, seu carisma, sua auto-confiança e habilidades, promovendo o sucesso e prosperidade em muitos campos. 

De tempos antigos, as pessoas em todo o mundo têm vindo a utilizar amuletos e talismãs para melhorar seu desempenho sorte, vida amorosa, negócios e prestador de cuidados e bem-estar geral. A sorte é um componente importante de nossa vida diária. Não importa o quão inteligente somos ou quão duro trabalhamos, às vezes ele simplesmente se resume a estar no lugar certo na hora certa. Como tal, as pessoas ao longo dos anos têm vindo a talismãs pessoais para ajudá-los a atingir seus objetivos e aspirações. Os símbolos e letras incluídos nestes amuletos são muitas vezes baseadas em personagens antigos Cabala. Esses roteiros são escritos por pessoas que possuem o conhecimento e vêm estudando a Torá e Zohar por muitos anos. Por exemplo: do rabino Azulai especiais bons talismãs sorte tentar ajudar os empresários a atrair mais clientes e aumentar a sua sales.It total deve-se notar que a Cabala não é uma ciência exata e, portanto, o rabino Azulai não pode garantir resultados de seu trabalho. Pessoas que estão expostas a olho e magia negra maldições mal pode sofrer danos à sua propriedade, carreira e relacionamentos. Como tal, talismãs de proteção do rabino Azulai tentar fornecer proteção contra o mau-olhado , magia negra e outras maldições de vodu. O rabino tenta utilizar sua experiência em Kabala para remover as energias negativas e estabelecer o equilíbrio certo de energias positivas e negativas no corpo. 

Desde os primeiros tempos, o homem tentou se proteger do infortúnio pelo uso de objetos que ele considerava santo ou de outra forma (por exemplo, magicamente) potente. Uma das maneiras de fazer isso é manter o objeto perto de sua pessoa, muitas vezes usá-lo como uma peça de roupa, ou como um ornamento. Considerou-se que os espíritos malignos que causam infelicidade não ousaria atacar um modo protegido. Tem sido sugerido que este desejo de proteção é a fonte de hábito do homem para enfeitar-se com jóias e outros ornamentos, a fêmea que é mais fraco - e, conseqüentemente, em maior perigo - tem a maior necessidade de proteção. O costume desenvolvido para que as pessoas têm em suas pessoas pedaços de papel, pergaminho, ou discos de metal inscritos com várias fórmulas que protegem o portador da doença, o "mau-olhado", e outros problemas. O uso de inscrição como um meio para afastar os maus espíritos resultou de uma crença nos primeiros tempos na santidade e no poder das palavras. Tais artefatos são conhecidos como amuletos (para outros tipos de encantos e itens de proteção, consulte * Magia ). Não se sabe se amuletos foram usadas no período bíblicos. Presumivelmente, eles eram, mas não há nenhuma evidência direta para provar isso. O judaísmo tradicional não considera tefilin e mezuzá - quaisquer que sejam seus antecedentes originais podem ter sido - como amuletos. O objetivo do tefilin é indicado para ser "por sinal na tua mão" (Dt 6:8) e da proximidade imediata do verso sobre mezuzá, parece que o seu objectivo é o mesmo. Enquanto um rito bíblico envolvendo os umbrais (Êxodo 11:07, 13) teve uma função apotropaic ea tradução atual para tefilin (filactérios "") sugere a mesma finalidade, a interpretação tradicional do "sinal" era a de um lembrete de mandamentos de Deus e do dever de o judeu a dar testemunho de seu Deus. 

Amuletos são freqüentemente mencionados na literatura talmúdica. O termo usado é kame'a ou kami'a (pl. kemi'ot ou kemi'in), uma palavra cuja origem é obscura. É possível que ele deriva de uma raiz que significa "ligar" (cf. Rashi para Shab. 61a), mas pode vir de uma raiz que significa em árabe "pendurar". Em qualquer caso, a referência é claramente algo que está ligado ou pendurado na pessoa (cf. Kohut, Arukh, 7 (1926 2), 123). O Talmud menciona dois tipos de kemi'ot: uma escrita e da ikrin kame'a shel, um kame'a feita a partir de raízes de uma determinada planta. O kame'a escrito era um pergaminho com a inscrição de um ou mais citações de uma variedade de fontes, incluindo as Escrituras (cf. Shab. 61B). A questão surgiu se os amuletos foram investidos com a santidade dos pergaminhos bíblicos e se devem, portanto, ser salvo de um incêndio que ocorre no sábado. Um baraita é citado que afirma especificamente que eles não são santos e que, juntamente com outros textos que contenham citações bíblicas (Literatura Berakhot), devem ser deixadas para queimar (ibid.). No texto original Tosefta, no entanto, nenhuma menção é feita de kemi'ot (Tosef. Shab. 13:4). Infelizmente, não há nenhum registro no Talmud das inscrições nos amuletos (mas veja Yoma 84a). Amuletos posteriores foram inscritos com citações relevantes para a sua finalidade específica. O texto do Bênção Sacerdotal (Nm 6:24-26) foi considerado eficaz contra o "mau olhado". Permutações e combinações das letras dos diferentes nomes de Deus foram usados ​​freqüentemente; nomes de anjos também eram muito comuns. O amuleto mais simples tinha uma inscrição do nome de Deus em um pedaço de pergaminho ou de metal, geralmente feito de prata; ה (He), יה (YaH) e שדי (Shaddai, "Todo Poderoso"), sendo muito popular. Estes ainda um lugar de destaque em pingentes usados ​​pelas mulheres judias hoje. A eficácia do amuleto dependia não só a inscrição, mas também sobre a pessoa que o escreveu, o mais piedoso o autor mais eficaz foi o amuleto. O Talmud diferencia entre "expert" (ou comprovada, min ha-mumḥeh) amuletos e outros. O primeiro tinha provado a sua eficácia, a cura de uma pessoa doente, em três ocasiões diferentes, ou três pessoas doentes e, portanto, pode-se usar como um amuleto fora de casa no sábado (Shab. 6:2). 

 Uma das controvérsias mais veementes na história judaica foi causado por amuletos. Jonathan Eybeschuetz , O rabino de Hamburgo, foi acusado por Jacob Emden de ter usado o nome do falso messias Shabbetai Zevi em amuletos que ele tinha preparado. Eybeschuetz vigorosamente negou a acusação. É interessante que a validade de escrever amuletos não foi questionada na controvérsia. A sociedade funerária congregacional de Hamburgo aprovou oficialmente a eficácia de amuletos Eybeschuetz '. Em um ataque particularmente acentuada contra o racionalismo de Maimônides a estas questões, Elias b. Solomon Zalman , O Gaon de Vilna, um amargo oponente de Ḥasidism, também endossou o uso de amuletos (para Sh. Ar., YD 179). A crença em amuletos diminuiu gradativamente com a emancipação dos judeus europeus, embora na Europa Oriental manteve-se difundido até a Segunda Guerra Mundial Kemi'ot, em particular, foram usados ​​durante a gravidez para evitar o aborto;. Amuletos chamados Kimpet-Tsetl, Shir Hamalos-Tsetl e Shmine-Tsetl também foram colocados acima da cabeça e debaixo do travesseiro de uma mulher em trabalho de parto, para afastar o demônio Lilith . Entre as comunidades orientais, amuletos ainda são amplamente utilizados. Muitos amuletos foram inscritos em pequenos discos de prata ou outro metal e usado como um pingente no pescoço. Amuletos sendo pequeno em tamanho, versos e nomes bíblicos foram indicados por suas letras iniciais, com o resultado de que a inscrição é frequentemente muito difícil de decifrar. A comunidade Samaritano usa nomes de anjos desconhecidos na tradição judaica. 

Um bebê 'zombie' de duas cabeças é a coisa mais terrível que você pode comprar no mercado ribeirinha amuleto budista de Banguecoque, mas se você prometer que vai alimentá-lo todos os dias, o espírito morto-vivo pode se tornar seu escravo fiel e protegê-lo contra o infortúnio. "Na Tailândia, o nível mais baixo dos crentes compram esses zumbis e outros amuletos como este", diz Phramaha Watcharapung Kaviwungso, um monge budista açafrão vestid0 com cautela examinar o totem de boneca grotesca . "O próximo nível mais alto dos crentes comprar amuletos que têm os rostos dos monges budistas. O maior nível de crentes são pessoas como eu, que acreditam apenas em Buda". A maioria dos tailandeses são budistas, mas também misturar uma série desconcertante de outras crenças - incluindo hindus, animistas e superstições - em sua visão espiritual. Buda não estava em amuletos, e aconselhou os seguidores de ignorar tais ilusões. Mas Thais de hoje se cercar de tanta proteção quanto possível através do uso de, transportar ou manter em casa um ou mais pequenos amuletos. 

De acordo com os crentes, amuletos podem trazer boa sorte, amor verdadeiro, sexo selvagem, dinheiro frio ou alívio requintado de problemas pessoais obscuros. Buddhist amulet market Este amuleto rodada retrata do hinduísmo com cabeça de elefante Ganesha. As peças vêm em todos os estilos e formas, feitos de metal, madeira, osso ou gesso, e podem incluir cinza sagrada de incenso, pó colorido a partir de tijolos de um templo, cabelo humano ou outro material . Alguns retratam Buda, ou um monge sênior famoso, em baixo-relevo. Outros descrevem uma criatura mítica ou script enigmática, muitas vezes na língua khmer, que pode ser indecifrável. A Tailândia é um dos maiores produtores do mundo, vendedores e exportadores de amuletos, que estão disponíveis em cada cidade tailandesa e vila. Alguns homens, incluindo caras durões em perigo de serem mortos, usar um colar de várias grandes, amuletos pesados ​​de forma pretensiosa de que bling budista. Amuletos antigos ou raros pode buscar mais de 3,3 milhões de baht. A maioria dos tailandeses, no entanto, geralmente obtém seus amuletos em um templo budista depois de fazer uma pequena doação, ou vasculhar entre barracas humildes onde os preços começam em cinco ou 10 baht. As histórias que explicam a maioria dos amuletos são muitas vezes meio esquecido, e pode mudar dependendo de quem está descrevendo o charme e os seus poderes. 

De acordo com algumas lendas, Khu Mon Tong é um bebê que morreu, talvez natimorto. Seu pai amoroso alimentado cadáver de Khu Mon Tong, e com sucesso reanimou o seu espírito, que gratidão protegido do pai. Quem compra um amuleto Khu Mon Tong e diligentemente alimenta um bocado de comida todos os dias, ele oferece brinquedos e chama isso de "meu filho", pode esperar para ser protegida de inimigos. Alguns amuletos budistas podem ser coisas sinistras. Fanáticos criaram amuletos Khu Mon Tong, usando o crânio esmagado de um bebê, ou com o óleo escorrendo de um recém assado. Um amuleto muito mais popular e pacífica mostra um Buda sem rosto sentado de pernas cruzadas, sobre um plinto em camadas. O amuleto retangular, muitas vezes chamado de "Phra Somdet," é fácil de produzir a partir de uma substância semelhante a gesso, e é frequentemente dado aos devotos em templos budistas. No verso, pode incluir o nome do templo, ou o monge que o fabricou, ou outras informações. Uma versão possui uma pequena espinha de peixe embutida na parte de trás, o que algumas pessoas acreditam que concede poderes especiais, e custa apenas 10 baht. Outro amuleto é ilustrada com um grande navio, e às vezes é chamado de "Krom Ma Luang Chumporn. Diz-se de proteger as pessoas durante viagens oceânicas. Um homem de pernas cruzadas gordinho, cobrindo o rosto com as duas mãos, descreve um monge devoto que se parecia com o Buda. As pessoas erroneamente, adorando-o, pensando que ele era na verdade de Buda, até que ele escondeu o rosto para que ninguém pudesse vê-lo, de acordo com os crentes. O amuleto é chamado de "Phra Phid Ta ', que se traduz como" monge olhos fechados. " Possuir este amuleto, e você permanecerá praticamente invisível para os seus adversários, dizem. Apenas superstição? Portadores jurar por seus amuletos Coletores de profissionais vai sacar uma pequena lupa e examinar os detalhes de um amuleto para determinar se ele é genuíno ou uma das muitas falsificações oferecidos aos compradores desavisados. Para criar um bestseller, monges rezar intensamente ao longo de um lote de amuletos frescos e realizar outros atos para infundir o item com funções espirituais. Buddhist amulet market Estes ícones de tamanho da placa do jantar mostrar "Phra Pid Ta", embora a maioria dos colecionadores compram amuletos menores, que pode ser usado em um colar. Grandes fortunas são feitas com a venda de amuletos, provocando acusações de monges e templos corruptos raking em grandes lucros, que são desaparecidos e livre de impostos. Reclamações também são freqüentemente expressou sobre a comercialização flagrante do budismo de estilo tailandês - e sua degeneração em superstição irracional - que macula elevados ideais do Buda. Mas os crentes juram que seu amuleto favorito salvou sua vida durante um acidente de carro ou ataque violento. Para elevar o moral, militar da Tailândia tem ainda distribuiu amuletos para seus soldados budistas, que lutam no sul contra os separatistas muçulmanos. Bazares amuleto da Tailândia incluem lojas que vendem pequenos recipientes de plástico ou de vidro - cercado por metal, prata ou ouro - para consagrar um amuleto, enquanto usá-lo em um colar ou armazená-lo em casa. Regras para obedecer enquanto usava um amuleto incluem removê-lo durante a relação sexual e mantê-lo fora do chão e longe de pés das pessoas. Ladrões alvo templos, lojas e casas, se eles pensam que podem roubar amuletos caros, criando uma ironia em que a protecção necessidade "amuletos de proteção '. As pessoas que se queixam de que seu amuleto falhou, no entanto, são geralmente dito que ele só funciona se a pessoa que o possui é um budista devoto, criando uma brecha maravilhosa para evitar reembolsos. 

Desde os tempos antigos, usando um amuleto deveria dotar o proprietário ou com uma qualidade de proteção, ou anunciaria a vinda de boa sorte e fortuna. Estes dias, quando de alto perfil celebridades chinesas voltaram a usar um amuleto como uma declaração de moda, o mercado na China, se os usuários são "crentes" ou não, decolou. E nada é mais na tendência agora do que amuletos tailandês Buda. Um amuleto é chamado de Buda Keang Plah em seu idioma local. Diz-se que era uma vez, havia um monge famoso na Tailândia, que foi convidado pelo rei para ir à área de desastre, quando uma seca mortal aflitos da nação. Incapaz de levar a grande estátua de Buda em sua casa, ele sonhou com a estátua de Buda dizendo que ele poderia fazer um pequeno modelo do que com o barro do templo e trazer isso em seu lugar. Ele fez o que lhe foi dito, e aliviou a seca. Quando o monge deu este amuleto para o rei, o rei pediu-lhe para fazer mais e espalhá-los entre as pessoas comuns. 

Como cruzes cristãs e amuletos chineses Buda, amuletos tailandês Buda podem ser feitas de metal ou pedras preciosas. No entanto, a maioria deles ainda hoje são uma combinação de argila e cinzas incenso. Em seguida, são moldados em uma estátua de Buda (alguns não são) e colocar em uma caixa. Às vezes, pólen, ervas, barras de metal (com Escritura esculpidos em), um cabelo da sobrancelha de um santo monge e uma gota de seu sangue também pode ser contido dentro. Não está finalizado e pronto para dar até que seja abençoado por um renomado monge. Amuletos tailandês Buda pode ser feita em diferentes formas, tais como redondo, quadrado e triangular. No entanto, o que decide principal função de um amuleto é o Buda ou criatura mostrado nele. O budismo é a religião politeísta e há vários deuses e deusas. Por exemplo, um Buda chamado Bida (um com as mãos cobrindo o rosto) ajuda a conduzir a má sorte de distância. A borboleta colorida é útil para que uma mulher atrair um homem. Nos velhos tempos, amuletos de Buda na Tailândia foram puramente hand-made, mas hoje, devido à grande demanda, alguns procedimentos, como a escultura de um modelo, são mecanizadas. Embora quase todo mundo pode fazer um amuleto, acredita-se na Tailândia, que apenas aqueles feitos por monges famosos conter o poder, e cada mestre budista tem sua própria especialidade. Luang Phor Koon, um monge famoso em Wat Ban Rai, um templo em Nakhon Ratchasima província na Tailândia, é famoso por fazer bida Buda. "Hoje, a maioria dos amuletos são feitos pelos discípulos desses mestres e depois abençoada pelos mestres, porque esses mestres são todos idosos", disse Wang Lei, um crente budista e revendedor amuleto tailandês em Pequim. 

A religião do povo Yoruba do Oeste Africano foi forçado subterrâneo por séculos de escravidão nas Américas. Várias formas híbridas de culto, dos quais o mais conhecido é Santeria, foram criados por fusão deliberada de Yoruba entidades espirituais com os católicos. O povo iorubá da África Ocidental reconhecer três níveis de força espiritual: um deus criador chamado Olodumare; inúmeros natureza ou Espíritos Mensageiros (semelhantes aos anjos Cristãos) chamou os orixás, e os espíritos reverenciados dos mortos, chamado de eggun. Sob o jugo do catolicismo, Olodumare foi identificado com o Senhor, e os orixás foram identificados com vários santos católicos ou anjos. Onde quer que as pessoas de ascendência Africano foram convertidos ao catolicismo, diferentes santos padroeiros foram identificados espontaneamente com suas próprias divindades e espíritos africanos. No entanto, não havia nenhuma hierarquia central para fazer as atribuições, de modo que, tanto quanto os slvaes iorubás estavam em causa, a hagiografia e símbolos icônicos associada a cada orixá e cada santo produziu um conjunto variável de listas flexíveis de correspondências. Aqui está uma lista típica de correspondências entre os nove dos orixás e mais de uma dúzia de santos católicos: 
Eleggua / Elegua: Messenger, abridor do Caminho, Trickster São Simão Pedro San Martin (Caballero) Santo António (de Pádua) El Nino de Atocha São Expedito São Miguel Arcanjo Obatalá / Obatalia: Pai-Mãe da Humanidade, Portador de Paz e Harmonia Nossa Senhora da Piedade Nossa Senhora do Monte. Carmel Yemaya / Yemalia / Yemalla: Spirit of Motherhood, o Oceano, e da Lua Nossa Senhora de Regla Maria, Estrela do Mar (Stella Maris) Oya: Feminino Guerreiro, Espírito do Vento, Tempestade, Trovão, e Magic Nossa Senhora da Candelária Santa Catarina Santa Teresa Oxum / Ochum: Senhora do Amor, Beleza, e Sexualidade, Espírito da Água Doce Nossa Senhora da Caridad del Cobre (Nossa Mãe da Caridade) Chango / Xangô / Xango / Sango : Quarto King of the Yoruba, imortalizado como Espírito do Trovão Santa Bárbara São Jerônimo Ogun / Ogum: Senhor dos metais, minerais, ferramentas, Guerra, Aves, e Wild Beasts São João Batista Santo António (de Pádua) São Jorge San Pedro (São Pedro Simon) Orula / Orunmila: Professor, o Profeta São João Evangelista levando Jesus para baixo da cruz Babaluaye: Espírito de doenças e enfermidades, também Provedor de dinheiro aos pobres São Lázaro de Dives.

Nos Estados Unidos, México e Caribe, sete dos muitos orixás foram combinadas em uma imagem comumente visto chamado "The Seven Africano Powers". No entanto, há muito mais do que sete orixás, ea maioria deles são identificadas com mais de um santo católico. Lucky-Mojo-Curio-Co.-Seven-Africano-Powers-Magic-Ritual-católico-Saint-Rootwork-Conjure-Sachet-Pó Lucky-Mojo-Curio-Co.-Adiciona-se carrinho Então, quem são os sete poderes africanos? A imagem de sete poderes africanos mais freqüentemente vista em hoodoo sabonetes e óleos de unção é composto por sete santos (às vezes nomes próprios orixás e, às vezes nomes santo) em torno de um círculo central, na qual é mostrada a crucificação de Jesus, visto por um galo em um pedestal. 

Dentro do círculo dos santos a palavra "Olofi" às vezes aparece. A imagem completa é encontrada em um comum amuleto pacote mexicano que combina três moedas, uma imagem da Santíssima Trindade e uma cópia dos poderes Sete africanos A imagem Crucificação interior, sem o anel externo dos santos, aparece em velas e outros artigos marcados " Justo Juiz "ou" Fiel Juiz "em Inglês ou" Justo Juez "em espanhol. Segundo Blair Whitmer , escrevendo na Usenet no final de 1990, "A frase" Os Poderes Sete africanos "é enganosa. Estes sete divindades são apenas sete de um grande panteão dos Orixás. Estes são cultuados em várias religiões diferentes trazidos para o Novo Mundo, incluindo Santeria (em Cuba), o candomblé (no Brasil) ., Arara (em Cuba), bem como muitos outros a frase "Sete africanos Poderes" é mais predominante em Africano-Americano hoodoo , em países de língua espanhola, eles são o Siete potencias (Sete Poderes). "Como sacerdote em Santeria, estou inclinado para a crença de que a adoração adequada dos Orishas exige a entrada direta e orientação de um sacerdote da religião escolhida. O mesmo não é necessariamente verdade se eles estão simplesmente sendo invocado para fins mágicos, mas isso não é realmente "adoração" ... pelo menos não no meu livro. Pessoalmente, gostaria de aconselhar extrema cautela em invocar um Orixá para usos mágicos sem a prática religiosa associada e orientação de um sacerdote. " Meu bom amigo e collegaue Dr. E. da Igreja Santeria dos Orixás contesta o exposto e, dada a sua vida de associação com a comunidade cubano-americana e sua posição como um sacerdote de Xangô na religião, eu acho que vale a pena citá-lo durante algum tempo: "Os sete poderes africanos são espírito guias não Orishas.

 "Os sete poderes africanos são realmente espíritos dos mortos dos sete diferentes tribos africanas que foram trazidas a Cuba e forçadas à escravidão. Dentro de uma Santeria (Lucumi / Lukumi) compreensão cosmológica, os sete poderes africanos são araorœn (cidadãos do céu Ð morto espíritos) Ð eles não são geralmente Egun (ancestrais de sangue ou linhagem iniciática) Quando uma pessoa fala dos Poderes Sete africanos se referem a um grupo de sete espíritos diferentes, um de cada um dos seguintes tribos:. Yoruba, Congo, Takua, Kissi, Calabari, Arar ‡ e Mandika. Uma pessoa que tem uma conexão com o Africano Powers Sete terá um guia espiritual de cada uma dessas tribos única para ele, e um dos sete vai dominar o grupo e orquestrar seus esforços. "[...} Se uma pessoa estivesse a receber o odu 7-8 num diloggun [shell cowrie] lendo isso indicaria que eles têm os poderes africanos Sete em seu tribunal de guias espirituais e seria até que eles usem Espiritismo (Espiritismo) para determinar quem são, o que os seus nomes são e quem é o principal que encabeça a sete. " 

Agora, independentemente do que é "adequado", e independentemente da origem da imagem Sete Poderes africanos, hoodoo profissionais - especialmente aqueles que vivem em estreita proximidade com os latino-americanos - que trabalham com os Poderes Sete africanos em um contexto mágico, percebê-las como divindades da sorte, proteção e poder . 

Havia um óbvio remanescente cultural Africano de adoração Ellegua / Legba / Nbumba Nzila no hoodoo rito conhecido como o ritual encruzilhada , mas a entidade a quem o aspirante conheceu nas encruzilhadas não foi dito ser um Orixá ou Loa / Loa ou Nkisi. Ao contrário, ele foi verbalmente identificado por todas as pessoas que eu conhecia, e em todas as histórias orais do século 20 i mais tarde ler, com a Teutônica Diabo (não a Satanás judaico-cristã, mas sim Der Teufel ). Eu achava que isso era devido a cultural cross-over namoro aos tempos de escravidão, uma substituição de um selvagem europeu, encruzilhada Malandro deus para um Africano uma natureza similar. Foi só no final de 1970 ou início de 1980 que eu vi pela primeira vez a imagem padrão conhecido como "Os Sete Poderes africanos" em um hoodoo loja de material. Pouco tempo depois eu também começou a colecionar exemplos da imagem central, rotulado Justo Juiz em Inglês. A introdução dos Poderes africanos Sete e imagens justo juiz norte-americanos em hoodoo lojas coincidiu com a chegada de numerosos refugiados cubanos. (No entanto, de acordo com algumas pessoas, a imagem em si pode ter se originado em Porto Rico, e não em Cuba.) 

Na era antes de global de viagens fácil e antes da inter-conectividade da internet trouxe uma ré-africanização à religião, os praticantes de Santeria em sua forma mais católica romana tendia a adorar os orixás de forma que combinava Africano e ritual católico romano. Assim, eles exigiram santinhos, velas novena , livretos novena, medalhas santos e outros apetrechos católicos. Os fabricantes em sua maioria italianos (e, ocasionalmente, mexicanos) de tais bens religiosos cumprido essa necessidade, apesar do fato de que o papado não foi amigável para Santeria. 

Cada artigo religioso eu tenho visto que tem os poderes africanos sete ou imagem Justo Juiz ou é uma reprodução em cores da pintura original ou uma prestação de la em line-art. Ou seja, ao contrário de figuras de Cristo ou Maria, que vêm em inúmeras variações artísticas (pálido ou de pele escura; semitas, germânicos, eslavos, ou Africano, feliz, triste, doloroso, compassivo, ou severo, de pé, sentado, flutuante ou reclináveis; vivo, morto, transfigurado, ou efêmera), há apenas uma imagem completa sete poderes africanos e apenas um Justo Juiz detalhe que é cortada fora. Esta imagem foi pintada por alguém tanto artisticamente talentosa e bem versados ​​na iconografia católica standard, para os santos descritos como "covers" para os Orishas são hagiographically correto em todos os detalhes.

Os Caboclos na Umbanda

Os caboclos de Umbanda ou Candomblé, representam tronos atuantes de vibrações cósmicas que trabalham pela manutenção da vida e do sistema ou ecossistema em nosso planeta. Mas, ele não representa apenas os orixás ou trabalha pra humanos. Na verdade tem caboclos, muitas vezes até bem mais forte do que os encantados que atuam na Umbanda que são líderes de muitos payes. Eles representam arvores, pássaros, animais, elementos da natureza ou até poderes bem maiores, como representantes de astros e signos. Alguns poucos médiuns sensitivos tem a companhia de algum desses poderosos "caboclos" que pode ser na verdade um anjo poderoso, querubim ou qualquer outro ser divino. Mas, são raríssimos. Seriam bons exemplos Merlin, que ao que tudo indica era descendente direto dos Nefilins, Melquisedeque, Moisés, Elias e outros.

Falar em Caboclos na Umbanda, é fazer menção a todos eles que, com denominações diversas, atuam em nossos terreiros e que, com humildade, como muito bem recomenda a espiritualidade, omitem detalhes referentes às suas vidas quando encarnados. Espíritos que, embora em sua encarnações tenham vivido em outros países, identificam-se espiritualmente na vibração dos Caboclos, como por exemplo, os índios Americanos, os Astecas, os Maias, os Incas e demais indígenas que povoaram a América do Sul. Originalmente, a palavra Caboclo significa mestiço de Branco com Índio mas, na percepção umbandista, refere-se aos indígenas que em épocas remotas habitaram diversas partes do planeta, como civilizações aparentemente primitivas, mas na realidade de grande sabedoria. 

Não há necessidade da Vibração do Caboclo-guia, coincidir com a do Orixá dono da coroa do médium: o guia pode ser, por exemplo, de Ogum, e atuar em um sensitivo que é filho de Oxóssi; apenas neste caso, a entidade, embora sendo de Ogum, assimilará a vibração de Iemanjá, de Oxóssi ou qualquer outro. Antigamente existia a concepção de que todo Caboclo seria um Oxóssi, ou seja, viria sob a vibração deste Orixá. Porêm em nossa percepção, compreendemos que Caboclos diferentes, possuem Vibrações Originais Diferentes, podendo se apresentar sob a Vibração de Ogum, de Xangô, de Oxóssi ou Omulu. Já as Caboclas, podem se apresentar sob as Vibrações de Iemanjá, de Oxum, de Iansã ou de Nanã. Na Umbanda, os Caboclos constituem uma falange e, como tal, penetram em todas as linhas, atuando em diversas virações. Entretanto, cada um deles tem uma vibração originária, que pode ser ou não aquela em que ele atua. 

Com a expansão da Umbanda, muitas entidades apareceram, como os Baianos, Boiadeiros, Marinheiros e outras, sem falar de Exu, outro grande ícone umbandista. A palavra caboclo, vem do tupi kareuóka, que significa da cor de cobre; acobreado. Espírito que se apresenta de forma forte, com voz vibrante e traz as forças da natureza e a sabedoria para o uso das ervas. Existem variações no entendimento que os umbandistas têm sobre o que sejam os caboclos. As variações são próprias do movimento umbandista, notavelmente plural, mas há consenso na Umbanda, no fato de que os Caboclos são espíritos de humanos que já viveram encarnados no plano físico e são, portanto, nossos ancestrais. É interessante notar que em alguns cultos afro-brasileiros, os caboclos são considerados “encantados” e se relacionam com os espíri­tos da natureza, recebendo nomes de animais, plantas ou outros elementos naturais. Essa percepção se aproxima das lendas indígenas que narram um tempo em que os animais falavam e viviam em comunhão com os homens, podendo um se transformar no outro. 

Os primeiros espíritos a “baixar” nos terreiros de Umbanda foram aqueles conhecidos como Caboclos e Pretos-velhos, a seguir surgiram outras formas de apresentação como as Crianças, conhecidas, variadamente, como Erês, Cosme e Damião, Dois-dois, Candengos, Ibejis ou Yori. Essas três formas, Crianças, Caboclos e Pretos-velhos, podem ser consideradas as principais porque resumem vários símbolos: representam, por exemplo, as raças formadoras do povo brasileiro – indígenas, negros e brancos europeus – e também representam as três fases da vida – a criança, o adulto e o velho – mostrando a dialética da existência. Além disso, trazem valores arquetipais de Pureza e Alegria na Criança; Simplicidade e Fortaleza no Caboclo e a Sabedoria e Humildade dos Pretos-velhos, mostrando o caminho para a evolução espiritual dos sentimentos, do corpo físico e da mente. A marca mais característica da Umbanda, uma religião surgida no Brasil no final do século XIX e início do século XX, é a manifestação de entidades espirituais, por meio da mediunidade de incorporação. Muitos entendem que somente esses são caboclos e que as entidades da vibração de Ogum, Xangô, Yemanjá e Oxalá não seriam, propriamente, caboclos. No entanto, há caboclos da praia, do mar e das ondas, das pedreiras, das cachoeiras, dos rios etc., cujos elementos se associam mais aos outros Orixás que a Oxossi. A palavra caboclo vem do tupi kariuóka, que significa da cor de cobre; acobreado. A partir daí vem a relação com os índios brasileiros, de tez avermelhada. Assim, a palavra caboclo passou a designar aquilo que é próprio de bugre, do indígena brasileiro de cor acobreada. Posteriormente surgiu a noção de caboclo como mestiço de branco com índio, o sertanejo. Dada essa relação dos caboclos com os indígenas – nos terreiros de Umbanda é dessa forma que se manifestam -, e aproximando esse fato ao Orixá Oxossi, que em África é cultuado como Odé, o caçador, o Senhor das Florestas, conhecedor dos segredos das matas e dos animais que lá vivem, diz-se que os Caboclos que baixam na Umbanda são espíritos ligados a Oxossi. 

E podemos dizer que todas as entidades de Umbanda, especialmente as Crianças, Caboclos e Pretos-Velhos, são espíritos ancestrais que estão ligados, cada um, a um Orixá. Assim, as crianças trazem a vibração dos Orixás Ibeji, conhecidos na Umbanda Esotérica como Yori; os Pretos-velhos vêm sob as vibrações dos Orixás Obaluaiê, Nana Burukum ou Yorimá e os Caboclos podem ser de Oxossi, Xangô, Ogum etc. Também é preciso falar que existem os chamados cruzamentos vibratórios em que uma entidade de Ogum, por exemplo, pode trazer também as forças de outro orixá, como Ogum Yara que além das forças de Ogum, movimenta também as forças dos Orixás das águas, como Yemanjá, Oxum etc. Outra maneira de se interpretar as entidades de Caboclo, é como espíritos que se apresentam na forma de adultos, com uma postura forte, de voz vibrante, que trazem as forças da natureza, manipulando essas energias para trabalhar nas questões de saúde, vitalidade e no corte de correntes espirituais negativas. Seu linguajar pode se assemelhar ao dos indígenas, paramen­tados ou não com cocares, arcos e flechas, machadinha e espadas. Aqui estamos entendendo os Caboclos de maneira mais ampla, como símbolo de fortaleza, do vigor da fase adulta, existindo caboclos de Oxossi, Xangô, Ogum e mesmo aquelas entidades ligadas aos orixás femininos, como Yemanjá, Oxum, Yansã. É claro que essas últimas entidades não vêm como índias, mas com uma forma tipicamente relacionada aos seus atributos. Todavia, são entidades que se apresentam como adultos. Todas as entidades de Umbanda são importantes. Ainda que alguns se orgulhem de serem médiuns de caboclos renomados e tidos como chefes de falange, o que vemos é que quando estão no terreiro, os Caboclos tratam uns aos outros como iguais, mostrando que o que importa é o trabalho espiritual e, como em uma aldeia, tudo é feito em conjunto e com as ordens dos planos superiores. Assim diz um ponto cantado de caboclos: na sua aldeia ele é caboclo, é Rompe-mato e seu mano Arranca-toco, na sua aldeia lá na jurema, não se faz nada sem ordem suprema. 

Os Caboclos também ensinam a termos coragem e a sermos guerreiros na vida, lutando pelo que é justo e bom para todos. No que é possível, os caboclos nos ajudam a entrar na macaia (a mata que simboliza a vida), a cortar os cipós do caminho (vencer as dificuldades) e, se preciso, caçar os bichos do mato (vencer as interferências espirituais negativas). É também do linguajar de caboclo, que não cai uma folha da jurema (da mata), sem ordem de Oxalá, ou seja, que tudo na vida tem motivo e que nossas ações são registradas na lei de causa-e-efeito, ou lei do karma. Mas isso não significa ficar passivo, esperando o pior acontecer. Com a expansão da Umbanda, muitas outras entidades apareceram, como os baianos, boiadeiros entre outros, sem falar dos Exus.A Umbanda cresceu porque soube levar em seu círculo de sabedorias ensinamentos de outras religiões. Assim a Umbanda se acresceu de pontos cantados, orações, defumações, etc.Essa diversidade confirma a abrangência desse movimento espiritual que chama a todos e recebe seres encarnados e desencarnados, com vibrações de fraternidade e amizade sob a luz de Oxalá. 

Os primeiros espíritos a “baixar” nos terreiros de Umbanda foram os caboclos e pretos velhos, a seguir surgiram outras formas de apresentação como as crianças, conhecidas como erês. Essas três formas, crianças, caboclos e pretos velhos, são consideradas as principais, representando as três fases da vida – a criança, o adulto e o velho – mostrando a dialética da existência. Além disso, trazem valores arquetipais de pureza e alegria na criança, simplicidade e fortaleza no caboclo e a sabedoria e humildade dos pretos velhos, mostrando o caminho para a evolução espiritual. Os caboclos são entidades fortes e viris, com uma postura forte, de voz vibrante, que trazem as forças da natureza, manipulando essas energias para trabalhar nas questões de saúde, vitalidade e no corte de correntes espirituais negativas alguns tem dificuldade de se expressar em nossa língua, são sérios, mas gostam de festas e fartura, dançam muito e gostam de cantar.

Carma - inocência e malícia

A inocência eleva a alma, por isso o Cristo deu exemplo das crianças e do "nascer de novo". Um ser inocente reflete nos olhos a simplicidade, a falta de maldade e o espaço pronto pro amor. E não confundir inocência com ingenuidade. O amor por exemplo é inocente e é quando ele é tomado de malícia, domínio e controle em excesso que se transforma em obsessão, ciúme e até ódio.

Existem os sofrimentos voluntários e os involuntários. Os primeiros se processam naqueles que seguem a senda direta, o caminho solar; os segundos são resultado de nosso próprio carma. É óbvio que, quando o filho anda mal, o Pai está ausente e a conseqüência é a dor. E quando tal ou qual carma se encontra já totalmente desenrolado e desenvolvido, tem que chegar até o final, inevitavelmente.

É bom saber também que, quando eliminamos radicalmente o ego, a possibilidade de delinqüir fica aniquilada e, em conseqüência, o carma pode ser perdoado. Nem todo o carma é negociável. Isto significa que só é possível modificar radicalmente o carma quando o arrependimento é total e quando toda possibilidade de repetir o erro que o produziu desapareceu radicalmente. 

Karma, em sua forma mais simples, é uma crença na lei de causa e efeito, ou seja, o renascimento de uma alma em uma vida onde as provações e tribulações ou as alegrias e felicidade encontrada pode ser castigo ou recompensa por atos praticados em encarnações anteriores . Nesta forma simples, karma é considerado fundamental para a religião hindu, onde acredita-se que a alma evolui, aumentando a pureza alcançado sobre existências sucessivas, até que a alma eventualmente atinge um estado de Nirvana. O estado de Nirvana é essencialmente um estado de bem-aventurança divina. E por isso, por causa da continuação da vida e das correções ao longo de muitas vidas, vemos que muitas pessoas nascem mais inoncentes do que outras, pelo fato de os senhores do carma terem tirado sua malícia, por este individuo ter usado muito em vidas passadas, uma malícia desenfreada para fazer mal aos outros e a si mesmo. Vemos que alguns nascem mais puros, mais castos e mais amorosos, mas, nem sempre é porque este é melhor que os outros. Na verdade muitos nascem mais podados nessa vida, mais lapidados e mais policiados que outros, porque os senhores do carma, deram uma polida em sua alma.

Enquanto outros nascem mais soltos, curtindo mais a vida, vivenciando mais o sexo e o amor, sendo mais levados, também como forma de um reajuste, por terem tido uma vida mais presa e mais bloqueada em vidas passadas, e por isso os orixás do carma, afrouxaram mais as rédeas... Assim, nunca devemos julgar pela aparência ou atitudes recentes.

Sachindra Kumar Majumdar, em seu livro Introdução aos Princípios e Práticas de Yoga, descreve karma como uma doutrina sobre escravidão e liberdade humanas: "A doutrina do karma oferece uma explicação filosófica da vida e da experiência de um indivíduo em termos de um agente da lei moral no universo e não como a elaboração de mero acaso ou o destino, ou o Fiat de um governante caprichoso do mundo. O indivíduo é o criador de seu próprio destino, ele determina por sua própria ação sua vida futura e da experiência, sua felicidade e miséria, o seu sucesso eo fracasso. "Karma vê a vida presente não como um incidente isolado, mas como um episódio na maior carreira da alma. A vida que vivemos agora é um elo de uma cadeia longa, é o resultado de nossos pensamentos e ações nas existências anteriores. Apesar de nossa vida presente é determinado pelo passado, não é uma determinação absoluta, pois podemos alterar o seu curso dentro dos limites. Nós nunca perdemos nossa liberdade por completo, e há sempre a possibilidade de que podemos alcançar a liberdade completa por descobrir a nossa verdadeira identidade através do conhecimento. "A nossa vida actual pode ser comparada a um jogo de ponte. As cartas foram distribuídas para fora, não podemos mudá-las. Mas como nós jogamos nossa mão depende de nós. Podemos jogar bem ou mal, podemos fazer o melhor uso de nossas oportunidades ou falta deles. O tom desta descrição pode dar a impressão de que o karma é predominantemente um produto das filosofias orientais. Tal impressão não seria inteiramente correto. Considere, por exemplo, um ponto de vista mais "ocidental". Em seu livro, Vida Entre a Vida, Dr. Joel L. Whitton e Joe Fisher (ambos acontecem ser canadense), descrever o carma da mesma maneira: "Karma é o que as pessoas têm colocado em movimento por si mesmos a partir de uma vida para outra por suas motivações, atitudes e comportamento. A aceitação do carma descarta a idéia de que os seres humanos são meros peões num jogo de xadrez cósmico. Para aceitar o carma é reconhecer que o mundo é uma arena de justiça natural: Não pode haver injustiça, desigualdade e infelicidade se todas as condições de surgir como um resultado direto de conduta passado. Karma casados ​​auto-responsabilidade com a lei de causa e efeito; suas ações da vida para a vida dar forma e substância a continuidade pessoal e destino pessoal. "Karma é um sistema de justiça retributiva que perpetua renascimento e determina a forma e configuração de cada encarnação seguinte. Cedo ou tarde, as pessoas vão experimentar por si precisamente as alegrias e tristezas que eles criam para os outros ". 

Embora karma é uma palavra sânscrita (livremente traduzido como ação ou destino) e intimamente associado com o hinduísmo eo budismo, o conceito também está implícito em passagens bíblicas. Por exemplo, recordar a nossa citação do capítulo anterior: "E passando Jesus, viu um homem cego de nascença. "E os seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: Mestre, quem pecou, ​​este homem ou seus pais, para que nascesse cego? "Jesus respondeu: Nem ele pecou nem seus pais, mas que as obras de Deus se manifestem nele." (João 9:1-3) Não só a passagem implica a aceitação pronto por discípulos da idéia da reencarnação de Jesus, mas o contexto também implica a sua aceitação de algo equivalente ao karma. Podemos, por exemplo, ver a idéia de um homem que nasceu cego como sendo punido pela cegueira por pecados cometidos numa vida anterior, antes de ser reencarnado no mundo. Assim, podemos sugerir que um conceito semelhante ao karma, pelo qual os pecados em uma encarnação são expiados em uma posterior, eram, em algum grau, atual e aceitável durante a época de Cristo. A implicação de que o cristianismo primitivo pode ter defendido sua própria forma de karma, sugere que a idéia não pode ser limitada ao misticismo oriental. Lembre-se também a nossa discussão das idéias de Platão sobre a reencarnação no capítulo anterior, onde encontramos uma indicação clara de uma crença de que o muito nesta vida dependia de grau de evolução de uma alma. Ducasse, parafraseando as idéias de Platão, afirma que vidas são probatório, em que uma vida justa melhora e uma vida injusta deteriora o progresso da alma. Platão, aparentemente, também acreditavam que a alma humana poderia passar de homem para animal e para trás, como parte de uma alma melhoria / deterioração. 

Alguns assuntos de regressões a vidas passadas considerar karma como um desenvolvimento do self, onde a intenção é promover a evolução da sua própria alma. Neste caso, a crença é que certas experiências são necessariamente encontrou uma e outra vez, a fim de aprender as lições essenciais, mas difíceis de sua existência. Como muitas vezes as mesmas lições são repetidas é determinado pela forma como as experiências posteriores são manipulados. Whitton e Fisher, utilizando os relatórios de assuntos do Dr. Whitton regrediu ao estado entre vidas, note que as definições mais rigorosas de karma não são necessariamente aplicáveis ​​a todas as situações: "A vida não tem que trabalhar dessa forma. Aqueles que visitaram o bardo (o estado de existência entre a vida) insistem que o carma é, essencialmente, a aprendizagem. É o princípio de trabalho em todas as coisas que faz possível o desenvolvimento da alma. Para aprender é vital, mas a maneira em que a aprendizagem se realiza-se através da troca violenta, aplicação trabalhoso ou sofisticada visão-é relativamente sem importância. " 

Historicamente, nos últimos 3-4000 anos viram mudanças significativas para nossos conceitos de karma. No texto do antigo Egito, a instrução de Ptahhotep (que remonta a 2600 aC), encontramos conceitos como suas ações se tornam seus julgamentos. A Bíblia foi ainda mais específico no equilíbrio das contas morais de uma alma com retribuição por dívidas passadas. O Antigo Testamento do "olho por olho" é relativamente claro na sua intenção, como é o Novo Testamento de: ". Se alguém leva em cativeiro, em cativeiro irá; aquele que mata com a espada deve ser morto com a espada" (Apocalipse 13:10).

Regressões de vidas passadas têm tendência para ilustrar as três formas de karma com o balanceamento mais cruel de justiça ("olho por olho"), sendo mais provável nos estágios iniciais da evolução da alma. Este pode ser um ponto muito importante, em que o karma pode muito bem ser "na mente de quem vê." Se alguns acham que eles devem pagar por assassinar alguém por ser uma vítima, então que assim seja, mas se eles podem encontrar outros meios de compensação, tudo bem também. A implicação (ou seja, a "boa notícia") é que cada um de nós é o nosso próprio juiz. A má notícia é que você provavelmente é o juiz mais difícil que você nunca vai ter que enfrentar. Interpretações posteriores pelos gnósticos cristãos e os cabalistas hebreus, no entanto, envolveu uma forma mais simples e talvez mais sofisticado de compensação. Em vez de condenar um assassino de morrer em circunstâncias semelhantes, a alma da pessoa está autorizada a fazer as pazes e equilibrar as contas de alguma outra forma, talvez por cuidar dos moribundos ou mutilados em uma vida futura. Este segundo ponto de vista é certamente um pouco mais prático. A abordagem do "olho por olho", assume que, para qualquer delito para o qual karma seria incorrido, haveria uma ação de compensação disponível no futuro. Isto pode não ser sempre o caso. Por exemplo, um francês que criou o carma considerável por seus atos de guilhotinar vítimas inocentes, pode ser duramente pressionado para encontrar uma guilhotina em uma vida futura sobre a qual ele poderia perder sua própria cabeça. Ao longo dos séculos, os tempos de mudança e de compensação em formas precisas não só é pouco provável, mas pode não ser igual em qualquer caso. 

Whitton e Fisher estado que ao contrário do budista e crenças hindus de almas amarrado a uma roda do renascimento, as almas "tem o poder de dirigir seu próprio curso de aprendizagem." Ou seja, "padrões cármicos são formados como resultado dos esforços da alma para melhorar a si mesmo com os desafios específicos. "Além disso," a maioria dos ajustes cármicos só pode ser feito através da devolução à existência física e re-encontrando, em muitos casos, as pessoas com quem o karma foi estabelecida ". Stewart C. Easton, em seu livro, O homem eo mundo à luz da Antroposofia, afirma: "Sempre que lamentar o nosso destino na Terra e se queixam de nossa má fortuna, estamos protestando contra a nossa própria escolha, não a escolha de algum deus arbitrária ou deuses que nos fizeram de mal. Em consequência, a um vício que ninguém com conhecimento do karma deve permitir a si mesmo é a inveja, seja inveja da situação de vida de qualquer outra pessoa, ou de seus talentos, fortuna, ou amigos. Porque não temos o que nós escolhemos e ganhou .... " Isso pode não parecer a melhor notícia que você já ouviu esta semana, mas há uma possível graça salvadora. É possível algumas das escolhas da alma para esta vida não foram feitas, a fim de contabilizar crimes em uma vida passada, mas como um meio de preparar a alma para as tarefas e realizações em uma vida futura. Karma não tem que ser visto simplesmente como um meio para forçar-nos a um comportamento previsível, mas pode ser pensado como um meio para permitir a evolução da alma. Se a motivação é a essência do karma, o exercício do livre-arbítrio é um aspecto inevitável dele também. 

Outro problema com o "olho por olho" estrita forma de justiça cármica é o potencial de problemas de auto-perpetuar. Se Tom decide morrer pela mão de Dick, a fim de explicar o fato de que Tom matou Harry em uma vida anterior, o que acontece com o carma de Dick? Karmic tradição não significa necessariamente deixar Dick fora do gancho, se ele optar por matar Tom. Onde é que tudo isso acabar? Um terceiro ponto de vista é que o carma pode ser o processo de aprendizagem final, em que o conhecimento ea compreensão são obtidos através da tradição antiquíssima de "tentativa e erro". Nesta visão, alguém que matou outro pode não necessariamente ser obrigado a ser vítima de um assassino ou para fazer a restituição de alguma forma ativa. Em vez disso, as repercussões de uma vida mais tarde, pode ser suficiente para liquidar as contas se incutir nos o assassino de vidas passadas uma compreensão da natureza auto-destrutiva de suas ações. Este último ponto de vista pode ser um pouco demasiado permissivo, como pode-se dizer que aceitar o carma como justiça cósmica, mas talvez possamos fazer sem. Más ações em uma vida passada pode ser visto como nada mais do que motivação para fazer boas ações na vida atual. O conceito de justiça seria mais tensa nesta situação, se o único sentido real do karma era permitir que a alma a evoluir ou de pós-graduação para a próxima etapa. No entanto, tal visão é muitas vezes aceito, e, como tal, merece alguma consideração. 

Whitton e Fisher também relatam (em detalhe considerável) a história do caso de uma mulher chamada Jenny. Esta senhora particular tinha perdido dois filhos em sucessivas vidas passadas, e apesar do fato de praticamente qualquer autoridade julgamento razoável seria segurá-la sem culpa por suas mortes, as percepções de Jenny de seu comportamento em ambas as situações foi distorcida pela culpa. Sua escolha cármica foi, então, para expiar a morte de seus filhos por acontecimentos em sua vida atual. Como Whitton e Fisher apontou, se encarnado ou não, a percepção pode ser a própria realidade. Este é um ponto importante, pois Jenny escolheu voltar à Terra como uma vítima da brutalidade contínua e abuso sexual. Assim, não só deve esforçar-se uma alma nesta vida para superar a acumulação real cármica de vidas anteriores, mas o acúmulo cármico percebido como bem! Dr. William J. Baldwin, Ph.D., de Carmel, na Califórnia, fez uma declaração semelhante: "Nossas escolhas para uma vida futura pode ser o resultado de equívocos, más interpretações, decisões inadequadas com base nesses pensamentos equivocados, auto-julgamentos severos e punições auto-impostas." De acordo com esses especialistas, parece que a nossa auto-julgamentos são mais graves do que os julgamentos de outros. 

Não necessariamente. Há algumas evidências que sugerem que os laços cármicas podem ser liquidados em sucessivas vidas, para que, de fato, uma forma relativamente rápida da justiça pode prevalecer. Dr. Whitton, por exemplo, notou seus súditos se mudou de encarnação em encarnação, interagindo continuamente com as mesmas entidades em constante mudança relações. E enquanto um de atos em uma vida pode determinar a configuração e os desafios da vida seguinte ou posteriores, não há exigência de que os laços cármicos precisa ser estendido ao longo dos séculos. Manly P. Hall, escrevendo em Morte ao Renascimento, observa que: "O indivíduo paga o seu karma, em grande parte pelo processo que perpetua uma atitude existente em um determinado momento. Se essa atitude existe, no momento da morte anterior, ele vai se tornar a unidade para a re-encarnação da nova personalidade. " Em outras palavras, existe uma forte tendência para iniciar o balanceamento carma o mais rapidamente possível. Mente-lhe, karma tem um braço muito mais do que qualquer agência de aplicação da lei terrena possa ter, e terá todo o prazer esperar por um milênio para estar satisfeito. Mas as relações entre muitas almas aparecem para resolver muitos dos seus laços cármicos, mais cedo ou mais tarde. Talvez não na primeira encarnação imediatamente após o ato-incorrer em karma, mas dentro de algumas vidas. Além disso, isto pressupõe que era a escolha da alma antes de uma das encarnações sucessivas para equilibrar seu karma. Assumindo que a evolução contínua da alma do padre Português, há alguma esperança de que ele vai estar fora do gancho num futuro razoavelmente próximo. Talvez até o ano 2250 dC? Por outro lado, se um atrativo, indivíduo sexy timidamente sugere que você foi o soldado romano que ele ou ela jogou aos leões em tempos antigos, e que, talvez, você pode estar olhando para compensar este movimento grosseiro por algum gesto pensativo em Nesta encarnação, você pode, pelo menos, considerar as possibilidades. 

Há também a questão de equilibrar as más ações com boas ações durante o mesmo tempo de vida. Em outras palavras, não há uma razão a priori para supor que as dívidas cármicas incorridos nesta vida não pode ser reembolsado imediatamente. Ou, talvez mais significativamente, as recompensas para as boas ações da vida pode muito bem ser recebido nesta vida e, esperançosamente, antes de um é muito longe para apreciá-los. Muitos modernos conceitos de karma, de fato, têm notado que o ritmo de retribuições cármicas parece estar aumentando e que as recompensas e / ou punições cármicas induzida a seguir cada vez mais perto nos saltos de suas causas. Atriz Shirley MacLaine tem argumentado que a justiça será feita, não apenas no longo prazo, mas muitas vezes a curto prazo, e afirmou que seu karma está registrando de volta para ela em excessivamente curtos períodos de tempo (por exemplo, minutos ao invés de meses) . Será que a justiça, ao contrário de nosso sistema judicial, está se tornando mais rápido? Pode-se fazer argumentos contra as conclusões do Dr. Stevenson de várias posições diferentes. Por exemplo, o ponto de vista do karma sendo mais sofisticado do "olho por olho", faz correlações simples entre vidas arriscadas na melhor das hipóteses. Além disso, as ações em uma vida atual com um olho para o futuro também escaparia capacidade de alguém para documentar. Acumulação Karmic também pode ser um efeito mais longo prazo, em alguns casos, evoluindo ao longo de um grande número de vidas, um registro de que pode não ser facilmente perceptível até mesmo um esforço investigativo longo de inúmeras vidas passadas de alguém. 

Em claro contraste com os relatos de trinta sujeitos do Dr. Whitton, Dr. Ian Stevenson, a quem encontramos em um capítulo anterior (e que está sendo reencarnado em um presente), em suas extensas investigações encontraram evidências mínima de uma base empírica para karma, em que um paga pelos próprios atos. Stevenson não, aparentemente, encontrar situações onde as diferenças de circunstâncias entre personalidades poderiam ser levianamente contabilizados por variações na maldade ou bondade. Ele também sentiu que os observadores ocidentais que consideram a reencarnação e karma como indissociáveis ​​não sabem que muitos grupos que acreditam na reencarnação não necessariamente acreditar no tipo de karma comumente associado com os provenientes do Sudeste Asiático. Em outras palavras, a reencarnação não implica necessariamente que as nossas vidas são ditadas presentes de alguma forma por nossas vidas anteriores. 

Podemos também questionar se o carma é um atributo essencial da reencarnação. Lytle Robinson, em seu livro, História da Origem e Destino do Homem de Edgar Cayce, observa que todo mundo nasce com personalidades específicas, com uma mistura de boas e más características. Do ponto de vista do Sr. Robinson, se essas características são incorridos inteiramente por hereditariedade e do ambiente (ou seja, não há carry-over de uma vida anterior), então como alguém pode ser responsabilizado por aquilo que é de fato a criação de Deus? Mr. Robinson acredita que o karma é, portanto, sem sentido do ponto de vista de uma só vida. Em outras palavras, do ponto de vista do Sr. Robinson, a reencarnação é essencial para karma. O conselho de São Paulo aos Gálatas: "Não erreis: Deus não se deixa escarnecer;. Pois tudo o que o homem semear, isso também ceifará" (Gálatas 6:7) pode ser interpretado como não sendo uma afirmação verdadeira a menos que o tempo para colher é espalhar-se ao longo de um período de tempo maior do que uma única vida. 

Claramente uma distinção significativa de karma é a justiça inerente ao conceito. Quero dizer, estamos falando Justiça com um "J!" Ninguém fica afastado com nada, nem como! Podemos todos a certeza de que todo e qualquer delitos invariavelmente aparecem com tinta indelével na conta de livros muito completos de cada alma. E, independentemente do número de vidas passadas que passam entre o delito ea atual, a dívida cármica espera pacientemente (ou talvez com impaciência) para o reembolso inevitável. De um ponto de vista filosófico profundamente, talvez seja reconfortante saber que o fink do rato que lhe vendeu limão que, mais cedo ou mais tarde, obter o seu, mesmo que ele não pode ser nesta vida! Da mesma forma, não é a visão complementar que boas ações realizadas agora, irá fornecer para as recompensas no futuro. E, com o potencial para a vida futura, todos podem ter a certeza de receber seus justos desertos. Talvez mais importante que todos possam assumir seu livre arbítrio ainda está intacto e que eles podem por suas próprias ações tornar as coisas melhores no futuro simplesmente tomando as medidas necessárias agora. Além disso, todos podem reduzir karma (teoricamente), fazendo o bem, assim como por suportar a dor eo sofrimento atual. 

Reencarnação permite a oportunidade de refazer o teste novamente e novamente até que você marcar 100%, enquanto que karma garante que apenas 100% contagens são aceitáveis ​​para que nota de aprovação muito importante. Reencarnação permite a igualdade de oportunidades; karma garante resultados iguais. Logicamente, então, a aceitação do carma implica um pressuposto fundamental e profunda. A realidade do karma assume um Deus justo (ou deuses) ou, no mínimo, um Deus que deseja justiça. Se Deus não é justo, então o carma pode ser nada mais do que o produto da imaginação de alguém que sofre de injustiça. Mas se Deus é justo, o karma é a personificação filosófica da Liga da Justiça da manhã de sábado. Apenas talvez mais lento do que uma bala. 

Mas é o karma como essencial para a teoria da reencarnação como o contrário? Como Ian Stevenson já assinalou, a reencarnação pode ser perfeitamente verdadeiro sem karma. A evidência de karma, deve, portanto, não dependem da prova da reencarnação, mas sobre o conceito de justiça universal (assumindo que tal justiça existe). Por exemplo, a motivação para eliminar o carma, ou seja, reduzir os débitos delito nos livros de contas a zero, se baseia na crença da existência de justiça e um resultado justo. Muitas vezes pensamos em nossa capacidade de entrar no céu como sendo dependente de nossa receber uma "nota de aprovação", no valor total de nossa vida. Mas, em vez de permitir que qualquer um de esgueirar-se com um C-(enquanto a D + envia-lo em outra direção), karma significa que todo mundo tem que, eventualmente, trazer a sua nota média até A + (não importa quanto tempo leva para chegar lá )! Resumindo, podemos chegar à seguinte: 1. Karma implica a lei de causa e efeito. 2. Karma insiste em ser a pessoa responsável por seus próprios atos e crimes e que as ações em uma vida passada ou atual irá dar forma e substância à evolução individual de uma alma. 3. Karma é determinado por cada alma em sua própria auto-julgamento. 4. Karma implica a presença de motivo, que por sua vez, requer o exercício do livre arbítrio. 5. Karma requer que o acúmulo cármico (a soma total de delitos não compensadas) deve ser reduzida a zero ao longo de muitas encarnações no entanto são necessárias, antes que uma alma pode escapar da "Roda da Vida". [Um corolário é que a redução cármica pode ser feito em parte, por outros, como Jesus Cristo, que muitos acreditam morreu por outros pecados (e, portanto, ajudou a reduzir o seu karma).] 6. Redução Karma requer existência física. 7. Qualquer redução no acúmulo cármico invariavelmente envolve interações com outras almas, como fazer recompensas cármicas-relacionados. 8. Karma pode ser repartido por várias vidas e / ou dentro de uma única vida. 

O dicionário dá a definição para a palavra "inocência", como "... livre do pecado, ou errado moral.", Mas um pecado é essencialmente uma ação. Assim, para ser inocente é o mesmo que dizer ser livre de Causa. A Sabedoria Antiga ensina-nos que a ação gera reação, causa gera efeito, sequência gera consequências, e as religiões também têm seus reflexos notáveis ​​sobre isso. O Mestre Jesus disse às pessoas que colhem, pois semear o que implica que ele estava totalmente familiarizado com esta filosofia. No mundo de hoje, é agora quase universalmente conhecido pelo termo sânscrito Karma que se traduz como: ato, ação ou desempenho. A Sabedoria Antiga também nos ensina que todo o universo opera por esta lei e que são intrinsecamente um produto evolutivo da mesma lei. Ela nos ensina também que o Karma é impessoal e funciona através de e sobre os bons e os maus, independentemente de quaisquer códigos morais que construir sua sociedade diante. 

Enquanto o mundo ea humanidade fica mais e mais abalada pelo processo de filtragem que estamos experimentando o que chamamos 'o Armageddon', haverá uma reação natural do ser humano de se qualificar como isso nos afeta. Esta qualificação será em alguns casos, ter a sua casa no prazo "inocência" e outras expressões do tipo-like. De modo geral, quando alguém que levou uma vida boa é assassinado ou atropelado aleatoriamente na rua, ele ou ela é chamada inocente do crime. Um terremoto ou tsunami acontece e as notícias que lê milhares de pessoas inocentes foram mortos. As crianças, também, são muitas vezes referidos como inocente, e ainda mais quando são tratados com crueldade ou pego em um acidente. Basicamente "inocência" é o companheiro de cama de um certo tipo de sofrimento humano, para muitas pessoas julgam as circunstâncias dessas naturezas por efeitos ao invés de causas verdadeiras. 

A raiz do problema é que a mente tem o hábito de separar-se da natureza e usa a razão intelectual e lógica para defender seu ponto de vista. Muitas vezes cria termos como "inocência" porque não pode ver o começo de todas as coisas e por isso aplica-se outros termos como "boa sorte" ou "azar" para aplacar enigmas existenciais problemáticos. No entanto, o apelo da ONU-considerado de Karma é a sua certeza. Boa sorte nunca é certo, porque caso contrário se fosse as pessoas talvez não sentem a necessidade de desejo a ninguém. Eles sabem que tão certo como o sol nasce todos os dias assim também é uma espécie de boa sorte inevitável, e para desejar que seria uma ocupação bastante inútil. Mas, para a maioria das pessoas o tempo é curto e as suas necessidades, desejos e opiniões pesam em suas mentes e que este exerce sobre como um julgamento e mentalidade de apontar o dedo é lamentável. A razão ea lógica sempre têm o seu lugar, mas deve-se estar atento a seu uso e as circunstâncias envolvidas. E é bastante seguro dizer que a maioria das pessoas está familiarizada com Karma, mas para a maior parte (exceto no mais filosoficamente e espiritualmente-minded) é simplesmente um pop-espiritual frase conveniente usado para explicar casualmente algumas circunstâncias ou outro, mas a verdade é que o mundo das causas é complicado e muito está escondido da vista dos não-iniciados. É basicamente mais fácil para os seres humanos do que personalizar a im personalizar experiências de vida, razão pela qual Karma é popularmente tratado como sendo ou "bom" ou "ruim". Mas as pessoas devem ser ensinados que o próprio Karma não é nem bom nem mau e que o argumento de Karma deve ficar sobre o mérito de sua própria realidade, em oposição aos valores que colocamos nele. Este Grande Lei, essencialmente nos ensina que tudo o que fazemos tem uma conseqüência, mas não necessariamente uma moral. Se pensamos uma coisa, sentir alguma coisa, ou agir de algo, há uma reação correspondente. Resultados cármicos são subjetivos e são baseadas em um princípio cósmico de que cada indivíduo e trata de compreender e perceber como parte de seu verdadeiro sentido do self. Pode, claro, aconselhar uma pessoa que, pela Lei do Karma suas ações (boas ou más) vai reagir sobre si mesmos em alguma data futura e um caminho vai levar a mais sofrimento e outro irá conduzir a uma maior felicidade (de língua subjetivamente), mas até que as pessoas parar de tomar as coisas pessoalmente, em seguida, haverá sempre um sentimento de «decisão» sobre Karma, que pode facilmente levar a equívoco. 

De um modo geral, o termo "inocência" é convenientemente usado para aqueles que, basicamente, acho que só existe uma vida. A fim de dar sentido a isso deve-se muitas vezes olhar mais para trás do que esta vida atual para ver onde as coisas foram postas em movimento. Alguns dos melhores pensadores da história, tais como Paracelso, e Sócrates acreditava em causas além da percepção humana (a maioria dos filósofos fazer), e ainda de mentalidade moderna e impaciente de hoje a causa deve ser aparente, se não, em seguida, ainda fez-se para atender às necessidades. É uma coisa difícil de dizer que, se uma criança é espancada e abusada por seu pai ou a sua mãe, então ele está simplesmente colhendo os resultados de uma existência anterior (e em grande parte não rastreável), e isto por causa da preponderância de colocar as crianças em um idealista luz. Isso não quer dizer que não deve haver nenhuma ação tomada quando uma coisa dessas acontece, todas as crianças devem ser protegidas e cuidadas com mansidão, amor, paciência e compreensão, e karma de vidas passadas nunca deve ser uma configuração padrão mental quando o óbvio é você olhar na face. 

Verdadeiramente há uma abundância de desculpas muitas vezes inconsistentes e irrefletido para explicar algo que poderia facilmente ter luz derramada sobre ele pela sabedoria antiga. A Sabedoria Antiga novamente nos ensina que as leis sociais são, mas espelhado reflexões de maiores leis cósmicas, algumas distorcidas, outros como um reflexo verdadeiro como eles podem ser-dado os tempos que nós estamos dentro na Terra agora podemos ver facilmente que o legal e sistema de justiça é corrupto porque foi manipulado por tanto tempo. As pessoas estão ficando impunes (literalmente em muitos casos) e muito poucos parecem querer assumir a responsabilidade por suas ações. Isto, naturalmente, faz com que muitas pessoas sentem que não há justiça. Algumas pessoas vão perguntar como é que Deus pode permitir que os tipos de coisas que estão acontecendo nos dias de hoje acontecer, mas não é um caso de "deixar" em tudo. Tudo o que temos na terra, boa ou ruim, legal ou ilegal, está lá por causa do Karma. Essas pessoas se sentem perplexos Deus deve realmente ser cruel ou cruel para deixar essas coisas acontecem porque a crueldade e maldade são qualidades humanas e Deus muitas vezes é personalizado para atender às nossas próprias idéias. Ilogicamente, a mente concreta, provavelmente sim aceitar a noção do bem e do azar de aceitar a noção de princípios cósmicos que são imutáveis ​​certo. Muito do que está acontecendo no mundo é uma repara cármico de ações passadas da humanidade e temos o materialismo ea corrupção porque seja individualmente ou coletivamente nós permitimos que isso aconteça. Platão disse uma vez: "O preço homens bons pagar por indiferença para com os assuntos públicos deve ser governado por homens maus". 

A raiz da iluminação é a natureza de Buda, que é descrito como sendo como uma semente que pode crescer em condições adequadas ou como um estado claro e não poluído, que pode ser revelada através da aplicação do tratamento correto para remover ilusões. Um tipo de natureza de Buda, em seguida, estão sujeitas a alterações e as condições eo outro é auto-existente e imutável. A mudança é provocada por karma, a lei da ação e pode ser dividido em duas categorias principais: 1) as causas e efeitos que são mecânicos ou não intencional e 2) as causas intencionais. Alguns argumentam que o primeiro tipo de causas são realmente muito separado do segundo tipo de causas e que o que acontece, acontece de forma indiscriminada para o "bom", bem como o "mau". Isso significa que nenhuma quantidade de bondade em seu personagem irá protegê-lo de um tsunami ou uma bomba terrorista. E, neste caso, a única vantagem de treinar a mente é reduzir a experiência do sofrimento em face da tragédia. No entanto, quando se trata de intenção, toda budista concorda que causa cármica é impulsionada pela intenção por trás de um ato e que nós colhemos o que semeamos em um ciclo inescapável de causa e efeito. 

Assim, o praticante budista usa um modelo de causas não intencionais e efeitos de desconstrução da experiência de um indivíduo que está agindo de forma maliciosa, a fim de reduzir a dor que vem de ser o alvo de um ato malicioso. Na verdade, o praticante também aprender a ser grato à pessoa que age com maldade para com eles, pois isso "pessoa ignorante" está sofrendo, oferecendo uma valiosa oportunidade de aprender a ter paciência, compreensão e compaixão. Assim, o raciocínio é cheio de contradições e "a verdade" só pode ser a mente de entendimento que está livre de causas e efeitos desatentos. Tudo o que realmente pode ser dito é que o modelo conceitual de causa e efeito tem sido usado para ajudar o praticante a reduzir a sua própria experiência de sofrimento de reações emocionais dolorosas e para obter uma experiência mais agradável de emoções de compaixão e empatia. Na verdade, o valor de análise lógica só pode estar no seu efeito emocional, mas não está sozinha. 


Assim, aplicando estratégias conceituais para aumentar as emoções positivas podem resultar em uma mente que, gradualmente, torna-se livre de crenças sobre identidade que provocam respostas emocionais dolorosas. Desta forma, a mente pura original torna-se livre da influência de padrões negativos de experiência. Então, tudo isso se encaixa com a idéia de que a natureza pura original da mente é real e pré-existente e não sujeita a alterações. Então, o que é o objeto da percepção (relativa) da mente original não poluído (absoluto)? Há apenas duas possibilidades: 1) em si e 2) o aspecto mutável da natureza de Buda, que só pode crescer a partir da lama da ignorância e do sofrimento. E assim, a mente iluminada vê os ensaios da mente condicionada com compaixão e da mente condicionada é iluminado por treinamento em compaixão: A prática ea meta; relativa e absoluta; determinado e indeterminado, previsto e não intencional são inseparáveis: A causa é a efeito e o efeito é a causa. De um ponto de vista esclarecido, a experiência desta vida cheia de sofrimento podem ser as dores do parto do nascimento de Buda. E do ponto de vista do budista, a própria natureza desta experiência de vida pela mente condicionada está sofrendo. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores